sábado, setembro 29, 2007

Directas do PSD: a OPA rasca

Com um esmagadora maioria dos militantes com as quotas por pagar que escolhem um candidato a primeiro-ministro com os mesmos critérios com que escolheriam o presidente do Estrela da Amadora, o resultado das directas do PSD era irrelevante. Foram em tudo semelhantes àquilo a que assistimos no mundo da bola, estereótipo dos militantes doPSD é o do adepto da bola, os presidentes das comissões de honra são apresentados como futuros treinadores e os notáveis correspondem às aquisições prometidas para o próximo campeonato.

Luís Filipe Menezes ganhou sem surpresa, da mesma forma que não seríamos surpreendidos se tivesse ganho Marques Mendes. Ganhou porque foi mais eficaz do que o seu opositor na comprar votos, o vencido percebeu tarde que não lhe bastava a notoriedade dos apoiantes para ganhar, precisaria dos votos que decidiriam o vencedor e estes postos estavam à venda por baixo preço.

Temos, portanto, o maior partido português a apresentar um candidato a primeiro-ministro que tem como maior virtude o facto de ter sido mais eficaz do que o seu opositor a comprar votos, de ter sido mais esperto. Menezes não venceu debates políticos, não apresentou projectos, lidera o PSD porque ganhou uma OPA rasca, uma opa com as acções a valer um euro por mês. Feitas as contas, Menezes ganhou por 4.000 votos, isto é, se cada voto comprado correspondia a dois anos de quotas por pagar o novo presidente do PSD apenas teve que investir mais 96.000 euros, menos do que seria necessário para comprar uma taberna de aldeia.

Em termos futebolísticos o PSD vale menos do que uma equipa que disputa a permanência num campeonato regional, os 90.000 euros investidos por Luís Filipe Menezes não dariam para o relvado novo do Estádio de Alvalade. Portanto, o PSD vai apresentar a candidato a primeiro-ministro o equivalente a um presidente de um clube da regional.

É assim o campeonato da política portuguesa, enquanto os bons dirigentes preferem as equipas da privada, os clubes do campeonato nacional são liderados por chicos espertos que adquirem o estatuto de candidato a primeiro-ministro por muito menos do que custa uma taberna.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Castelo de Almourol

IMAGEM DO DIA

[Daniel Berehulak/Getty Images]

«LONDON - A protestor holds a print of detained opposition leader Aung San Suu Kyi during pro democracy protests outside the Burmese Embassy on September 27, 2007 in London, England. People congregated to continue to protest against the military dictatorship in Burma, and show support of the current mass demonstrations led by Buddhist monks in the Asian nation.» [Tiscali]

JUMENTO DO DIA

Esclarecimento desnecessário

Quando o seu nome estava a ser usado descaradamente pela candidatura de Marques Mendes, quando os jornalistas davam a entender que cavaco preferia Marques Mendes, quando algumas das personalidades mais próximas de Cavaco apoiavam Mendes, o presidente da República não tomou posição, não esclareceu se o seu nome estava a ser usado abusivamente. Agora que o PSD deu o espectáculo triste a que assistimos Cavaco vem esclarecer que não se envolve em lutas partidárias.

Foi uma intervenção desnecessária e a fazer sentido foi tardia.

UMA DÚVIDA

Porque razão o PCP que age como se fosse o representante de todos os que lutam pela libertação dos povos e que até é amigo de organizações como s FARC da Colômbia não dedica uma única linha ao que está a suceder na Birmânia. Será que o PCP considera que o povo birmanês não existe?

SÃO EXACTAMENTE 193 CAPELÕES A MAIS

«Há 123 capelães católicos integrados nos quadros do Ministério da Saúde, com salários que variam entre 986 e 1474 e pelo menos mais 70 sacerdotes da mesma confissão com vínculo contratual com o Estado, no Ministério da Defesa (onde existe até um bispo das Forças Armadas, com patente de major-general, nomeado pelo papa e só por ele podendo ser exonerado), da Justiça (nas prisões) e da Administração Interna (a celebrar missa na PSP e GNR). » [Diário de Notícias]

Parecer:

Fernanda Câncio contou-os.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

D. SEBASTIÃO NO PSD

«Trinta anos já! Em 1976, pela primeira vez, votei no PSD. Em 1975 (como teria feito em 1973 nos monárquicos, por causa de Barrilaro Ruas) tinha votado no PPM. Depois disso nem sempre votei e por vezes abstive-me, mas o partido de Sá Carneiro foi tendo em regra o meu voto nas legislativas.

Sem nenhuma militância ou cargos desde 1986 (com excepção de alguns meses com Marcelo Rebelo de Sousa) e totalmente afastado desde 1999, não consigo, apesar disso, afirmar que o PSD me seja indiferente. Pensava que as eleições desta semana me eram indiferentes e até afirmei que, no estado em que estão as coisas, qualquer dos candidatos serviria.

Feito o registo de interesses habitual, quero alterar a minha posição: estas eleições deixaram de me ser indiferentes e acho que nenhum dos candidatos tem as condições mínimas para liderar o PSD. E, evidentemente, afirmo que de forma alguma pondero votar no PSD em 2009, se o que se está a passar perdurar.

O que terá acontecido para que chegassem onde chegaram estes dois políticos profissionais, que fazem parte do que o sistema político tem de mais qualificado, com uma experiência de mais de 25 anos de quase exclusiva dedicação aos combates políticos, que sempre estiveram ligados na mesma tendência do PSD, que considero que são pessoas decentes e honestas? Como pode haver um dia seguinte para líderes de facção e seus apoiantes que se insultam em público, se acusam das mais graves tropelias, se ameaçam e desconsideram?

Em resumo, que o espaço é curto, eis as explicações, pelo menos em minha opinião.

O sistema político-partidário está podre. O mal é geral, concretizando-se em cada caso da forma mais adequada às idiossincrasias de cada um dos agrupamentos em questão. A qualidade média do pessoal político vem baixando, pela regra conhecida de que a má moeda faz tudo para afastar a boa moeda. A luta política vai-se tornando, por isso, cada vez mais rasteira e a competição é crescentemente concretizada pela demonização dos adversários e pelos golpes baixos, em vez de ser feita pela defesa de posições, projectos e valores.

A sociedade portuguesa, por tudo isso, reage cada vez pior ao sistema partidário. Criou-se o hábito de que os que ambicionam chegar aos cargos políticos devem evitar cuidadosamente dedicar-se à política! Por isso e pela pequenez do país, pela força do Estado, pelo tentacularismo do poder dos Governos, os partidos que estão na oposição, além de gozarem da má fama generalizada, não devem ser frequentados. O que acentua o carácter reles do combate político e a desmotivação de todos.

Os partidos não têm substracto ideológico (que não sejam banalidades que, fazendo-se reciprocamente copy paste, todos subscrevem), objectivos estratégicos (que não seja o de conquistar ou manter-se no poder a qualquer preço), valores culturais próprios (com excepção do PCP, que, por isso, é ainda o que está em menos mau estado), base social de apoio, formação política. Os que prezam as ideias e os debates vão-se afastando das mais variadas formas e ficam os carreiristas, os que se insultam num dia e no dia seguinte - sem vergonha - aplaudem em nome da unidade quem vilipendiaram na véspera, os que trepam pelos aparelhos, os que engolem tudo o que for preciso para ficarem à tona de água. Tudo sempre com honrosas excepções, como é óbvio.

A todo isto, para além deste caldo de cultura miasmático, juntam-se factores específicos no caso concreto. Marques Mendes é totalmente unfit for purpose, como se costuma dizer das obras públicas com defeitos. Não tem carisma, não tem vivência, não tem jeito. Teve uma derrota clamorosa em Lisboa e, com uma pirueta táctica, quis transformar uma derrota numa aclamação. Não encontro ninguém entre os seus apoiantes que, em privado, em voz baixa, sabendo que não vai ser citado, não diga que ele deve ganhar (por causa do medo a Menezes), mas que em Janeiro de 2009 tem de ser escolhido outro líder ou, pelo menos, outro candidato a primeiro-ministro. Muitos estão à espera disso e, prudentemente, apoiam e assobiam para o lado.

Menezes, pelo seu lado, assusta as cordatas almas do conservadorismo dominante no que foi outrora o partido das classes médias em processo de ascensão social, da sociedade civil, dos self made men, da pequena burguesia da província, dos que conseguiram triunfar com trabalho e sacrifício. E, temperamentalmente, é um populista, um demagogo (não é insulto, mas definição política), alguém que as classes médias actuais mais jovens, mais cultas, mais viajadas, mais preocupadas com aventuras sem controlo, temem. Menezes podia ser um líder para o antigo PSD; não serve para o actual.

Para Portugal e para o sistema político, é essencial que o PS tenha uma contraposição capaz e forte à sua direita. Por isso defendi, embora não tencione aderir, que um novo partido deve ser criado, aproveitando o que dos destroços do CDS e do PSD ainda possa ser reciclado. Estas eleições vão ser o toque a finados para o partido liderante da área direita do espectro político. Alguns, como os meus Amigos Marcelo Rebelo de Sousa, Nuno Morais Sarmento e José Pedro Aguiar Branco, acham que o PSD ainda tem salvação. Não acredito minimamente e este processo eleitoral está a dar-me razão.

Claro que, ligado à máquina, com coração artificial e toda a parafernália da moderna medicina, pode o PSD ser mantido moribundo à espera, à espera, à espera... de D. Sebastião. Quer venha ou não.» [Público assinantes]

Parecer:

As directas do PSD vistas por José Miguel Júdice.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

ATÉ OS MORTOS FICARAM COM AS QUOTAS PAGAS

«Nessa reunião, que decorria à hora de fecho desta edição, iriam ser fechados os cadernos eleitorais. Mas foram analisados outros casos, entretanto apurados pela candidatura de Menezes. Casos como o pagamento de quotas em massa nas Caldas, em Ansião, Espinho e na Figueira da Foz, onde um militante, ao tentar pagar a sua quota, da sua mulher e do seu filho, verificou que o pagamento já fora feito por vale postal. E até tinha sido paga a quota do seu pai, falecido há três meses. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Um espectáculo pouco digno o que está a ser dado pelo PSD.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Questione-se Mendes e Menezes se consideram que o próximo líder tem credibilidade para ser candidato a primeiro-ministro.»

BOMBEIRO MODELO

«Rafael Gonçalves, 29 anos, bombeiro voluntário na Corporação de Vinhais, Bragança, saiu ontem com termo de identidade e residência do Tribunal de Vila Real, após ter sido detido na tarde de quarta-feira em pleno IP4, junto a Vila Real, pela Brigada de Trânsito da GNR, por acusar uma taxa de alcoolemia de 1,4 gramas por litro de sangue.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Este é um pequeno exemplo do que se poderá estar a passar nalgumas corporações de bombeiros.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao comandante se não conhecia os hábitos do seu bombeiro.»

PEIXEIRADA JORNALÍSTICA

«Fazendo o frete ao patrão Paulo Fernandes, como infelizmente vai sendo habitual, o negócios.pt publicou no seu site uma notícia lamentável sobre estes mesmos factos. Comentando os números do DN, o negócios.pt lembrou uma pequena acção promocional que o nosso jornal fez com a BP (apenas na zona norte do País, como o Público fez com os supermercados da Sonae), mas comentando os do CM (do mesmo grupo, a Cofina, a que pertence o Jornal de Negócios) nem uma palavra para a distribuição de 12 DVD, de borla, em quatro fins-de-semana, de sexta a domingo, que alteraram por completo estes dados da APCT e colocaram aquele jornal popular num patamar igual ao que o Expresso teve há meses quando decidiu precaver-se contra o nascimento do Sol.

E, no entanto, se quisesse ser mesmo rigoroso, o negócios.pt poderia informar que a sua casa-mãe, o Jornal de Negócios, vende em banca na realidade apenas cerca de dois mil jornais em papel (sim, 2760), sendo os outros cerca de cinco mil exemplares um produto das vendas em saldo ("em bloco" e por "assinatura") às empresas cuja actividade económica depois noticia.

Quanto a este assunto, esperamos ficar por aqui.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Esta Nota da redacção do Diário de Notícias revela a consideração que os nossos jornalistas têm uns pelos outros.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a João Marcelino, director do DN, se, por mero acaso, já foi empregado do tal patrão Paulo Fernandes.»

VÃO HAVER PROVAS ORAIS NO ENSINO SECUNDÁRIO

«Os alunos dos cursos do ensino secundário mais orientados para o prosseguimento de estudos vão ter, obrigatoriamente, de fazer um exame oral às disciplinas de Português e língua estrangeira. Mas há mais novidades: nas disciplinas científicas haverá um exame prático.

De acordo com uma portaria do Ministério da Educação, que aguarda publicação em Diário da República, a oral a Português valerá 25 por cento da nota, enquanto a mesma prova na disciplina de língua estrangeira terá um peso de 30 por cento. » [Portugal Diário]

Parecer:

Faz sentido.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

INVESTIMENTO PÚBLICO VOLTA A CAIR

«Ao contrário do que tinha sido previsto pelo Governo, o investimento público vai voltar a cair este ano, constituindo uma das principais ajudas para a concretização do objectivo de redução do défice.No relatório dos défices excessivos que será enviado a Bruxelas e que hoje foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o Governo corrigiu as suas anteriores estimativas, feitas em Março, para as contas públicas de 2007 (o único ano do reporte que ainda não é da responsabilidade do INE). » [Público assinantes]

Parecer:

Enfim, ainda sobra um ano antes das eleições.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Confiram-se com as promessas eleitorais.»

PODERÃO TER ENCONTRADO OS RESTOS MORTAIS DE NICOLAU II

«Parece que al fin hay un rayo del luz sobre la misteriosa historia del final de la Rusia zarista, tras el hallazgo de 44 huesos que pertenecen, casi con toda seguridad, a dos de los hijos del último zar, Nicolás II.

Según publica la BBC, fueron encontrados en pasado mes de julio en Yekaterimburgo, cerca de los montes Urales.» [20 Minutos]

AS MELHORES IMAGENS DA CIÊNCIA

vista a três dimensões do interior de um nariz humano

«Los datos son la base de la ciencia, pero los expertos no desprecian tampoco el valor de imágenes y gráficos, que a menudo resultan fundamentales para avanzar en investigaciones o realizar descubrimientos. El Desafío de Visualización 2007, convocado por la revista Science y la Fundación Nacional de la Ciencia de EE UU, premia cada año los mejores trabajos gráficos.» [20 Minutos]

EUA: CRIANÇA APARECE EM VÍDEO PORNOGRÁFICO

«Las autoridades del estado de Nevada, en Estados Unidos, intentan desde el martes encontrar a una niña de unos cuatro o cinco años de edad y a un hombre con el que se le ve practicar actos de sexo explícito en una cinta de vídeo amateur, según publica FOX News [20 Minutos]

FUNCIONÁRIOS O FISCO VÃO SER PREMIADOS PELO SEU DESEMPENHO

«A fusão das Direcções de Finanças e a reestruturação das Repartições de Finanças irá colocar funcionários da Direcção-geral dos Impostos (DGCI) em mobilidade especial. Esta confirmação foi dada ontem pelo ministro Teixeira dos Santos, no final da tomada de posse do novo director-geral, que recusou adiantar quantas pessoas poderão ser afectadas.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Esta é a consideração do Governo por aqueles que o têm salvo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Registe-se.»

OUTRA CENTRAL DE RECLAMAÇÕES?

«O Fisco vai criar, até ao fim do ano, uma Central de Reclamações que irá agregar e encaminhar todas as queixas apresentadas pelos contribuintes que não sejam de natureza tributária, anunciou ontem o ministro Teixeira dos Santos, durante a cerimónia de tomada de posse do novo director-geral dos Impostos.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Parece que o ministro das Finanças aprendeu com o dr. Macedo (que o Opus Millennium o tenha em descanso...) a arte de aplicar à informação a arte do milagre dos pães, esta central de reclamações, que só serve para iludir o facto de nada se ter feito neste domínio, já tinha sido anunciada no mês passado [Jornal de Notícias].

A estratégia de comunicação é manhosa mas é simples, primeiro manda-se a informação para os jornais pela porta do cavalo, depois anuncia-se a intenção, mais tarde informa-se que está quase pronta e, por fim, anuncia-se que vai começar a funcionar. Sem nada se ter feito é-se notícia pela positiva três vezes. Mais tarde, se o resultado foi positivo faz-se um balanço, se assim não for esquece-se o assunto.

Mas se era isto que o ministro tinha para dizer numa tomada de posse lamenta-se, é muito pouco face àquilo de que o fisco carece.

Como está a correr o tal call center lançado pelo dr. Macedo? Nunca mais se falou do assunto.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao ministro que tenha mais consideração pela inteligência dos cidadãos.»

FMI DÁ CONSELHOS AO GOVERNO EM MATÉRIA FISCAL

«A responsável do departamento de assuntos fiscais do Fundo Monetário Internacional (FMI) aconselhou Portugal a reduzir o número de escalões de rendimento na tributação do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS). "Um dos desafios para a reforma do sistema tributário português é a redução do número de escalões de IRS", afirmou Teresa Ter-Minassian, na apresentação que fez ontem aos deputados das comissões de Orçamento e Finanças e Assuntos Externos na Assembleia da República. "Não existe um número óptimo de escalões, mas cinco parecem-me muitos", acrescentou.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Afinal o secretário de estado dos Assuntos Fiscais não era competentíssimo na matéria? Ao ouvir este tipo de conselhos acho que há quem se comporte como se vivesse em África.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Registem-se as sugestões.»

O JUMENTO NOS OUTROS BLOGUES

  1. O "Macroscópio" percebeu os conselhos ao novo chairman dos impostos.
  2. O "Pontos Soltos" apreciou o louvor ao "competente corno".
  3. O "Anti-Lampião" acha que a "Mizé Tung" é infalível.
  4. O "Carlos Alberto" não é fã da selecção de râguebi.

PRISÃO CHINESA É FÁBRICA DE MEDICAMENTOS [Imagens]

O SUV SOVIÉTICO [Imagens]

TEUKU JODY ZULKARNAEN

PETER GARVANOVIĆ

CHUCK BABBITT

J QUANTZ JR.

MALOUDS

JAIME SILVA NA VINDIMA

RENAULT

THE ROY CASTLE LUNG CANCER FOUNDATION

[2][3]

Advertising Agency: CHI and Partners, UK
Executive Creative Director: Ewan Paterson
Creatives: Wayne Robinson, Matt Collier
Copywriter / Art Director: Simon Hipwell
Typographer: Dan Beckett
Photographer: Paul Murphy
Illustrator: Ruth Ibbotson (5 a day)
Retouchers: Tag

CRUZ VERMELHA

[2][3]

Advertising Agency: Grey, Madrid, Spain
Creative Director: Marcos García
Art Director: Álvaro S. Carvajales
Copywriter: Teresa Galante
Photography: Getty-corbis

AMNISTIA INTERNACIONAL

Advertising Agency: Inkognitocph, Copenhagen, Denmark
Creative Director / Copywriter: Thomas Kolster
Art Director: Ulrik Ahlefeldt