sábado, agosto 29, 2009

O elogio de Sócrates

Inesperadamente, o maior elogio ao trabalho de Sócrates veio de onde e de quem menos se esperava, do PSD e de Manuela Ferreira Leite, como se isso fosse pouco esse eleogio tem como título “programa eleitoral do PSD”. Exceptuando as banalidade habituais de alguma direita portuguesa que ainda anda em busca de referenciais ideológicos, como a “treta” do Estado asfixiante, o programa eleitoral acaba por reconhecer o sucesso das políticas do governo.

Se o estado do país fosse aquele que o governo do PS encontrou Manuela Ferreira Leite não poderia fazer propostas de reduções de impostas, mesmo que se saiba que não são para cumprir. Com um défice de 6%, uma economia desorientada e os portugueses entretids a fazerem anedotas sobre Santana em vez de pensarem no país, Ferreira Leite estaria a prometer o reequilíbrio das contas públicas e dizendo com aquele ar de Margaret Teacher da Marmeleira que não haviam condições para reduzir impostos.

Se Ferreira Leite pode dispensar receitas fiscais acabando com o pagamento especial por conta, reduzir impostos e retardar a cobrança do IVA isso só é possível porque as contas públicas estão mais equilibradas do que tem dito e, mais ainda, mais transparentes do que tem insinuado.

Se a Segurança Social estivesse no Estado em que o seu governo a deixou, se em vez de tranquilidade os portugueses estivessem aterrorizados com o risco de falência do sistema como estavam nos tempos em que Ferreira Leite era ministra das Finanças, o PSD nunca poderia falar agora na sua privatização, esse passo não seria viável numa situação de falência técnica do sistema.

Se o sistema de segurança social estivesse quase falido como sucedia no passado recente como poderia agora o programa do PSD prometer a redução da taxa social única?

Estas são as grandes medidas propostas pelo programa do PSD, o resto são banalidades ideológicas ou promessas de circunstância. No essencial o programa do PSD é o maior elogio que Sócrates recebeu desde que tomou posse como primeiro-ministro.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Rua Augusta, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Tomohiro Ohsumi/Bloomberg]

«People searched job listings at the Hello Work Ikebukuro center in Tokyo Friday. Japan reported on Friday its unemployment rate rose to a record 5.7%, dealing a blow to Prime Minister Taro Aso ahead of Sunday’s parliamentary election.» [The Wall Street Journal]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

A generosidade do programa do PSD é tanta que até o pobre desconfia, agora resta-nos esperar que a propaganda do partido na campanha eleitoral nos mostre a sua líder a distribuir hambúrgueres aos portugueses.

JUMENTO DO DIA

sr. Palma

Agora que a comunicação social dá conta que o processo Freeport está praticamente encerrado e deixa de fora qualquer governante o senhor Palma do Ministério Público deveria explicar aos portugueses porque razão estaria interessado em fazer pressões sobre os investigadores. Até lhe dou uma sugestão, antes de falar aos portugueses pode ir a Belém combinar com os assessores anónimos do marido da dona Maria o que há-de dizer-nos.

UMA QUESTÃO DE COERÊNCIA

Se os partidos da oposição culparam o governo da crise e criticaram as medidas tomadas por as considerarem ineficazes, agora deveria vir dar o dito por não dito e admitir que os sinais de retoma se devem ao governo.

Apostaram tudo no oportunismo mas tiveram azar, o ciclo económico trocou-lhes as voltas, a retoma chegou antes das legislativas.

AVES DE LISBOA

Chapim-real []
Local: Quinta das Conchas

FLORES DE LISBOA

No Parque do Monteiro-Mor

A CRISE JÁ ACABOU!!!

«Acabou a crise, agora já é mais do que superoficial. É convicção funda, daquela que se adquire no sofá, a ver o país a passar-nos à frente, pelo telejornal. Há dias, quando nos surgiu aquele número acima da água, resvés mas acima da água, os tais 0,3%, ainda desconfiei. Eu, números, só palpáveis. O que é um número palpável? É o que leva uma trabalhadora da Dura, de componentes de automóvel, na Guarda, a um suspiro de alívio, porque não vai haver mais lay-off (outro suspiro: "Até já há colegas a fazer horas extraordinárias.") Outros suspiros palpáveis, no mesmo telejornal, os dos trabalhadores da Autoeuropa, ao saberem que já não haverá os ameaçados quatro dias de lay-off em Setembro… Mas nem foram esses números palpáveis que me animaram. A prova provada de que isto vai de vento em popa trouxeram-me os sindicatos da Groundforce, dos trabalhadores que lidam com as bagagens no aeroporto de Lisboa. A empresa deu 38 milhões de prejuízo no ano passado e vai perder 25 milhões este ano. Resposta dos sindicatos: greve no fim do mês de Agosto. No pico do negócio de um aeroporto! Aí, sim, convenci-me: já voltamos a ser alegremente irresponsáveis, a crise acabou. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

SOLIDARIEDADE

«No corrente debate eleitoral tem-se falado de pessoas e de políticas e pouca atenção foi dada a algo que também separa as visões do mundo em confronto. Os valores.

Não defendo uma sociedade igualitária, ao contrário de partidos à esquerda do PS - que ainda advogam uma sociedade sem classes, sem desigualdades, em que todos são iguais - tenho consciência que a igualdade de todos os indivíduos é irrealizável. Isso deve-se à natureza da condição humana. Todos desejamos coisas diferentes e obtemos a nossa felicidade por meios muito diversos. Advogo uma sociedade livre e vibrante, em que seja possível a progressão individual, para que todos e todas possam alcançar a sua felicidade.

Defendo assim que o Estado deve proporcionar as condições necessárias para que a desigualdade natural dos indivíduos não seja impeditivo da sua ascensão social por via do mérito. Esta é a razão do Estado Social. Alguns de nós nascem ricos, outros nascem pobres. Alguns com saúde, outros doentes. Uns nas áreas urbanas, outros em zonas rurais. O Sistema Nacional de Educação assegura que, a custos reduzidos, todos - independentemente das posses, ‘status', local de residência e outras diferenciações - possam ter acesso ao mais eficaz elemento de progressão social: a educação. O Serviço Nacional de Saúde minora uma das consequências da desigualdade económica e social - uns terem mais saúde do que outros. A Segurança Social assegura, através de subsídios, que a doença e o despedimento, que antes eram causas de miséria absoluta, passem a ser obstáculos que podem ser ultrapassados. E as reformas dos pensionistas - financiadas pelos trabalhadores no activo, através do intermédio do Estado - afiançam que o fim da vida útil não seja a pobreza da maioria.

E como é que se financia o Estado Social? Por lógicas redistributivas, em que o dinheiro de todos, mas sobretudo das classes média e alta, captado por impostos progressivos, financia um sistema universal que serve todos, assistindo os mais desfavorecidos. A solidariedade inter-geracional está na origem do nosso sistema de segurança social. Pagamos com o nosso trabalho as reformas de quem já não trabalha, como no futuro outros pagarão as nossas.

Toda a arquitectura do Estado Social assenta também na solidariedade. Entre os que têm muito ou alguma coisa e aqueles que têm pouco ou nada. O meu ideal é que os pobres de hoje tenham possibilidade, caso o mérito deles o permita, a vir a ser os ricos de amanhã. O que menos se fala é que os ricos de agora podem, por vicissitudes, vir a ser os pobres do futuro.
A solidariedade existe em ambos os sentidos.»
[Diário Económico]

Parecer:

Por Diogo Moreira.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A CABEÇA DE LOUÇÃ

«Em véspera de eleições, Francisco Louçã deu uma entrevista à revista Sábado em que tenta explicar qual é a "identidade" do Bloco. Primeiro, declara com insistência que o "Bloco" tem, coisa duvidosa, uma "identidade" e, depois, revela que o Bloco é a "esquerda socialista". Que "esquerda socialista"? A que rejeita "um modelo assente na desigualdade social e na exploração" e, ao mesmo tempo, o "modelo da União Soviética" e o "modelo da China". Do "modelo" que fica entre estas duas rejeições, Louçã não fala. O Bloco - explica ele - continua à procura "de uma agenda interveniente" e é isso que, no fundo, o distingue "do PS, do CDS, do PSD e da CDU", que não andam à procura de nada. Mas sobretudo o distingue do PS e do PCP. O Bloco nasceu de "uma exigência profunda" de aggiornamento da esquerda.

Louçã não sabe - ou talvez prefira não dizer - como vai (em democracia) acabar com a "desigualdade social" e a "exploração". Nacionalizando os meios de produção, à boa maneira chinesa e soviética? Ou alargando o Estado providência até ao (curto) limite do possível? Por enquanto, só sabe - e só diz - que "há um fracasso do regime económico" porque "há um fracasso do regime político". E, surpreendentemente, também acha que a "elite que nos governa", uma elite "tentacular" e degenerada, é a grande responsável por esse "problema estrutural". A propósito, cita Antero (que, de certeza, não leu ou percebeu), sem lhe ocorrer que subscreve, em nome do Bloco, uma das mais reaccionárias teorias sobre o atraso do país. Claro que o Bloco, coitado, se julga a nova elite.

O resto são as banalidades do costume: a falta de "um projecto nacional", a "divergência da Europa", o orçamento-zero, o "diálogo" com Manuel Alegre, as vantagens do debate na Internet, as coligações (particularmente com o PS), a "palavra-chave" da campanha" ("responsabilidade"?), a renovação urbana, o desemprego, os serviços de informação, o BCP, o TGV, o aeroporto de Lisboa e por aí fora até à proverbial "ganância" do capitalismo. O Bloco é um buraco, um vazio, um intervalo. Ou, mais precisamente, é o refúgio de quem não quer votar PC ou já não quer votar PS e por qualquer razão, sentimental ou outra, detesta a direita. Tirando o palavreado e a pretensão de virtude, não existe. O que não impede que a 27 de Setembro seja capaz de acabar com Sócrates. Como ele, aliás, merece.» [Público assinantes]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

DESTA VEZ CAVACO ENGANOU-SE

«O Tribunal Constitucional declarou não inconstitucional a norma do diploma do Código de Execução de Penas que o presidente da República enviou para fiscalização.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Se Cavaco precisa de um jeep o presidente do Tribunal Constitucional precisa de Swatch para levar os processos enviados pelo primeiro.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Cavaco através de um assessor anónimo.»

MELHORAM OS INDICADORES ECONÓMICOS

«O indicador de clima económico "voltou a aumentar em Agosto, regressando a um nível próximo do que apresentou em Novembro de 2008", refere o Instituto Nacional de Estatística (INE), nos Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores.

Durante este mês, diz o INE, "os indicadores de confiança apresentaram um andamento positivo em todos os sectores, com excepção da Construção e Obras Públicas, em que se observou um agravamento ligeiro".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Uma má notícia para Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento aos visados através de outro assessor anónimo de Belém.»

SÓCRATES DE FORA DA ACUSAÇÃO FREEPORT

«A acusação no caso Freeport deverá abranger apenas os arguidos já constituídos. A investigação está praticamente concluída, aguardando apenas novos elementos da polícia inglesa. Só se estes trouxerem dados novos sobre José Sócrates é que a investigação prosseguirá. Até agora, segundo fonte ligada ao processo, não há qualquer indício contra o líder do PS

O primeiro-ministro, José Sócrates, não fará parte do processo Freeport como arguido, adiantou ao DN uma fonte do Departamento Central de Investigação e Acção Penal. A investigação está praticamente concluída. Os procuradores apenas aguardam dados pedidos à polícia inglesa para fechar o processo. "Só se nestes elementos surgirem factos novos é que o processo prossegue. Até agora não há nenhum indício contra o primeiro-ministro", assegurou a mesma fonte contactada pelo DN.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Que grande novidade...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento ao sr. Palma dos magistrados do M.P..»

DIAS LOUREIRO ESCONDIA DOCUMENTOS NO WC

«Os investigadores do Caso BPN encontraram na casa de Dias Loureiro uma porta com acesso apenas através de uma casa de banho, na qual estavam documentos importantes para o processo, noticia o “SOL”.

Dias Loureiro minimiza a descoberta dos papéis, tendo afirmado que era apenas “uma parte esconsa do escritório”, acrescenta o semanário.» [Diário Económico]

Parecer:

Se os documentos nada tinham porque estariam escondidos?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Cavaco Silva através de um dos seus assessores anónimos.»

THOMAS RUCKER

CONDITIONS APPLY

sexta-feira, agosto 28, 2009

Afinal a presidência está mesmo sob escuta

Ao contrário do que Sócrates comentou a possibilidade de a Presidência da República estar sob escuta não é um disparate de Verão, a família Silva, o cão, o gato, o canário e até os assessores estão sob vigilância da secreta de Sócrates. Nem mesmo os aposentos de Verão ou o jeep utilizado para carregar a papelada de Belém se escaparam aos mirones de Sócrates.

Nem as conversas mais íntimas se escapam, como esta a que O Jumento teve acesso:

“Cavaco: Atão Maria, os caparauzitos já tão alemados?”
Maria: Ó Aníbal tem calma, ainda agora foram postos de salmôra, na queres ir antes à praia ver o que aconteceu à falésia?
Cavaco: Pois, lá tenho dir…
Maria: Na tesqueças de meter a mão no bolso não as vá encostar à rocha e com os tremeliques lá cai o resto!”


Não admira que Sócrates e os dirigentes do PS tivessem sabido da colaboração de Susana Toscano na elaboração do programa do Governo:

“Cavaco: Atão Susanita, já entregaste o papel àquela marafada da Manela?
Susana: Entreguei Senhor Presidente, mas não sei se ela entendeu tudo.
Cavaco: Pôs, ela sempre foi um bocadito lerda, foi por isso que nunca a deixei ir para mnistra das Finanças, lá a dexêi ir para a Educação e foi o que se viu.
Susana: Mas esteja descansado Senhor Presidente, expliquei tudo ao António Borges.
Cavaco: Assim já tô mais descansado”.”


Aliás, foi devido às medidas para evitar que Sócrates conhecesse o conteúdo do programa do PSD a tempo de copiar as medidas que a divulgação do programa só ocorreu de forma tão tardia. Além disso antes de ser aprovado pela comissão política do PSD o programa ainda teve que passar pelo crivo da Dona Maria:

“Cavaco: Atão Maria, já lêste o programa?
Maria: Ainda não, só vou ter tempo depois de amanhar os carapaus!”.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Vista de Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Nikolas Giakoumidis/Associated Press]

«A water-dropping helicopter filled its bucket in Lake Marathon, near Athens, Wednesday. A small firefighting plane crashed in Greece Thursday; its pilot was the first person reported to have died during the country’s latest wildfires. The pilot was battling a blaze on the Ionian Sea island of Kefalonia.» [The Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

Manuela Ferreira Leite

A líder do PSD aproveitou a apresentação do programa eleitoral para fazer os portugueses de idiotas ao afirmar que ia restaurar a ética na política. Nada mau para quem escolheu candidatos a deputados que dava para criar o circulo eleitoral do Estabelecimento Prisional de Lisboa.

AVES DE LISBOA

Pato-real []
Local: Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

FLORES DE LISBOA

No Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

RUMO À JUSTIÇA

«José Sócrates e Luís Marques Mendes almoçaram a 8 de Setembro de 2006 em Belém. O repasto celebrava a assinatura do Acordo para a Reforma da Justiça...

O repasto celebrava a assinatura do Acordo para a Reforma da Justiça, onde PS e PSD se comprometiam a resolver alguns pontos quentes da área, designadamente ao nível do Processo Penal, da questão do Mapa Judiciário ou do Estatuto dos Magistrados. Numa atitude de louvar, assumiram-se algumas convergências políticas, colocando-se de parte as divergências. A Justiça ganhava novo alento como vertente vital do Estado de Direito e meio pelo qual este se realiza.

Os múltiplos interesses em jogo não eram facilmente conciliáveis, sendo certo que as corporações, instaladas em quintas ornamentadas durante décadas, criaram vícios e privilégios dos quais não pareciam pretender abdicar. O caminho delineado era difícil e corajoso mas, apesar das dificuldades, assumiu-se um compromisso. Porém, o PSD, logo após a saída de Luís Marques Mendes, e pela mão dos líderes que lhe sucederam, empenhou-se em rasgar o acordado.

Já o Governo, mostrando que fora eleito para governar, cumpriu a palavra dada ao PSD e ao país, investindo no cumprimento das reformas prometidas no programa eleitoral e no Acordo. Hoje a desmaterialização, eliminação e simplificação de actos processuais geram eficácia e redução de custos. O Plano Tecnológico da Justiça (CITIUS) é uma realidade. No quotidiano de cidadãos e empresas surgiram facilidades como o Nascer Cidadão, Casa Pronta, Documento Único Automóvel, Registo Predial online ou Empresa na Hora, bem como meios alternativos de resolução de litígios como os Julgados de Paz. Tudo isto mudou a face da Justiça, sendo certo que alguns dos efeitos apenas a longo prazo se sentirão.

Ao longo da governação, o PS, por força da concretização das reformas que a Justiça há muito reclamava, conquistou inimigos, factura da ousadia de querer mais e melhor para o país sem olhar a interesses ou ceder a pressões. Já o PSD, pela mão dos seus sucessivos líderes, em desnorte estrutural, seguiu pelo terreno fácil do populismo sem rumo, apoiando todos os que discordam do Governo.

Atendendo a isto, qual é hoje o valor da palavra do PSD? Que fé nela depositar sabendo-se que "rasgar" e "conveniência política" são ali sinónimos? Como pode um partido merecer o depósito da nossa confiança se desrespeita, facilmente e de forma reiterada, compromissos políticos assumidos?

Estabilidade, identidade e firmeza nos passos dados são requisitos essenciais para governar. A história prova que é no PS que os portugueses podem confiar. O presente não é excepção.» [Diário Económico]

Parecer:

Por André Couto, Autor do http://www.simplex.blogs.sapo.pt/, um ‘blog' feito por apoiantes do Partido Socialista.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

TUDO BOM RAPAZES

«O número de indivíduos referenciados (e a detenção de uma pessoa) foi avançado logo na terça-feira pela PSP, dado que até hoje se confirma, segundo apurou o DN. Hoje, o ‘Jornal de Notícias’ avança que os quatro líderes dos montins já foram identificados pelos investigadores: todos têm ligações ao tráfico de armas e a roubos à mão armada. Ainda de acordo com o mesmo jornal, os primeiros sinais de violência começaram há 20 dias, quando a PSP descobriu perto do bairro uma carrinha com 20 cocktails ‘molotov’, duas espingardas caçadeiras e um revólver.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Desta vez o PCP e o BE optaram pelo silêncio em vez de justificarem o comportamento de bandoleiros com a crise, o desemprego e a política do Governo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se aos líderes do PCP e do BE se mudaram de opinião ou não leram as notícias.»

OBIKWELU BURLADO POR FUNCIONÁRIO DO BCP

«Segundo o ‘24 Horas’, o desfalque foi feito de forma a que o velocista não se apercebesse: foram sendo desviadas pequenas quantias entre 2005 e 2008, pois o gestor tinha o controlo total da conta do atleta, pois na altura o velocista vivia e treinava em Madrid e toda a correspondência bancária (cartões, códigos, etc.), seguia para casa desse gestor, que era um amigo muito próximo de Obikwelu.

A situação continuou até que, em Março do ano passado, o Millennium BCP detectou o desvio de capital, descobrindo transações que não estavam justificadas através de documentos assinados pelo cliente, e contactou Obikwelu, vice-campeão olímpico dos 100m em Atenas 2004 e co-recordista europeu nesta disciplina.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Parece que o BCP só tem uma coisa a fazer, devolver o dinheiro, antes que fiquemos a pensar que naquele banco todos roubam todos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao Banco Santander quantos clientes já foram burlados pelo seu novo funcionário.»

A ANEDOTA DO DIA

«A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, afirmou hoje, quinta-feira, querer restaurar os valores éticos, a confiança do eleitorado e a credibilidade da política, que acusou o PS de ter desgastado durante a sua governação.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Só pode estar a gozar com os portugueses.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

AGRICULTORES PEDEM A DEMISSÃO DE JAIME SILVA

«Mais de 4000 agricultores de Trás-os-Montes e Minho concentraram-se na vila de Rates, na Póvoa de Varzim, e pediram a "demissão de Jaime Silva"» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Pedir a demissão de um ministro a menos de um mês das eleições só pode ser uma manobra do PCP.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Jerónimo de Sousa se quer que mais algum ministro se demita.»

MARQUES MENDES INSISTE NO AFASTAMENTO DE ACUSADOS

«A polémica da escolha de António Preto e Helena Lopes da Costa, ambos arguidos, para integrarem a lista de candidatos a deputado por Lisboa é o maior foco de instabilidade interna no PSD. A prová-lo estão as últimas declarações de Marques Mendes, ao recomendar ao partido o reforço. E voltou a a defender uma lei que impeça políticos acusados ou condenados por crimes graves de se candidatarem a eleições.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Gabe-se a coragem de Marques Mendes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a vontade de Marques Mendes, não votem nas listas do PSD.»

N'O VALOR DAS IDEIAS

O post "O ue dizia António Borges sobre a crise, há um ano?":

«O candidato a Ministro das Finanças do PSD mostrou em entrevista ao Público a 30 de Março de 2008, o brilhantismo da sua compreensão da crise económica que já se sentia. Ficam algumas pérolas de um responsável pela política económica do programa do PSD.

"A crise americana, a haver, será de curtíssima duração. Há um sector que está em situação dramática, que é o da habitação e construção. Mas tudo o resto da economia está bastante bem." -- vide construtoras automóveis do Michigan!!

"A desregulação bancária foi longe de mais? De maneira nenhuma." -- crise do subprime? Falência do Lehman Brothers? Activos tóxicos?

"Portugal e a Europa podem escapar a uma recessão face à actual crise internacional?
Estou muito mais optimista do que a generalidade dos comentadores. (...) Haverá um abrandamento da actividade económica, mas espero que não seja muito substancial." -- No comments!

"..As contribuições para Segurança Social também [são elevadas]... Mas não estamos é em altura de os baixar." -- por isso o programa do PSD propõe agora a descida indiscriminada da Taxa Social Única??

" A inovação financeira foi das coisas mais importantes que aconteceram nos últimos anos. " -- os tais produtos opacos que já levaram a gastar centenas de milhar de milhões de dólares a salvar empresas como a AIG? Activos Tóxicos?

"O BCE é o grande vencedor destas dificuldades. Quer em relação ao Banco de Inglaterra, quer em relação à Reserva Federal. O BCE aparece muitíssimo mais sólido, tranquilo, capaz, competente, acabando por ter mais influência." -- Por isso já admitiu ter errado ao responder mais tardiamente à crise que os outros??»

KATARZYNA RZESZOWSKA


ADESF