sábado, outubro 10, 2009

Acabou a revolução cultural

Com as eleições autárquicas poderá ter acabado um ciclo político que, em muitos aspectos, teve muitas semelhanças com a revolução cultural chinesa. As semelhanças terão muito que ver com os tiques de intolerância típicos da extrema-esquerda que, com a adesão de uma direita oportunista, criou um ambiente de intolerância.

Os que no passado sanearam a torto e a direito queixaram-se de asfixia democrática, a extrema-esquerda elegeu Manuela Moura Guedes como uma heroína da liberdade, a maioria absoluta tornou-se um argumento para promover uma vaga de falsa luta pela liberdade.

Professor que concordasse com ministra da Educação era marginalizado, qualquer cidadão que afirmasse a sua intenção de votar Sócrates era achincalhado. Tive que eliminar muitas centenas de comentários que ofendiam só porque manifestei as minhas intenções de voto. Se votasse CDS ou PCP, pouco importariam as diferenças, era aceitável, mas votar PS dava direito a ofender.

Alguns grupos corporativos, que sempre se preocuparam mais com os seus interesses que, em regra, é trabalhar menos e ganhar mais, juntaram-se à orgia e valeu de tudo, falsas manifestações espontâneas, esperas a membros de um governo eleito pelos portugueses, processos judicias manipulados em função de calendários eleitorais, nem os assessores de Cavaco Silva resistiram à tentação de se juntarem a esta orgia colectiva.

Mas tiveram azar, apesar de tudo o que fizeram e de serem ajudados por uma combinação rara de acontecimentos adversos, desde a crise petrolífera à crise financeira, foram derrotados nas eleições legislativas, alguns conseguiram um aumento temporal dos votos, o PSD teve uma votação miserável, o PCP foi promovido à categoria de mais pequeno partido. A extrema-esquerda pode ter crescido, mas acabou por dar mais votos ao CDS, que designam por extrema-direita, do que os votos que conseguiram.

Em nome de uma suposta arrogância resultante de uma maioria absoluta uma minoria apoiada pela burguesia estatal promoveu uma vaga de repressão cultural e de intolerância, tentando condicionar o voto dos portugueses. Até exibiram muitos supostos arrependidos de terem votado PS.

Mas perderam, mais de 36% dos portugueses votaram PS e a maioria esmagadora votaram em partidos cujos dirigentes não sonham com ditaduras. Cantaram vitória porque o PS não teve a maioria absoluta, mas é uma vitória que a prazo lhes sai cara, agora perderam o seu único argumento político.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Graffiti, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Menahem Kahana/Agence France-Presse]

«Photographers took pictures of a Palestinian stone-thrower during clashes involving Israeli security forces in the Arab neighborhood of Ras al-Amud in Jerusalem Friday.» [The Wall Street Journal]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Esta é a minha fotografia preferida do "iluminado" Pedro Santana Lopes que "se Deus quiser" vai perder as eleições.

JUMENTO DO DIA

Camona Rodrigues

Depois de tudo o que se passou não seria de esperar ver Carmona Rodrigues selar a sua breve carreira política apoiando Santana Lopes. Mas Carmona deu parte de fraco e fez muito pior do que isso primeiro desmentiu Santana dizendo que nãoo apoiava para depois aparecer ao seu lado. Se Santana Lopes ganhar, o que é muito pouco provável, veremos quanto vale a integridade de Carmona Rodrigues.

Quantas chantagens , pressões e ofertas terão acontecido entre os dois momentos?

«Esta sexta-feira, Santana Lopes anunciou que Carmona Rodrigues lhe tinha ligado a demonstrar o seu apoio. "Ligou-me há cinco minutos. ‘Podes transmitir o meu abraço de apoio. Espero que ganhes", terá dito Carmona a Santana. Rapidamente o ex-vereador negou tal apoio.

Esta tarde, Carmona sublinhou que a sua participação na iniciativa não se tratava de apoio político, mas antes baseado numa "amizade de 43 anos". Segundo o ex-vereador, os dois não se falavam há dois anos, mas por questões de natureza pessoal reataram o contacto.» [Correio da Manhã]

OBAMA O NOBEL DA PAZ

«O Presidente dos Estados Unidos da América, Barak Obama, é o Nobel da Paz 2009, anunciou esta manhã o Comité Nobel. Obama foi premiado ?pelos seus extraordinários esforços para desenvolver a diplomacia internacional e a cooperação entre povos?. Obama já se mostrou "honrado" pelo galardão, adiantou o porta-voz da Administração norte-americana.» [Diário de Notícias]

É caso para dizer que o Nobel veio primeiro, a paz vem depois.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se para ver a paz, porque até agora só se viu paz de espírito.»

RIDÍCULA, DIZ ELA

«A presidente do PSD considerou "ridícula" uma eventual comparação entre o social-democrata Fernando Seara e a adversária socialista na corrida autárquica a Sintra, Ana Gomes, rejeitando que a presença de hoje na campanha fosse uma resposta ao PS.» [Diário de Notícias]

Manuela Ferreira leite está esquecida de quando era líder distrital do PSD e lançou a candidatura de Seara convencida de que o homem ia perder. Como Seara ganhou colocou um ex-namorado a tomar conta do autarca para evitar as asneiras, esse ex-namorado acabou por se fartar de Seara e abandonar a Câmara Municipal de Sintra.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Recordem-se os factos à ainda líder do PSD.»

O PELUDO

De repente recordo-me uma velha anedota sobre um conhecido autarca do PSD, quando uma administrativa chegou atrasada ao serviço e foi questionada pelas colegas lá se justificou: «o senhor presidente tem tanto pêlo que tive de ir comprar um aspirador portátil!».

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Procure-se o peludo!»

ANEDÓTICO

«O delegado da Comissão Nacional de Eleições garante que na Madeira "não há asfixia democrática", mas "excesso de liberdade, que em nada dignifica a democracia e a região autónoma". Foi com estas palavras que o juiz Paulo Barreto comentou os recentes incidentes em duas inaugurações de Alberto João Jardim com protestos do Partido da Nova Democracia (PND) e cenas de confronto e agressão.

"Como madeirense", o juiz diz-se "envergonhado" com as imagens que passaram nas televisões, tendo confirmado a recepção, por e-mail, das queixas do PND. Paulo Barreto apelou aos partidos para terminarem a campanha eleitoral com "dignidade", alegando, ainda, que não cabe à CNE nem à PSP evitar este tipo de situações, uma vez que se vive num Estado de direito e os próprios candidatos são "pessoas maiores e vacinadas de quem se exigem responsabilidades". E esta foi a única reacção oficial perante os acontecimentos.» [Diário de Notícias]

Quando vi a cara do rapaz na televisão percebi porque razão deve gostar de um país mais sossegado.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao magistrado porque razão fala em nome da CNE enquanto madeirense. Vindo de um magistrado esta linguagem é lamentável, enquanto magistrado ou enquanto membro da CNE está em representação da República e só nessa qualidade mereceu a atenção da comunicação social.»

CUIDADO

Quando Santana ganhou a CML foram muitas as suspeitas de fraude eleitoral em Lisboa...

ALGUÉM CONVIDOU FERREIRA LEITE

«Manuela Ferreira Leite reiterou hoje a intenção do PSD de permanecer na oposição durante a próxima legislatura, afastando novamente a possibilidade de um governo de Bloco Central.» [Diário Económico]

Isto e, Ferreira leite cega à brilhante conclusão de que o PSD será oposição durante a próxima legislatura!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se se alguém, além de Cavaco Silva, lhe sugeriu o bloco central.»

PORTAS QUER ACABAR CO O "TEMPO DO CACIQUISMO DO PSD"

«O presidente do CDS, Paulo Portas, disse esta sexta-feira que o «tempo do caciquismo» do PSD em Mirandela vai acabar domingo e apelou aos socialistas para votarem na candidata do partido.

Num comício de apoio à candidata do CDS à Câmara de Mirandela, Graça Calejo, Paulo Portas deixou um recado ao actual presidente da autarquia, José Silvano: «o tempo do caciquismo acabou, queremos uma Mirandela melhor». » [Portugal Diário]

Só em Mirandela?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Portas do distingue o PSD de Mirandela de todo o PSD ou seguindo o seu raciocínio, de todos os outros PSDs.»

CARVALHO VAI SAIR DO PCP

«Os comunistas já se remeteram ao silêncio, mas Carvalho da Silva não. O coordenador da CGTP-IN voltou ontem a justificar as suas declarações da véspera sobre o desejo de vitória do socialista António Costa em Lisboa, dizendo que o fez enquanto cidadão. Uma atitude que é vista por muitos como um passo no afastamento do líder sindical do seu partido de sempre, o PCP. E na aproximação a um certo movimento de esquerda mais ou menos avulso que se uniu em torno da candidatura de Costa - de Helena Roseta a ex-militantes comunistas que integram a comissão de honra.» [Público]

A dúvida está em saber se sai pelo seu pé ou se vai ser expulso, entretanto, o PCP vai começar a destruir lentamente a imagem do líder da CGTP para minimizar o prejuízo resultante de uma expulsão inevitável, isso se Carvalho da Silva esperar pela velha estratégia comunista de destruição dos que abandonam o partido. Se fosse noutros tempos tudo seria mais fácil, bastaria ao PCP dizer que Carvalo da Silva tinha falado na prisão.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»

AVES DE LISBOA

Andorinha-daschaminés [Hirundo rustica]
Local: Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

FLORES DE LISBOA

No jardim Botânico Tropical

LISBOA COMPROMETIDA

«Como, suponho, todos os lisboetas, estou cansada de promessas. Estou cansada de proclamações grandiosas e juras absurdas. Voto em Lisboa desde os anos 90, quando mudei o registo de eleitora para a cidade onde me fixei aos vinte. Levo vinte e cinco de resistência ao desregramento incompreensível do trânsito e do estacionamento, à incompreensível degradação do edificado, à sujidade incompreensível das ruas, aos incompreensíveis montes de lixo junto aos contentores e aos ecopontos, ao incompreensível mau estado dos pavimentos, às incompreensíveis falhas na iluminação pública, às incompreensíveis ausências de regulação e ordenamento urbanos e arquitectónicos, à feiura incompreensível e voluntária (porque tantas vezes destruindo coisas bonitas e boas) da maioria dos estabelecimentos comerciais. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

FADO LISBOA

«António Costa descobriu um novo estilo para as festividades eleitorais. O candidato socialista adopta uma arrogância mole que serve sobretudo para menorizar Santana Lopes e para não discutir qualquer proposta política. A este discurso, Santana Lopes responde com um tom cordato mas nulo, sem entusiasmo, ideias ou aquela agressividade benigna que ainda ajuda a ganhar eleições. Juntos, António Costa e Santana Lopes parecem duas velhas vizinhas que discutem, de costas voltadas, os preços da mercearia da esquina.

Convém no entanto uma certa dose de justiça. Nenhum dos candidatos se encontra em posição confortável. António Costa tem a obrigação de conquistar a Câmara, não para transformar Lisboa, mas para converter a Câmara num Ministério informal e supranumerário à disposição do Governo. Santana Lopes tem a difícil tarefa de ganhar Lisboa em nome de uma líder que não o suporta e de um partido que apenas o tolera. Se Santana Lopes é um lobo com pele de cordeiro que se dirige para o sacrificio, António Costa é um cordeiro com máscara de lobo que caminha para o panteão municipal. Talvez assim se compreenda o amor de António Costa a tudo o que pareça Esquerda e a tristeza de Santana Lopes em relação a tudo o que brilhe laranja.» [Diário Económico]

Parecer:

Por Carlos Marques de Almeida.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

QUERO QUE SOFRAM

«Orestaurante era uma esplanada em cima de uma falésia de 20 ou 30 metros. A nossa mesa (a minha e a da minha mulher) estava encostada ao gradeamento exterior da esplanada (ou muro, não me lembro bem) e dava directamente sobre o mar. Não havia nenhuma mesa a menos de quatro ou cinco metros. Jantámos. No fim, resolvemos fumar uma cigarrilha. De repente, apareceu uma cabeça entra nós dois, que disse, a tremer de raiva, em americano: "Espero que tenham um cancro. Espero que morram. Espero que sofram". E, depois, fugiu. Ainda lhe gritei"Drop dead". Mas não serviu de nada. O homem já cumprira a sua missão. Como é evidente, as nossas cigarrilhas não podiam prejudicar ninguém. Não se tratava dos supostos malefícios do fumo indirecto. A coisa era uma explosão de ódio contra dois seres que o indivíduo considerava moralmente inferiores, dignos de morrer depressa e, de preferência, da pior maneira imaginável.

O fanatismo contra o tabaco - o único sentimento (não merece sequer o nome de "ideia") que os políticos do Ocidente conseguiram este século, pouco a pouco, incutir na populaça - chegou a um extremo inquietante. Em Nova Iorque, por exemplo, uma das cidades mais poluídas do mundo, o inominável sr. Bloomberg (o do "canal"), candidato à presidência da câmara, incluiu no seu programa a proibição absoluta de fumar na rua. Na rua, repito. Isto, como o acidente do restaurante, não é um acto de saúde pública, é pura e simplesmente um acto de perseguição, que uma intensa propaganda inspira e sustenta. Basta ver um filme ou uma série americana, ou mesmo um noticiário, para constatar o fervor dessa particular missão.

Acampanha pela imortalidade do corpo toma rapidamente a forma das campanhas pela imortalidade da alma. No liberal e democrático Ocidente, nenhuma dissidência é tolerada, nem (por sensata que seja) ouvida qualquer razão de ordem médica, económica ou política. Se o deixassem, o sr. Bloomberg queimava os fumadores na praça pública. Como Sócrates, que, sempre atrás de Zapatero, se propõe agora "endurecer" as leis contra o tabaco, que acha demasiado permissivas. Impotente para acabar com o desemprego, aumentar a produtividade ou reformar a justiça, Sócrates ficou, pelo menos, com uma "causa" aparentemente justa - e a consoladora faculdade de proibir. O zelo religioso contra o fumo, julga ele, compensará o óbvio fracasso do país. Punir os maus (ainda por cima para seu próprio benefício) é um método provado para exibir a virtude de quem manda. E, de caminho, esconder a realidade.» [Público]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

DMITRY LAUDIN

MCEL

sexta-feira, outubro 09, 2009

Autárquicas

Se tivesse que definir a campanha eleitoral das autárquicas numa palavra diria “paupérrima” Paupérrima nos argumentos, paupérrima na qualidade dos debates, paupérrima no marketing, paupérrima nos candidatos. Nem a capital se escapou a esta pobreza generalizada, o PCP apresentou o candidato vitalício sem projecto e para se bater contra a política de direita de Sócrates, o PSD apresenta alguém que como político já morreu ou devia ter morrido mas que insiste em andar por aí porque se esqueceram de o enterrar, o Bloco de Esquerda apresenta um candidato que se dirige ao eleitorado com um tutor ao lado e o PS aparece com uma união que se pode vir a revelar um saco de gatos.

A esmagadora maioria dos candidatos autárquicos são presidentes de autarquias que agora vêm cobrar aos eleitores o esbanjamento dos rcursos públicos em fantochadas eleitoralistas, valeu de tudo, desde carnavais com o Castelo Branco a idas a Cuba, desde viagens a Fátima a passeios de avião, de tudo valeu para assegurar que o povo assegura a continuidade de autarcas oportunistas. Na minha freguesia os ciganos, além do rendimento mínimo de de casas do Estado ainda beneficiam de cheques de compras passados pela junta que devem ser usados na mercearia de um conhecido militante do PSD que até já presidiu à junta, não admira que os mesmos ciganos que gritavam junto às mesas de voto contra Paulo Portas, por este ter falado em trabalhar, andam agora a distribuir a propaganda da coligação CDS/PSD.

Os mesmos eleitores que tão mal dizem dos políticos e da classe política vão entregar as autarquias a gente como Isaltino Morais ou Valentim Loureiro, o argumentos é que podem ser uns malandros mas serão bons autarcas. Compreende-se, os eleitores de Oeiras que beneficiam de infra-estruturas de acesso pagas pelos eleitores de Lisboa até perdoam ao seu autarca umas malandrices, o que é preciso é que Oerias continue a beneficiar da obra alheia para ser uma autarquia aparentemente bem gerida. Digamos que votam em Isaltino por ser o Robim dos Bosques.

As autarquias que deveriam ser uma escola de futuros políticos transformaram o país num sistema de feudos onde facilmente vingam políticos oportunistas e sem escrúpulos.

Umas no cravo e outras na tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Vila Real de Santo António

IMAGEM DO DIA

[Jay Directo/Agence France-Presse]

«Three empty wooden coffins were floated along a street east of Manila Thursday. Six people were killed in landslides in the northern Philippines as Tropical Storm Parma arrived; the area was hit by the deadly storm Ketsana last month.» [The Wall Street Journal]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Para os que ainda duvidam de que ouve escutas em Belém, aqui fica a prova!

JUMENTO DO DIA

Carvalho da Silva

Pela forma como Carvalho da Silva fala das suas opções eleitorais ou ele opina sobre as eleições em Lisboa e vota em Almada ou noutro concelho limítrofe, ou então está convencido de que vai receber uma caderneta de votos para poder votar nos diversos estatutos que veste ao longo do dia, cidadão comum, militante do PCP, líder da CGTP, etc.

HÁ MOMENTOS EM QUE TEMOS DE FAZER OPÇÕES

Estou contente com Lisboa? Não Estou.

Considero que António Costa fez um bom trabalho? Não considero, conseguiu algo muito difícil que foi arrumar as contas, mas ficou aquém das minhas expectativas, alguns dos vereadores de que se fez acompanhar não estiveram à altura da gestão de uma grande cidade.

Resisti muito a tomar esta posição mas não só as alternativas da oposição são más como considero que derrotar Santana Lopes é uma questão de higiene nacional, como o será derrotar Isaltino Morais, Narciso Miranda, Valentim Loureiro e muito outros autarcas. É preciso livrar o país destas personagens.

Votar em Fazenda ou Ruben Carvalho? Tanto quanto sei justificaram as suas candidaturas para se oporem a Sócrates. Fazenda nem sequer está à altura de uma junta de freguesia e Ruben de Carvalho só é candidato porque o PCP desta vez não pensou em Lisboa mas sim nos seus objectivos políticos nacionais.

António Costa merece a minha confiança? Se os representantes da oposição tivessem actuado a pensa na cidade aprovando o que merecia ser aprovado e reprovando o que não merecia passar estaria agora em condições de ter uma posição. Mas não foi isso o que sucedeu, o PSD usou uma assembleia municipal onde detinha uma maioria fantoche para boicotar a gestão da autarquia, para inviabilizar todo e qualquer projecto, para a asfixiar financeiramente e desde que Santana apresentou a sua candidatura a assembleia municipal deixou de estar ao serviço de Lisboa para ser um instrumento de quem deixou a CML na ruína.

Santana Lopes é tão mau que nem Ferreira Leite aparece ao seu lado, o próprio Paulo Portas apareceu mais para ganhar tempo de antena do que para apoiar o candidato. É para mim uma obrigação moral dar o meu voto para ajudar Lisboa a livrar-se desta peçonha.

Não voto feliz, preferia não estar a dar o meu voto a Helena Roseta, preferia que o meu voto resultasse de uma reflexão profunda sobe a cidade. Mas, infelizmente, tenho que escolher entre a honestidade e a desonestidade, a competência e a incompetência, o rigor e a bandalhice, o serviço público e o oportunismo.

Não votar seria votar num carro de luxo para um inútil, nas mordomias da residência oficial para um oportunista, no esbanjamento dos recursos públicos em obras de fachada e numa imensidão de gandulos armados em assessores.

Em nome do interesse da Lisboa onde vivo e da sanidade deste país tenho de votar em António Costa.

AI MEU DEUS QUE A MULHER PASSOU-SE!

Agora que não tem o apoio próximo do filósofo da Marmeleira ou do seu pequeno Rangel a líder do PSD deixou de dizer disparates e, de roda solta, começa a dizer com cada uma que até duvido da sua sanidade mental:

«Pela terceira vez em menos de uma semana, o PSD afastou qualquer entendimento para “ajudar de forma envergonhada” José Sócrates a governar e desafiou, mais uma vez, os socialistas a dizer com quem vão governar dado que não têm maioria absoluta.

“Vamos ficar à espera de qual dos partidos, à direita ou à esquerda o PS escolhe para governar o país. Nós estamos fora desse jogo. Nós somos oposição”, garantiu a presidente social-democrata, Manuela Ferreira Leite, num comício quarta-feira à noite, em Bragança, de apoio à recandidatura de Jorge Nunes, que concorre a um quarto mandato à frente da câmara local.» [Público]

Para Ferreira Leite ser oposição é dizer que vai votar contra ainda antes de saber o que vai ser proposto, primeiro diz que Sócrates deve aplicar os programas eleitorais da oposição porque com a maioria relativa não tem legitimidade para aplicar apenas o seu programa, agora vem dizer que o PSD é o marginal do Parlamento.

E o que dizer deste brilhante raciocínio aritmético:

«“Como partido mais votado na oposição, com mais votos e mais deputados do que todo o resto da oposição junta, é a alternativa ao poder. Sendo a alternativa ao poder, o PS tem que governar o país com aqueles partidos que se apresentaram às eleições dizendo que não era para ganhar mas tirar a maioria absoluta e para influenciarem a governação socialista. Nós nunca nos apresentámos para influenciar a governação socialista”, afirmou a líder dos social-democratas.»

Será que alguns cavaquistas, os santanistas, os coelhistas, os barrosistas, os menezistas ou qualquer outra corrente deste PSD balcanizado vai devolver esta mulher ao Banco Santander?

Como muito bem recorda o "Câmara Corporativa" no debate com Sócrates a ainda líder do PSD tinha outro entendimento do que é ser oposição e dizia “Só espero que, em caso de minoria, o PS respeite o governo do PSD como nós o fizemos durante o governo liderado por Guterres”.

OUTRO QUE NÃO DEVE ANDAR BOM DA CABEÇA

«“Sou um cidadão, estamos em tempo de eleições, ontem [quarta-feira] disse o que disse, não vou acrescentar mais nada, está claro qual é a minha posição, o meu enquadramento”, declarou. Carvalho da Silva falava em Cernache, Coimbra, após uma assembleia com trabalhadores da empresa Poceram, com um processo de insolvência em curso.» [Público]

Ficamos a saber que enquanto cidadão Carvalho da Silva deseja a vitória de António Costa mas enquanto militante do PCP torce pela vitória da candidatura da CDU, resta saber qual a sua opção enquanto líder da CGTP ou como adepto da selecção nacional.

Depois da peça de teatro que montou para se encontrar "casualmente" com António Costa começa a ser difícil distinguir se Carvalho da Silva está a falar a sério ou a fazer teatro. Quando as pessoas andam divididas e não sabem muito bem o que querem ficam assim.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Carvalho da Silva que faça uma doação do seu cérebro à ciência.»

SONDAGENS DESCONHECIDAS

«No dia em que apresentou a sua comissão de apoio com 1001 nomes, presidida pelo ex-ministro das Finanças Bagão Félix, Santana Lopes manifestou-se ontem convencido da vitória nas eleições, afirmando conhecer sondagens que indicam que a desvantagem para a candidatura do socialista António Costa é cada vez menor. » [Correio da Manhã]

Parece que Santana Lopes está a imitar Cavaco Silva quando disse que defendida eleições simultâneas com base em sondagens que ninguém conhecia, agora o candidato a destruir a Câmara Municipal de Lisboa sente-se animado porque há por aí umas sondagens que o dão mais perto da candidatura de António Costa.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Leve-se Santana Lopes à mesma consulta de oftalmologia recomendada a Manuela Ferreira Leite, tudo leva crer que o problema seja o mesmo ainda que neste caso se possa colocar a hipótese de, depois dois shots nocturnos, Santana confundir os dizeres do rótulo da garrafa de garrafa de vodka com os resultados de uma sondagem, provavelmente está convencido de que os 42º são 42% de votos na sua candidatura.»

AGARREM-ME SENÃO BATO-LHE

«"Nós não faremos coligações ou não faremos parte de um Governo cujo programa é contraditório com o do BE nas respostas políticas essenciais, que são respostas à crise, ao desemprego, à situação da degradação social e da fractura social em Portugal", afirmou o líder do BE.» [Diário de Notícias]

Francisco Louçã leva tão a sério Manuela Ferreira Leite que até está convencido de que José Sócrates já o convidou para formar uma coligação. Só que ninguém entende para que serviria tal coligação a não ser para ainda termos que ouvir com maior frequência aquela voz irritante de seminarista, toda a gente sabe que não daria para nada a não ser que se desse o milagre de vermos o PCP a querer coligar com a extrema-esquerda para juntos apoiarem o PS, amsma extrema-esquerda que em tempos o designava o PCP por social-fascista.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao Anacleto quem o convidou para uma coligação.»

MARCELO JÁ ADMITE SER CANDIDATO A LÍDER DO PSD

«Questionado pelos jornalistas à saída de uma iniciativa da Associação Cristã de Empresários e Gestores de Empresas (ACEGE), em Lisboa, sobre se estaria disponível para avançar para a liderança do Partido Social-Democrata (PSD), Marcelo Rebelo de Sousa admitiu essa possibilidade.

"Quando terminar o mandato da doutora Manuela, que ainda não terminou", foram as únicas palavras do ex-líder social-democrata em resposta aos jornalistas sobre a sucessão na liderança do partido.» [Diário de Notícias]

Mais um pouco e ficará impaciente ao ponto de sugerir a Manuela Ferreira Leite que "desampare a loja".

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver se Marcelo é candidato ao PSD ou a Belém.»

AVES DE LISBOA

Pavão

FLORES DE LISBOA

Cogumelos

UMA PONTE EM FORMA DE BICA

«Desculpem-me as minudências serôdias mas há que saber dos subterrâneos para entendermos o dia-a-dia. Quando havia o Partido Comunista Português-Reconstruído, existia também uma União Democrática Popular. Dois partidos diferentes? Não, a mãe (PCP-R) e a filha (UDP). Um núcleo, coeso, e uma frente, o mais larga possível. Um para a teoria pura e dura, e outra para conversar com as massas. Quem quiser saber mais, estude Dimitrov e a III Internacional na década de 1930-40. O que interessa reter é que houve uma tradição marxista-leninista com essa distribuição de tarefas seguida depois por todos os partidos comunistas (pró-Moscovo ou pró-Pequim). Ontem de manhã, Carvalho da Silva foi tomar uma bica com o socialista António Costa e disse-lhe que o apoia em Lisboa. À tarde, Jerónimo de Sousa disse que Carvalho da Silva lhe disse que fizera "uma declaração sobre a situação de Lisboa" mas lhe disse também que apoia os comunistas. Antes dos leitores se deitarem a ler sobre esquizofrenia, aconselhe-os a voltarem ao pequeno périplo histórico desta crónica. Nos comunistas, há guardiões do templo e há quem tome bicas. E geralmente estes últimos são mandados ir tomar.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

COM A VERDADE ME ENGANAS

«Está hoje em grande voga uma corrente moderna que advoga estar o sucesso de longo prazo das empresas dependente da forma como cuidam dos múltiplos interesses dos agentes que a ela se ligam: trabalhadores, famílias adjacentes, fornecedores, administração central e local, credores, clientes, etc., e até os accionistas!

Digo "e até os accionistas" porque parece que para alguns, as empresas que foram criadas por empreendedores de visão e que correram e correm o risco do capital investido, são os últimos a terem lugar na lista de preferências e interesses na empresa.

Esta moda, parece que toma como abjecto o lucro que resulta do risco assumido pelo capital, e vai mesmo ao ponto de propor campanhas abertas em que parece que o que é bom é fazer exactamente o contrário do que é bom para o accionista. São campanhas que saem do bolso do accionista, numa espécie de ‘haraquiri' do lucro...

Já assistiram a alguns comerciais pagos pela GALP, uma empresa petrolífera, a sugerir aos seus clientes que poupem gasolina! Juntem-se 4 ou 5 na mesma viatura para nós não vendermos tanto combustível e para assim não gerarmos tanto lucro! Brrr! Que coisa horrível... É muito melhor vender menos! Se todos seguíssemos o conselho da GALP as vendas cairiam 30% e isso sim seria óptimo!

Já ouviram a EDP a estimular os seus clientes a usarem lâmpadas de baixo consumo energético... Brrr! Que coisa horrível! Vender energia eléctrica? Nós que somos seus distribuidores? Comam às escuras!

Já terão ouvido comerciais das empresas distribuidoras de água a fazer apelo à poupança de água... Por favor não consumam água ou nós teremos mais lucros!

Imaginem que o mesmo pega em todas as empresas...

As empresas que vendem computadores pedem por favor para fazer contas de cabeça! Ainda por cima quanto mais computadores se fabricam tanto mais plástico e seus derivados produzimos e mais lixo se acumula...

Um taxista vocifera: "- Vão a pé seus calaceiros!"

Um taberneiro: "- Bebam leite!"

No balcão da Caixa: "- Vão ao Totta!"

Se a coisa trespassa para a actividade política ainda teremos o Paulo Portas a rogar aos seus eleitores para votarem no Jerónimo de Sousa ("isso sim, é consciência social!"), ou o Francisco Louçã a pedir para votarem no Paulo Portas porque só ele é capaz de dinamizar a economia, a retoma e o empreendedorismo em Portugal...

Os críticos do Crescimento Sustentável e da Responsabilidade Social das Empresas advogam que elas não o fazem por ser esta a forma de contribuir para o que se diz proteger, mas sim porque esta é a forma de continuar a atrair o interesse e a fidelidade de uma clientela cada vez mais susceptível ao que parece politicamente correcto, mesmo que isso seja um aparente ‘nonsense'...É seguro que os recursos são escassos. Mas não é por isso mesmo que existe a Economia? É com a verdade que enganas? » [Diário Económico]

Parecer:

Por João Duque.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

NO "CÂMARA CORPORATIVA"

"É tudo mentira mas soa bem (III):

Soube-se esta semana que a maioria dos contratos celebrados pelo Estado, ao abrigo da nova legislação que o permite, foi feita por ajuste directo, ou seja, sem recurso a concurso público. Estes contratos por ajuste directo não violam a lei e, ao contrário do que acontecia antes, são divulgados publicamente (a transparência obriga ao rigor).

A lei da contratação pública abrange, obviamente, a Administração Central, dependente do Governo, e as autarquias locais. E já se sabia que estas últimas são, como é natural, as que mais recorrem aos ajustes directos (precisamente porque os valores das obras e/ou compras em causa são menos elevados).

Tudo isto está publicado e é evidente para qualquer português.

Qualquer não... Para Francisco Louçã, estamos perante mais um escândalo do Governo socialista. Ainda para mais, um governo de gestão. E o líder do Bloco até fez as contas - dá 180 ajustes directos por dia, 10 por hora (!).

Ou seja, o Governo também é responsável pelos ajustes directos realizados pelas autarquias...

Louçã sabe - tem de saber - que isto é mentira. Mas soa bem junto dos eleitores e dos jornalistas incultos.

A demagogia rende, como Louçã ficou a saber nas últimas legislativas."

NO "CAFÉ MARGOSO"

SMS's Cafeano a Dois Tempos:

«"O primeiro protector de testículos, na prática do hóquei, foi criado em 1874.

O primeiro capacete para protecção da cabeça foi usado em 1974.
.........

............

............

Foi necessário um século para que os homens percebessem a importância do cérebro ."»

ALES FRELIH

FRENCH FOOTBALL FOUNDATION