sábado, julho 18, 2009

Cobardia ou conivência?

Alberto João Jardim não pode ser tratado com a mesma indiferença com que os jornalistas tratam o conhecido “emplastro” que costuma importunar as reportagens em directo do futebol. Também não é um militante secundário cujas declarações não merecem mais do que uns sorrisos.

Alberto João Jardim é presidente de um governo regional, antes de Ferreira Leite se candidatar a líder do PSD chegou a equacionar a hipótese de o fazer, há alguns tempos chegou mesmo a falar-se da sua vinda para o Continente e até se falou de uma candidatura presidencial. É uma figura do Estado que nos últimos meses mereceu a visita de Cavaco Silva e Jaime Gama, as mais altas individualidades do Estado, a própria Ferreira Leite já confirmou a presença na festa de Chãs de Lagoa onde, como os seus antecessores, vai ao beija-mão de Alberto João.

O que Alberto João propôs foi nem mais nem menos do que a ilegalização dos partidos que nas eleições europeias receberam o voto de 20% dos portugueses, o que ele propôs é que muitos mais portugueses do que aqueles que o elegem na Madeira deixem de poder votar no partido da sua preferência. O que ele propôs foi que os50 mil militantes do PCP mais os do Bloco de Esquerda não possam ter qualquer actividade política, a não ser que não lute pelo seu projecto político.

E o que fez o PSD e Manuela Ferreira Leite? Nem verdade, nem mentira, o silêncio, ainda por cima justificado por um truque de linguagem.

Que o PSD não queira discutir agora projectos de revisão constitucional compreende-se, o projecto político de Manuela Ferreira Leite é um segredo, se é que existe. Mas não está em causa uma revisão constitucional cuja discussão pode ser adiada, o que um líder do PSD propôs foi que Portugal fosse o único país da Europa a banir os partidos comunistas, que Portugal fosse o único país da EU a não poder eleger deputados comunista para o Parlamento Europeu.

O que Alberto João disse envergonha qualquer democrata e deveria envergonhar todos os dirigentes e militantes do P”SD” e, em especial, da sua líder. Que a questão do ministro da República seja uma questão a discutir mais tarde compreende-se, mas proibir a liberdade política em Portugal não é discutível e a mera decisão de deixar a discussão para mais tarde significa que Manuela Ferreira Leite aceita discuti-la antes de lhe dizer não.

Depois de meses a criticar o Governo de excessos de autoritarismo o mínimo que se esperava de Manuela Ferreira Leite é que fizesse a afirmação pública da defesa da democracia e condenasse a proposta de Alberto João. Compreende-se que Manuela Ferreira Leite, tal como Cavaco Silva, não tenha mexido uma palha contra a ditadura, mas agora que é líder de um partido que até se diz social-democrata não pode ficar a assobiar para o ar. Muito menos quando há poucos meses teve o desplante de defender a suspensão da democracia como a melhor solução para implementar reformas.

Se Manuela Ferreira Leite não tem coragem para enfrentar Alberto João Jardim como é que terá coragem para enfrentar os problemas que se poderão colocar ao país se os eleitores tiverem a infeliz ideia de a eleger?

Manuela Ferreira Leite é uma líder política fraca, sem projecto político e sem discurso próprio, ainda por cima é cobarde e evidência um grande défice de formação democrática.

Umas no cravo e outras na ferradura

NOVO LAYOUT PARA O JUMENTO

Por agora ainda vou na fase do projecto mas já estou a trabalhar num novo layout d'O Jumento a fim de se possível fazer a passagem ao XHTML, já que o actual código é incompatível com esta linguagem. O objectivo é aproveitar as novas funcionalidades do Blogger e, ao mesmo tempo, criar novos espaços como a fotografia da biodiversidade da capital. O trabalho ainda está no início mas aceitam-se sugestões e críticas, os blogues de testes são este e este.

FOTO JUMENTO

Pormenor de estátua do Jardim Botânico Tropical, Lisboa

JUMENTO DO DIA

Jerónimo de Sousa

Com os trabalhadores cansados de greves e manifestações e frustrados por perceberem que as suas lutas foram instrumentalizadas para favorecerem os resultados eleitorais do PCP, Jerónimo de Sousa já não pode recorrer aos sindicatos, resta-lhe organizar ele próprio as manifestações.

Acossado pela perseguição eleitoral que o BE lhe está a fazer Jerónimo de Sousa chegou ao ridículo de organizar uma manifestação para perturbar um evento em que estavam presentes os primeiros-ministros de Portugal e de Espanha. Os comunistas portugueses estão mesmo convencidos de que a URRS vai ressuscitar em Portugal e já sonham com o assalto ao Palácio de Inverno.

Será que os democratas ainda não perceberam que mais tarde ou mais cedo terão que confrontar o PCP?

O MONARCA

O país interrompeu a crise para ver com cuidado as caras dos familiares de Cavaco Silva que aproveitaram um intervalo do presidente para fazer a foto de família no dia que este fez 70 anos. Agora não conhecemos apenas a família do rei D. Carlos ou da rainha de Inglaterra, as revistas “del corazon” poderão exibir a família dos Cavacos de Boliqueime.

Sinal de que os assessores de Belém acompanham a imprensa, incluindo a espanhola "Hola", e fazem tudo para melhorar a imagem de Cavaco Silva. Só que há um pequeno problema, a Inglaterra e a Espanha são duas monarquias, é por isso que nunca vimos uma foto de família do presidente francês ou do presidente italiano.

Que Cavaco é presidente ninguém tenha dúvidas, ainda que sejam cada vez maiores as dúvidas sobre a imparcialidade e empenho pelo país na forma como desempenha o cargo. Que a esposa é uma espécie de primeira-dama também lá vamos aceitando ainda que a senhora não demonstre ter grande classe, apesar disso a lei da República não estabelece qualquer estatuto para a esposa. O que eu não tenho que saber é se o genro de Cavaco é alto ou baixo, ou se filha usa saias ou prefere calças, o que eu sei é que os jardins do Palácio são tanto dos filhos de Cavaco como o são de qualquer cidadão que está impedido de a eles aceder.

Sugiro que da próxima vez que Cavaco Silva quiser armar-se em monarca e tirar a foto de família que pegue no BX e se meta a caminho da sua casa do Algarve e tire lá a fotografia. Portugal é uma República e não uma monarquia.

Ninguém reparou? Não se ouviu o mais pequeno reparo a este abuso da família "real", nem mesmo do semrpe atento e crítico António Barreto...

AVES DE LISBOA

Alvéola-cinzenta [Motacilla cinerea]
Local: Parque da Bela-Vista

FLORES DE LISBOA

Estádio Universitário

UMA VERGONHA

«Segundo o Diário de Notícias, o PSD-Madeira prepara uma nova revisão constitucional. Pelo que se presume de um curto artigo da página 11, além de tornar a Madeira quase independente, Alberto João Jardim quer proibir o PCP e, como se calculará, o Bloco. Um relatório preparatório esclarece: "a democracia" não deve tolerar nem "comportamentos", nem "ideologias" de carácter "autoritário" ou "totalitário": tanto o "fascismo", como a lei já prevê, como o "comunismo", que a lei por enquanto não prevê. Não é possível imaginar o que se passa na cabeça de Jardim, onde em princípio se passa constantemente tudo. Mas não custa imaginar o que se passaria em Portugal, se a proposta dele fosse por absurdo aprovada: em dois meses, teria de se instaurar uma ditadura.

Depois do "25 de Abril", o "fascismo" ficou reduzido em Portugal (como, aliás, depois da guerra, na Europa) a umas centenas de delinquentes, que de quando em quando cometiam um ou outro desacato, por xenofobia ou por racismo (às vezes mesmo por anti-semitismo). A polícia comum (ou seja, a de farda) sempre os meteu na ordem com o maior despacho e facilidade e eles nunca conseguiram perturbar a sério o normal funcionamento da democracia. Até o "parafascismo" italiano, austríaco e francês não excederam a irrelevância e ou se desfizeram ou se reformaram para conseguir alguma efémera influência. Se a palavra "fascismo" designa um fenómeno específico (ponto sobre que ninguém se entende), não existe com certeza na Europa de 2009.Infelizmente, em Portugal, por razões que não vem a propósito explicar, existe comunismo - e comunismo organizado com um partido (o PCP) e um movimento (o Bloco), que representam em conjunto 20 por cento do eleitorado. Ilegalizar o comunismo implicava assim prender uns milhares de pessoas, perseguir umas dezenas de milhares (na televisão, na imprensa, no Estado e por aí fora), restabelecer a censura e criar uma polícia secreta como a PIDE ou pior do que a PIDE. E, como a experiência demonstra, não seriam só os comunistas (de vária pinta) a sofrer na "limpeza". Uma boa parte do PS e uma fatia fininha do PSD (não o da Madeira) e do CDS também não escapariam. O dr. Jardim não pensou nas consequências da sua "revisão"?

Acredito que não. O dr. Jardim é quem é - para nosso mal e nossa vergonha. » [Público assinantes]

Parecer:

xxx

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O PCP AO ASSALTO AO PALÁCIO DE INVERNO

«Dezenas de pessoas estão a manifestar-se à porta do Instituto Ibérico Internacional de Nanotecnologia, em Braga, que hoje é inaugurado.

Com bandeiras, os manifestantes esperam a chegada do Primeiro Ministro José Sócrates, do Presidente da República Cavaco Silva, do Rei de Espanha, D. Juan Carlos I, e do Presidente do Governo Espanhol, José Luis Zapatero.

Na frente do protesto ruidoso com buzinas, que conta sobretudo com professores, pode ler-se um cartaz do PCP no qual está escrito: 'O povo é que paga a vossa festa'. Outros manifestantes referem que a inauguração acontece num edifício que ainda está em obras, no espaço onde esteve instalado durante anos o recinto de diversões Bracalândia. » [Correio da Manhã]

Parecer:

Jerónimo de Sousa está mesmo desesperado.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Explique-se a Jerónimo de Sousa que esta radicalização dos métodos para fazer frente ao BE só o levam ao ridículo.»

MP PÚBLICO DÓCIL COM UM PEDÓFILO

«Durante anos a fio, o bancário estava habituado a sair do trabalho ao fim da tarde e abrir as portas de casa a crianças. Terão sido dezenas de menores violados e filmados pelo pedófilo no seu andar em Queluz, Sintra. Já reformado, o homem de 61 anos mantém os hábitos sexuais, mas, agora que os ex-parceiros são adultos, faz negócio com eles para que o deixem violar os seus filhos – meninos de apenas dez, onze anos.

A Divisão de Investigação Criminal (DIC) da PSP já tem provas de pelo menos uma situação de negócio com os pais das vítimas, entre mais de oito casos de crianças alvo de abusos. Mas o procurador da República João Guerra (que acusou Carlos Cruz, Jorge Ritto e Bibi, entre outros, no processo Casa Pia) optou por nem apresentar o bancário ao juiz, deixando--o à solta, com simples termo de identidade e residência. » [Correio da Manhã]

Parecer:

Se compararmos a actuação do MP neste caso com o caso Casa Pia o mínimo que se pode dizer é que está mesmo muito mudado.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Pinto Monteiro se a prisão preventiva está reservada a notáveis, principalmente se forem do PS.»

OS TRABALHADORES DO PÚBLICO ACEITARAM REDUZIR SALÁRIOS

«O acordo foi assinado por 90 por cento dos trabalhadores, afirmou a mesma fonte, explicando que este número permite à administração avançar para reduções salariais escalonadas entre os três e os 18 por cento nas retribuições brutas superiores a 1200 euros.

A administração do jornal anunciou quarta-feira à redacção, através de e-mail, que a proposta de reduções salariais que tem sido rejeitada pelos jornalistas teria de ser aceite por 90 por cento dos trabalhadores até sexta-feira ao meio-dia sob pena de se recorrer a outros métodos que, segundo fontes do título, seriam o despedimento colectivo.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Estranhamente os diversos líderes do proletariado ficaram em silêncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Jerónimo de Sousa e a Louçã se trocaram o silêncio cobarde por amabilidades jornalísticas do director do jornal.»

ROSETA NÃO ASSUMIRÁ PRESIDÊNCIA SE COSTA SAIR

«Helena Roseta garantiu ontem ao DN ter sido ela própria que quis "deixar bem claro no acordo a assinar com António Costa no âmbito das autárquicas para Lisboa que no caso de este sair da presidência da câmara manteria o compromisso de não assumir o seu lugar", que dessa forma continuará a ser assegurado por um eleito pelo PS.

A número dois na lista de António Costa às autárquicas de 11 de Outubro frisa que se trata de "um acordo de honra" necessário por não querer em nenhum caso "repetir situações como as que se verificaram em Lisboa com Carmona Rodrigues ou no Porto com Nuno Cardoso", ou seja, dois "independentes" que com a saída dos presidentes da autarquia - Santana Lopes em Lisboa e Fernando Gomes, no Porto - assumiram a presidência das respectivas câmaras.» [Diário de Notícias]

Parecer:

O melhor é esperar para ver.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Registe-se.»

FENPROF QUER "BOM" PARA TODOS

«A avaliação de que foram alvo os professores ao longo deste ano nas escolas do país não deve ter qualquer consequência para efeitos de progressão de carreira ou concurso. Todos devem ser tratados como se tivessem tido “Bom”. A reivindicação não é nova, mas a três dias de mais uma ronda negocial com a ministra da Educação, os sindicatos voltam a insistir.» [Público]

Parecer:

Istoe é uma palhaçada.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Jerónimo de Sousa se acha que não é tempo de deixar as escolas descansadas e ir fazer a sua luta para outros lados.»

ANDREW LUCAS

CORPORATE CHHATTISGARH

sexta-feira, julho 17, 2009

Os "PRD"

Se em Portugal há quatro ou cinco partidos quanto a independentes há variedades para todos os gostos, desde os que não se querem envolver na lógica dos aparelhos partidários, por não serem candidatos a boys ou por não se sentirem bem nas vestes de monges da Cartuxa. Há os independentes que há duas décadas que exercem cargos políticos nomeados pelo mesmo partido, os que exercem cargos públicos mas que vão oscilando ideologicamente em função do partido que está no poder, os que usam a sua notoriedade técnica para serem comentadores independentes ao serviço dos seus clientes, os que aparecem ciclicamente a dramatizar os problemas do país ara depois desaparecerem em cargos de assessoria bem remunerados, os líderes de uma imensidão de organizações não governamentais, etc..

Alguns dos independentes que condenam os partidos têm a frustração secreta de não serem líderes partidários, consideram-se superiores mas não querem suportar os custos da militância nem serem escrutinados por outros militantes ou pelos eleitores. Outros gostariam de exercer cargos públicos mas sentem dificuldades em fazer opções. Alguns usam o estatuto de independente para namorem os políticos e quando se sentem reconhecidos por terem sido convidados para alguma mordomia, como uma qualquer comemoração nacional, tornam-se admiradores dóceis na esperança de virem a exercer algum cargo ministerial num futuro governo.

De vez em quando o sistema partidário entra em crise, os partidos do poder implodem quando não alcançam maiorias absolutas, o que com um modelo constitucional romântico e pouco preocupado com a governabilidade do país sucede muitas vezes. Foi num contexto destes que um Presidente da República tentou dar expressão partidária ao seu prestígio institucional, é, aliás, uma tentação frequente dos nossos presidentes, aproveitando-se do prestígio da instituição confundem-no com o seu próprios prestígio e não resistem à tentação de influenciar o curso da democracia. Enfim, é um vício que não é exclusivo de presidentes, os nossos magistrados, principalmente alguns mangas-de-alpaca do Ministério Público, também gostam de se armar em sacerdotes da democracia.

De vez em quando os independentes e alguns militantes dos partidos do poder, provavelmente porque foram excluídos das benesses governamentais, apresentam-se como salvadores da Pátria, como os donos da honestidade e com projectos de criação do paraíso, em alternativa aos políticos profissionais. Quando assim é surge a tentativa de criar um “PRD”, o partido perfeito, preocupado com o povo, respeitador da cidadania e da democracia representativa, com líderes que são autênticos modelos de virtudes.

Portugal já teve o seu PRD e foi o que se viu, serviu para aturarmos Cavaco Silva durante dez anos, mais os que estiver como chefe dos assessores de Belém, a própria Ferreira Leite é um dano colateral do PRD eanista. Quanto ao resto foi o que se viu, os virtuosos do PRD aproveitaram o peso eleitoral adquirido com a ajuda de Eanes e foram vender os seus serviços a bom preço a Cavaco Silva, passando alguns deles de eanistas a cristãos novos do cavaquismo.
É por estas e por outras que sendo independente tenho uma grande alergia a iniciativas de independentes.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

"Beco dos Ramos", Alfama, Lisboa

JUMENTO DO DIA

Alberto João Jardim

É quase anedótico que um político nascido no regaço fascista defenda ou insinue a proibição de partidos que advoguem o comunismo ou, como contrapartida, se autorize a legalização de partidos fascistas. Alberto João é ignorante em história, esquece que a Constituição da República é a de um país que foi forçado a viver sob uma ditadura fascista durante quase meio século.

Só que em Portugal os disparates não pagam imposto, se um político alemão defendesse a liberdade de legalização de partidos nazis a esta hora já estaria demitido e banido da vida pública. Por cá Alberto diz este absurdo e o PSD faz de conta que não ouviu.

Mas pensar que Alberto cometeu um erro é esquecer que o conhecido dirigente do PSD não faz ponto sem nó, é evidente que fê-lo visando objectivos políticos e os únicos beneficiados são o PSD e o próprio PCP que pode agora assumir o estatuto de perseguido pela direita, um excelente argumento para combater o BE, um partido que é mais incómodo para o Alberto do que os comunistas oficiais.

TÍTULO 08

Chapim-azul [Parus caeruleus]
Local: Bairro de Santo ao Rêgo

TÍTULO 09

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

HORTA E COSTA DIZ QUE NÃO RECEBEU COMISSÕES

«"Nunca recebi na vida nenhuma comissão fosse pelo que fosse. É difamatório fazerem estas acusações. Eles [a PJ] que façam a prova e, se recebi algum dinheiro, queria saber onde está", afirmou à Lusa Horta e Costa, presidente do Conselho de Administração (CA) dos CTT de 2002 a 2005.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Eu também não recebi.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela justiça ainda que em Portugal seja muito duvidoso que exista a não ser para tramar governantes que incomodem a corporação local.»

MARQUES MENDES DIZ QUE ISALTINO NÃO TEM CREDIBILIDADE

«"Considerei então e continuo a considerar hoje que o doutor Isaltino Morais não tinha nem tem condições de credibilidade indispensáveis a uma candidatura política", declarou à Agência Lusa Marques Mendes, após o seu nome ter sido hoje mencionado pelo presidente da Câmara Municipal de Oeiras, que acusou o Ministério Público (MP) de ter sido "permeável a certas influências do PSD" ao longo do julgamento em que o autarca é arguido.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Pois, mas Isaltino foi eleito e Marques Mendes é empregado de um dirigente do PSD.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Reserve-se uma cadeira na fila da frente parta assistir ao espectáculo.»

NUNCA A ESTRATÉGIA DO PCP PARA O ENSINO FOI TÃO CLARA

«A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) não está hoje representada pelo seu secretário-geral na reunião com o Ministério da Educação sobre o modelo de avaliação de desempenho, por considerar que o Governo “desrespeitou” o processo negocial.

“Esta não é uma reunião negocial, o ministério vai apenas entregar o projecto de alteração que não foi enviado com antecedência aos sindicatos. Para isso não é necessário ir o secretário-geral. Quando for negociado estarei presente”, afirmou Mário Nogueira aos jornalistas à porta do Ministério da Educação. » [Público]

Parecer:

Desde o primeiro dia que se percebeu que a estratégia do PCP para os professores era o do confronto com o objectivo de obter ganhos políticos, mesmo que isso prejudique os professores.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se a sorte dos professores que optaram por meter o seu futuro nas mãos de Mário Nogueira.»

MAX SAUCO

WIRELESS

Durante escavações recentes nos EUA, os arqueólogos descobriram, a100m de profundidade, vestígios de fios de cobre que datavam do ano1.000. Os americanos concluíram que os seus antepassados já dispunham de uma rede telefónica desde aquela época.

Entretanto os espanhóis escavaram também o seu subsolo, encontrando restos de fibras ópticas a 200m de profundidade. Após minuciosas análises, concluíram que elas tinham cerca de 2.000 anos de idade, divulgando triunfantes, que os seus antepassados já dispunham de uma rede digital à base de fibra óptica quando Jesus nasceu!

Uma semana depois, em Beja, no diário local, foi publicado a seguinte notícia:"Após inúmeras escavações arqueológicas no subsolo de Beja, Évora, Moura, Estremoz e Redondo, entre outras localidades alentejanas, até uma profundidade de 500m, os cientistas alentejanos não encontraram absolutamente nada. Assim se conclui que os antigos habitantes daquela região alentejana já dispunham, há 5.000 anos atrás, de uma rede de comunicações sem-fios, vulgarmente conhecida hoje em dia pela designação de "Wireless".

MARANI EYEWEAR