sábado, janeiro 12, 2008

Ingenuidade autárquica (?)

Em todo o debate que se tem feito em torno do novo aeroporto de Lisboa o pior desempenho tem cabido aos autarcas que estão muito mais preocupados com as receitas camarárias do que com o impacto económico e social de uma infra-estrutura destas dimensões e características.
Em vez de colocarem condições e fazerem exigências no caso de o aeroporto se vir a localizar nos seus concelhos, os autarcas dão provas de uma grande gulodice e apenas estão preocupados com as receitas que poderão arrecadar no futuro. As populações são enganadas e vemos velhotes que recebem a pensão mínima a darem entrevistas a televisões, manifestando a sua alegria pelo facto de o aeroporto ficar ao lado da sua aldeia.

É evidente que um grande investimento gera actividade económica, a curto prazo criará emprego e a médio e longo prazo contribuirá para a fixação de empresas e, em consequência, para a fixação de população e expansão urbana. Para os autarcas, ávidos de receitas e de comissões, será um grande negócio mas uma boa arte da população não sentirá quaisquer benefícios, tendo mesmo que suportar um aumento significativo do custo de vida.

Os autarcas deveriam estar mais preocupados em proteger em defender os interesses das suas populações e em prevenir as consequências ambientais resultantes da implantação de um novo aeroporto, em vez de apenas pensarem nos seus próprios benefícios.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura -

FOTO JUMENTO

Alfama, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[REUTERS]

«Plus d'une centaine de personnes habillées en orange manifestent dans les rues de Sydney à l'appel d'Amnesty International pour protester contre le centre de détention de Guantanamo, Australie, le 11 janvier 2008.» [20 Minutes]

JUMENTO DO DIA

PCP, um satélite do BE?

Quando se esperava que o BE já tinha perdido toda imaginação ainda encontrou forças para liderar a luta pela realização de um referendo ao Tratado, eis que o movimento da extrema-esquerda liderado por Louçã deixou o PCP para trás. Com a decisão do PCP de votar a moção que o BE vai apresentar Jerónimo de Sousa quase põe o PCP na órbita do BE.

AUTARCAS RIDÍCULOS E OPORTUNISTAS

As intervenções dos autarcas em apoio das diversas opções para o aeroporto têm pautado pelo ridículo, revelando uma total ignorância e oportunismo e desprezo pelo interesse nacional. Os nossos autarcas, que deveriam estar a exigir contrapartidas e o máximo cuidado pelas consequências negativas que um aeroporto também acarreta para região onde ficar implantado, apenas revelam preocupação com o aumento da receita com que vão prosseguir as suas políticos eleitoralistas.

AFINAL HILLARY TAMBÉM CHORA

«Isto das lágrimas é muito importante. A mãe de Maddie foi crucificada porque não chorava - não chorava como devia chorar uma mãe, ou seja, uma mulher. Não me recordo de ter lido uma linha sobre Gerry, o marido e pai, não chorar. As lágrimas são uma espécie de tarefa feminina, um atestado de sentimentos periclitantes e profundos, de corações sensíveis e maternais como é suposto serem os das mulheres.

Uma pessoa - quer dizer, uma mulher - cansa-se à brava de observar a repetição e de repetir a observação destas coisas, mas é fascinante como a dureza, ou a aparência dela, é valorizada de forma diferente nas mulheres e nos homens. Um homem que não chora perante a adversidade é UM HOMEM. Com as maiúsculas todas. Um valente, um duro - e ser "um duro", sabe-se, é do melhor. Já ser "uma dura", que horror. Uma mulher que não chora (em público, claro, mas se não chora em público não chora, ponto) é uma espécie de aberração. Por exemplo a Hillary: nem uma lagrimita deitou quando o marido a encornou ao vivo e a cores em tudo o que é telejornal. Se chorasse a malta tinha pena, assim a malta acha que aquilo não lhe custou nada porque é uma cabra duma ambiciosa. "Fria", portanto. E pior: "agressiva". A única mulher a disputar o lugar de presidente dos EUA, a única que alguma vez chegou tão longe na política americana - num país onde, como lembrou há dias Gloria Steinheim no New York Times, o direito de voto foi concedido aos homens negros 50 anos antes de qualquer mulher poder fazê-lo - é "demasiado agressiva", ena. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

IDENTIDADE E MUDANÇA

«A decisão de aprovar o Tratado de Lisboa por via parlamentar provocou, naturalmente, uma forte reacção crítica da parte daqueles sectores que são contra o próprio Tratado.

Compreende-se que contando o Tratado, à partida, com o voto favorável do PS, do PSD e do CDS, os seus opositores reencaminhem para a via referendária a esperança de impedir a sua entrada em vigor.

Claro que representando aqueles três partidos cerca de 90% dos eleitores e à luz das sondagens que indiciam um apoio muito vasto na opinião pública quer ao projecto europeu quer ao próprio Tratado de Lisboa, pode-se dizer sem grande margem de erro que quem pretende um referendo não acalenta verdadeiramente a esperança de que o voto popular viesse de facto a inviabilizar o Tratado.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por António Vitorino.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

TRÊS MISTÉRIOS DE UM BANCO

«Este é um artigo que escrevo sem prazer, apenas por dever, por imperativo categórico: estou a referir-me ao caso BCP e às competências (e responsabilidades) do BdP.

A ignorância das pessoas não tem evitado as considerações mais inimagináveis. Um pouco de todo o lado, houve declarações que dizem mais de quem as profere do que do alvo visado, o Banco de Portugal e o seu governador. Do que ouvi e li, o bom senso veio apenas de Manuel Alegre (sem obrigação) e Teixeira Santos (com obrigação). Por mim, não me consigo conter e ficar calado.

Primeiro, a responsabilidade pelos actos praticados, sejam eles quais forem, é dos membros da Administração do BCP, com especial responsabilidade de alguns em termos a apurar. Trivial, dirão, mas convém que não esqueçam.

Segundo, como em qualquer empresa desta dimensão, existe uma auditoria interna que vela pelas boas contas, em nome do accionista. Não actuou, porquê? Como foi possível não saber dos perdões de dívidas? São montantes muito grandes, mesmo para um grande banco como o BCP, para que quem tem acesso directo à informação não saiba. Porque não protegeu os interesses dos accionistas pelos quais foi eleita? Mistério a desvendar!Terceiro, as contas são certificadas pela KPMG. Tem certamente muita gente em permanência a trabalhar a contabilidade do banco. Não viu nada? Como é possível não cuidar da verdade das contas, estando em causa, mais uma vez, montantes muito grandes, mesmo para um grande banco como o BCP? Mas ninguém fala dela. Quando o caso Enron aconteceu, foi a Arthur Andersen, a maior empresa de auditoria do mundo, que foi chamada à responsabilidade e fechou as portas em consequência. Porque é que ninguém fala da KPMG? Mistério II a desvendar!

Só a partir daqui entram as autoridades de supervisão: a CMVM e o BdP. Qual o papel destas autoridades e quais as suas responsabilidades? Um pouco de pedagogia, para evitar a demagogia.

Antes de mais, a CMVM e o BdP não certificam as contas dos bancos. Não têm esse mandato, nem essa capacidade, nem essa responsabilidade. Pelo contrário, partem dessa contabilidade auditada e certificada para a sua actividade e, se quiserem, fazem perguntas e inspecções. Mas qualquer pessoa ligada à supervisão, em qualquer parte do mundo, dirá que se uma empresa está determinada a fazer uma ocultação deliberada consegue enganar as autoridades de supervisão. Ou é apanhada pelas auditorias (internas ou externas) ou há uma denúncia ou passa incólumes; a prova disso são os problemas que, nas últimas décadas, aconteceram nos EUA, Inglaterra, Espanha... Nenhuma supervisão é omnipresente nem omnisciente.

Especificamente, a CMVM existe para ditar regras de comportamento dos investidores e empresas, de forma a proteger quem compra ou vende acções em bolsa. Como o BCP está cotado, a CMVM tem de fazer observar certas regras para não defraudar os investidores, normalmente incapazes de averiguar se uma dada empresa vale aquilo que se diz valer.

Deve ainda velar pelo normal funcionamento do mercado, por exemplo, evitando o chamado inside trading, ou a manipulação de cotacões de mercado em proveito de investidores com informação privilegiada. Infelizmente, algumas pessoas que investiram no BCP perderam dinheiro, e as cotações de mercado, de acordo com os jornais, terão sido influenciadas (i.e., manipuladas) pelos off-shores agora descobertos.

De facto, a CMVM viu o seu objectivo de manter o mercado de bolsa a funcionar de forma transparente não cumprido. Então a questão é saber se podia ter feito melhor e que medidas vai tomar para evitar casos futuros. Com a certeza, porém, de que futuros casos de igual gravidade, embora de cariz diferente, vão acontecer. É da natureza humana querer mais e mais, e alguns (mas apenas alguns) nunca olham a meios.

Quanto à CMVM, temos que esperar para ver. Com vigilância democrática, mas sem precipitações populistas.

Em relação ao BdP, este exerce a chamada "surpervisão prudencial" sobre qualquer banco, logo, também sobre o BCP (há poucos meses, passou também a ter autoridade de supervisão comportamental, mas que nada tem a ver com este caso). Em termos simples, tem de velar por que os depositantes no BCP tenham o seu dinheiro assegurado se e quando o pretenderem movimentar.

Para poder velar pela segurança dos nossos depósitos, o BdP obriga os bancos a observarem os chamados rácios prudenciais de tipo contabilístico. Esses rácios, muito provavelmente, foram falseados pelas empresas off-shore em causa.

Além disso, também para se assegurar que os depositantes têm o seu dinheiro em segurança e de que a contabilidade não é falseada, o BdP tem o direito de não aceitar para administrador pessoas não idóneas: o vilão não pode meter a mão na massa.

Certamente que alguns administradores do BCP, se provados os factos relatados, serão inibidos de continuar como banqueiros. A história recente do BdP mostra que já o fez em relação a um ex-governador, pelo que ninguém receia que não venha a proceder com o rigor necessário.

Agora, uma conclusão é certa: apesar de alguma falha que possa ter havido na supervisão (e tal não foi ainda provado), em termos do seu objectivo final, o BdP cumpriu. Felizmente para todos, o BCP continua a operar sem problemas para depositantes.

Uma nota a terminar, Mistério III: alguém sabia de tudo e esse alguém, necessariamente, esteve (ou está) bem alto na estrutura do BCP (estamos a falar de uma meia dúzia de pessoas). Esse alguém, em vez de entregar os documentos ao BdP e à CMVM (e PJ), preferiu entregá-los a um accionista. Porquê? Terceiro mistério.

Muitos amigos me tentaram convencer a não escrever este artigo, pois para quê meter-me numa guerra, cheia de mistérios, que não é minha? O que é que tenho a ganhar? Nada. Apenas não me consigo calar quando alguém - decente e corajoso - é atacado de forma vil e injusta. Tudo o resto são guerras partidárias e lutas de sociedades semi-secretas. E não me interessam.» [Público assinantes]

Parecer:

Luís Cunha escreve em defesa de Vítor Constâncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

MADEIRA ANEDÓTICA

«Numa atitude inédita o PSD da Madeira, liderado por Alberto João Jardim, aprovou ontem na assembleia legislativa uma resolução apresentada pelo PCP, defendendo a realização de um referendo ao novo Tratado da UE. O que contraria a posição oficial do sociais-democratas nacionais.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Isto é aquilo a que se chama ir para a cama com o inimigo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aposte-se em como Menezes se vai recusar a comentar invocando a autonomia regional.»

COMEÇOU A PEIXEIRADA NO PSD

«José Pedro Aguiar-Branco foi ontem instado na reunião do grupo parlamentar do PSD a assumir a sua oposição a Luís Filipe Menezes. O deputado e ex-ministro da Justiça começou logo por ser desafiado por Rui Gomes da Silva - actual vice-presidente de Menezes e seu colega no anterior elenco do Governo. Durante o período reservado à "análise da situação política", Gomes da Silva falou nos militantes que fazem "almoços e jantares" e atirou uma frase assassina para Aguiar-Branco: "Vi numa revista que você estava à procura de uma solução pós-Menezes. Mas anda nisso desde 1981, como também em 1996, em 2000 e em 2006".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Cada vez que vejo este Rui Gomes da Silva abrir a boca receio o pior.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Menezes se nomeou RGS para seu ptbull pessoal.»

SARGENTO NÃO SE ESCAPOU NO SUPREMO

«Assim, esta interpretação lê o acórdão em causa como tendo considerado Luís Gomes culpado de dois crimes e não apenas de sequestro, "mas em concurso aparente e não efectivo, como constava da acusação, pelo que a punição só teria lugar pelo crime mais grave". Uma interpretação pelo menos inesperada e que parece insinuar um juízo bastante desfavorável sobre o julgamento do colectivo da primeira instância, já que o que os juízes conselheiros estão a dizer é que os seus colegas de Torres Novas cometeram um "lapso" ao absolver o sargento do crime de subtracção, já que a tipificação do dito está preenchida pela factualidade provada, ao mesmo tempo que não o deviam ter condenado pelo crime de sequestro, que surge ao Supremo como não provado. E se alteram a pena de prisão (fixada em seis anos na primeira instância e em três anos com pena suspensa na Relação de Coimbra) mantêm a pena de indemnização de 30 mil euros a Baltazar Nunes - a outra indemnização, também de 30 mil euros, devida à menor Esmerada fica sem efeito -, pena essa decidida em função de um crime que deixou de existir.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Ficou claro que o sargento subtraiu uma menor. Rapto sim, mas dos seus sentimentos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

AFINAL NÃO FOI O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA QUE VENDEU AS PRISÕES

«O Ministério da Justiça "é alheio" à venda da prisão de Setúbal, em Novembro de 2007, a uma empresa do ex-sócio de Alberto Costa, António Lamego, e que fez perder dinheiro ao Estado. O titular da pasta da Justiça desresponsabiliza-se, através de um comunicado enviado ao início da tarde de ontem, e remete essa mesma responsabilidade para o seu colega de equipa, o Ministro das Finanças, Teixeira dos Santos. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Enfim, o facto de as prisões terem sido vendidas a amigos foi mera coincidência. Agora até aposto que o ministério das Finanças vai manter o silêncio na esperança de o assunto ficar encerrado.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aposte-se.»

VAI COMEÇAR A AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES

«O decreto que regulamenta o regime de avaliação dos educadores de infância e professores do Ensino Básico e Secundário foi ontem publicado em "Diário da República" e entra hoje em vigor. O Governo deliberou que o processo tem de arrancar já. As escolas têm no máximo até Julho (seis meses) para montarem o modelo de forma faseada. Por exemplo, terão 10 dias úteis (entre 11 e 22 de Fevereiro) para aprovarem objectivos individuais para cada um dos 150 mil docentes do sistema. A progressão dos resultados escolares dos alunos, a taxa de abandono escolar e a participação em acções de formação são parâmetros determinantes.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Se a avaliação depende de indicadores como o sucesso escolar ou o abandono isso significa que a forma como os professores são colocados ou como as turmas forem distribuídas pode condicionar a avaliação. Muitos professores estarão condenados no momento em que forem colocados nalgumas escolas ou, como sucede actualmente, quando receberem as turmas que os professores amigos dos membros dos conselhos directivos não querem.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se.»

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS VÃO ESTAR DISPONÍVEIS NA INTERNET

«A Direcção-Geral de Geologia e Energia vai lançar em breve uma página na Internet onde os consumidores poderão consultar os preços de todos os postos de combustíveis do país. Fonte ligada ao processo explicou ao JN que esta medida - prevista no Simplex - pretende criar "mais transparência e concorrência" no sector dos combustíveis, num altura em que os preços tendem a manter-se em alta.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Seria bom que também houvesse acesso às cotações do crude e às descargas de petroleiros em Portugal. Assim os portugueses poderiam avaliar se as empresas do sector os estão a roubar, como começa a ser evidente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proponha-se.»

A ANEDOTA DO DIA

«Um empresário de Braga pediu ao Instituto de Propriedade Industrial o registo da marca «Alcochetejamé» aproveitando a expressão usada pelo ministro Mário Lino «Alcochete jamais» quando, há meses, se referia à localização do novo aeroporto, noticia a Lusa.

«A ideia do registo surgiu por brincadeira, num almoço com amigos, durante o anuncio feito por José Sócrates de que o novo aeroporto ia ser construído em Alcochete», disse António José, o empresário que, na tarde de quinta-feira, apresentou o pedido de registo da nova marca. » [Portugal Diário]

Parecer:

Depois do Zé ter proposto a marca "Lisboa" para os coentros colhidos no Parque Eduardo VII só faltava a marca "Alcochetejamé".

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelo logotipo, veremos se usa um camelo concorrendo com a Delta ou Mário Lino concorrendo com os dromedários da Margem Sul.»

PCP VOTA MOÇÃO DO BE

«O PCP anunciou ontem que apoiará o Bloco do Esquerda (BE) na moção de censura ao Governo pela não convocação de um referendo para ratificar o Tratado de Lisboa. Ontem, o CDS-PP recusou levantar o véu sobre se votará ao lado dos bloquistas na próxima quarta-feira, apesar de o texto da moção parecer ter sido feito à medida do voto popular.» [Público assinantes]

Parecer:

Que amigos que nós somos...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Esqueça-se, os deputados do PCP e do BE juntos não dão para eleger um secretário de Estado.»

ESPANHA: 0% DOS PROSTITUTOS SÃO BRASILEIROS

«Um estudo realizado na Espanha mostrou que quase 70% dos homens que se prostituem no país são brasileiros.

Sete mil homens foram ouvidos na pesquisa Trabalhadores masculinos do sexo, conduzida pelo Ministério da Saúde espanhol em parceria com o governo regional de Madri e a ONG Triângulo. » [BBC Brasil]

UE CONSIDERA QUE O CONSUMO DE ANIMAIS CLONADOS NÃO PREJUDICA A SAÚDE

«La Autoridad Europea para la Seguridad Alimentaria (EFSA) considera que los animales clonados son seguros para la salud en un borrador divulgado este viernes y que aún debe ser contrastado.

"Los productos obtenidos de vacas y cerdos sanos clonados, como por ejemplo la carne y la leche, y de sus crías, están dentro de las normas relativas a la composición nutricional de productos similares obtenidos de animales convencionales", indica la EFSA en un comunicado. » [20 Minutos]

FICOU CLARO O NEGÓCIO DE CHÁVEZ COM AS FARC

«La resaca de la liberación por parte de las FARC de Clara Rojas y Consuelo González, que el pasado jueves llegaron a Caracas para reunirse con sus familiares, sigue proporcionando reacciones e información sobre la situación del resto de los otros 700 secuestrados.

Así, el presidente venezolano ha pedido a los gobiernos de todo el mundo que retiren de su lista de grupos terroristas a las dos guerrillas que operan en Colombia, un hecho que achaca a "la presión de EE UU". "Les pido que comencemos reconociendo a las FARC y el ELN como fuerzas insurgentes de Colombia y no como grupos terroristas".» [20 Minutos]

EUA: DEPORTAÇÃO ABSURDA

«Adedoyin, que tiene 3 añitos y nació en EEUU, ve a su madre cada tres semanas en el centro de detención para inmigrantes de Yarl's Wood, donde hacinan a los irregulares. La niña, residente en Inglaterra, corre el riesgo de una deportación en solitario a su país de origen mientras madre está amenazada de ser deportada al suyo, Nigeria, por vivir ilegalmente en Inglaterra.» [Periodista Digital]

RICE MANDOU CALAR BUSH

«uien sí estuvo en la cena fue la número dos de Bush en este viaje, Condoleezza Rice, que demostró su lado más humano pero también más rotundo. Cuando Bush comentaba ante sus anfitriones la complejidad de la política israelí ("es como kárate, cuando crees que has salvado el primer golpe , te llega otro inesperado. Sobrevivir es casi imposible"), Rice empezó a hacer gestos de desaprobación. Y aún más cuando interviniendo claramente en la política interna israelí, Bush les espetó: "No me quiero inmiscuir en vuestras cosas pero debo decir que Olmert es un líder fuerte al que aprecio mucho. Debéis de garantizar que siga en el poder para que el proceso de paz siga adelante. Protegerle". Al cabo de varios segundos, le envía discretamente una nota. Todos los ministros se dan cuenta. Se hace el silencio esperando ver la reacción de Bush y sobre todo saber qué ha escrito Rice. Bush lee parsimoniosamente la nota (y eso que no estaba en hebreo), sonríe y dice en voz alta: "Ella me dice que me calle. Que cierre la boca". La reacción fue una carcajada general de todos los asistentes. Menos Rice.» [El Mundo]

A BORDO DE UM SUBMARINO RUSSO

BILIANA RAKOCEVIC

ADRIAN BAILEY

MARCIN MALCZAK

DIEGO VERGES

ALI SEENA

GIRAFA IDIOTA [Link]

CRISTIANO RONALDO VERSUS BUGATTI VEYRON

FOOTSTOCK

[2][3]

Advertising Agency: BVK, Milwaukee, USA
Creative Director: Gary MuellerArt Director: Giho Lee
Copywriter: Ross Lowinske
Photographer: Jeff Salzer

BAYGON

Advertising Agency: Jung von Matt, Hamburg, Germany
Creative Directors: Jan Rexhausen, Dörte Spengler-Ahrens, Alexander Jaggy
Art Director / Copywriter: Keat Aun Tan
Photographer: Fai, IFL Studio
Account Managers: Yves Rosengarten, Johanna Hecker, Jan Groenendijk, Stefanie Gombert
Planning: Christian Hupertz
Image Editing: Mei Ling, IFL Studio
Production: Carsten Koeslag

TUBORG

[2][3][4]

Advertising Agency: Noble Graphics Creative Studio, Sofia, Bulgaria
Creative Director: Chavdar Kenarov
Art Director / Copywriter: Georgi Kasabov