sábado, março 20, 2010

É muito fácil ser de esquerda com o dinheiro dos outros

Quando ouço os “coronéis” da nossa esquerda falarem dos pobres só me apetece mandá-los à merda, desculpem o termo mas é mesmo isso que me apetece. A maior parte desses arautos da via dos subsídios para o socialismo não passam de gente de boas famílias que nunca soube o que eram dificuldades e têm uma visão caridosa da pobreza. As nossas classes dominantes sempre tiveram grandes preocupações com a pobreza, diria mesmo que sentem alguns complexos de culpa que justifica fazerem da pobreza uma grande preocupação. É por isso que quando são crescidinhos e se tornam simpatizantes da direita tornam-se em almas caridosas, quando aderem à esquerda são defensores acérrimos de subsídios.

A verdade é que nem os subsídios nem a caridade acabam com a pobreza, aliás, nem diferem muito na sua essência, não passam de duas formas diferentes de distribuir dinheiro aos pobrezinhos. No caso da caridade dá quem quer e não é seguro que todos recebam, com os subsídios estatais a contribuição é obrigatória e a caridade estatal torna-se num direito. Associar uma política de esquerda ao volume de subsídios é uma hipocrisia, da mesma forma que o é dizer que graças a esses subsídios diminuiu a pobreza.

A pobreza não é apenas um problema estatístico, é antes um problema social com facetas muito diversificadas que não é superado apenas com distribuição de dinheiro. Os subsídios poderão iludir as estatísticas mas nunca resolverão o problema, antes pelo contrário, são cada vez mais os pobres que fizeram da pobreza profissão e que estão bem mais preocupados com o direito aos subsídios do que com o direito ao trabalho.

Políticas sociais que medem a pobreza através de médias estatísticas tratando de igual modo aquele que tem poucos recursos porque não tem trabalho com aquele que não tem dinheiro porque não quer ou não gosta de trabalhar têm muito pouco de social e geram mais injustiças do que combate à pobreza, resolvem o problema pela via estatística mas promovem-na e consolidam-na, transforma a pobreza económica em pobreza cultural, transforma um problema numa situação endémica.

Basta vir ao bairro onde moro para se perceber quanta injustiça é gerada por esta forma preguiçosa de combater a pobreza, os pobres não são aqueles que a Segurança Social acarinha com as suas estatísticas, esses têm casas novas , bons subsídios e encontramo-los à porta de qualquer café a beber cerveja. Os verdadeiros pobre são gente que trabalhou toda a vida cumprindo com todas as suas obrigações contributivas e que vive em casa degradadas onde pagam rendas e recebem reformas miseráveis, alimentam-se à base de sopa e quando o dinheiro lhes falta não tomam medicamentos, ao contrário de muitos “subsidiados” que, muito simplesmente, vão à Junta de Freguesia pedir mais dinheiro.

Toda a gente conhece esta realidade, da mesma forma que qualquer empregador que pretenda empregar alguém recorrendo aos centros de emprego sabe que a maioria dos desempregados que são enviados por esses centros de emprego aparece a pedir que lhes escrevam no papel que não se adequam ao emprego para poderem continuar a receber o subsídio.

A pobreza não se combate confundindo aquele que querem trabalhar com o que conclui que mais vale receber subsídios e fazer uns biscates sem recibo do que procurar emprego, tratando por igual aqueles que mandam os filhos para a escolas com o objectivo de se qualificarem com os que permitem que os filhos batam nos professores. Poderão iludir as estatísticas mas acabarão por transformar a pobreza num problema endémico.

Nos últimos dias tenho ouvido alguns burgueses bem instalados da nossa praça, alguns deles coleccionadores de reformas e vencimentos, de avenças e outras fontes fáceis de rendimento virem defender os pobrezinhos por causa do PEC, como era de esperar também apareceu Manuel Alegre. Esse grande patrono dos mais desfavorecidos. Falaram, falaram, falaram, mas nenhum deles discutiu a pobreza ou propôs uma única medida alternativa ao controlo e gestão mais eficaz dos dinheiros que os Estado gasta sob a forma de subsídios. Limitaram-se a fazer a afirmação da sua preocupação genuína com os mais pobres e protestar contra o corte de alguns subsídios.

Enfim, é muito fácil ser de esquerda quando se ganham fortunas no Banco Europeu dos Investimentos, quando se ganham boas reformas sem se terem feito grandes calos ou quando se está de barriga cheia. É muito fácil ser de esquerda com o dinheiro dos outros.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Flores do Jardim Gulbenkian

IMAGEM DO DIA

[Beawiharta-Reuters]

«A child plays in smoke from a fumigation exercise in Jakarta. Dengue fever, which is spread by mosquitoes, is a concern in the region.» [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

Jaime Gama

Parece que para o presidente da AR o facto de os computadores usados pelos deputados serem pagos pelo parlamento isso implica que possam ser alvo do voyeurismo por parte dos fotógrafos, isto é os deputados estão sujeitos a que tudo o que vejam nos seus ecrãs possa ser fotografado e divulgado pelos jornais.

Por outras palavras, Jaime Gama acha que por usarem computadores do parlamento os deputados deixam de ter direito à privacidade, os seus emails, os textos que escrevem, as páginas que visitam podem ser fotografados. É lamentável, muito lamentável, é mesmo uma aberração. Depois da lei da rolha imposta no PSD o presidente do parlamento impõe a lei da falta de privacidade aos deputados.

«O protesto dos deputados aconteceu quando Jaime Gama respondia a uma interpelação do deputado socialista, e presidente do Conselho de Administração da AR, José Lello, que se queixou de os repórteres fotográficos captarem imagens dos ecrãs dos computadores dos deputados, violando a sua privacidade.

O presidente da AR respondeu que os computadores não são pessoais e que há regras para o trabalho dos repórteres, estando ao alcance dos deputados mudarem essas regras se o entenderem. Estas declarações de Gama suscitaram também uma vozearia na bancada do PS. Lello ocupava um lugar na penúltima fila de cadeiras da bancada socialista, mais próxima da galeria onde habitualmente se encontram os fotógrafos.» [Público]

AS PRENDAS DO SUCATEIRO

«Relógios Rolex, canetas Montblanc e Dupont, jarras, fruteiras e decantadores de prata são alguns dos objectos que constam das listas de presentes que o empresário da sucata Manuel Godinho enviaria todos os anos pelo Natal a políticos, gestores de empresas públicas e autarcas. Hoje divugada pelo semário "Sol", a lista inclui o primeiro-ministro José Sócrates, que, em 2004 e em 2006, teria sido presenteado com um decantador de prata, uma caneta Montblanc e um relógio. O gabinete de José Sócrates nega.» [Público]

Já aqui sugeri por mais de uma vez que as prendas a título de Natal ou a propósito de qualquer outro motivo deveriam ser declaradas e tributadas em sede de IRS, não faz sentido que haja quem receba muitos milhares de euros em prendas e que as empresas declarem essa despesa como um custo, isto é, não só os beneficiários nda pagam como acabam por ser os contribuintes a financiar essas prendas de forma indirecta já que vão reduzir os lucros tributados em sede de IRC.

Se algum político português que tenha exercido um alto cargo ou algum alto dirigente da Administração Pública não recebeu prendas que levante o braço! Não acredito que haja um único, se alguém quiser fazer a experiência espere pelo Natal e mande fotógrafos para as entradas dos ministérios, de instituições do Estado ou mesmo de grandes empresas e vão ver quantos estafetas entram com grandes embrulhos, carregados de artigos de luxo, ficando de fora os milhares de prendas entregues com maior discrição.

Perguntem às grandes empresas da distribuição, das telecomunicações ou aos bancos quanto gastam em prendas de Natal e vão ver. Recordo que quando Guterres chegou a primeiro-ministro afirmou em público que ficou espantado com o valor das prendas que eram feitas. Sugiro, por exemplo, que Cavaco Silva divulgue no site da Presidência as prendas que lhe foram oferecidas pelas empresas portuguesas durante estes quatro anos de mandato.

Enfim, todos os pardais comem trigo e só o sucateiro é que paga.

O PSD E O CASO DA GALINHA DECAPITADA

«Ao apanhar com os estilhaços da novela laranja em cartaz, pensei que o diferimento entre a ocorrência da morte e a nossa percepção dela também se aplica aos partidos, e não a galinhas, cobras e D. Sebastião, que mais uma vez faltou à chamada, em Mafra -, onde, ao ouvir na TV o entusiasmo com que os ex-líderes foram recebidos pelos congressistas, finalmente compreendi todo o significado da frase "I see dead people" dita por Haley Joel Osment em O Sexto Sentido, de M. Night Shyamalan.

Tendo a concordar com Santana Lopes quando ele diz que "o PSD está completamente desfeito" e "não tem sido um partido, mas uma casa de ódios". Percebo o pânico de Carreira, o líder do PSD Lisboa, quando avisa: "Temos de travar esta loucura." Acredito em Marcelo quando garante que "o próximo líder não vai durar mais de dois anos". E acho Jardim muito optimista quando admite que "o PSD tem conserto".

O mais provável é que o PSD já esteja morto, tal como a galinha que eu e os meus primos matámos, e a malta ainda não tenha reparado porque, apesar de já não ter cabeça, está a fugir pela rua abaixo, a bater furiosamente as asas.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Jorge Fiel.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

GÉNERO QUÊ?

«No PÚBLICO de anteontem vinha a notícia do "primeiro sem-género do mundo". Norrie May-Walby nasceu rapaz; fez uma operação para mudar de sexo quando tinha 28 anos mas decidiu, logo depois, que não queria ser nem uma coisa nem outra. Quis ser um "neutro" e as autoridades da Austrália, sabiamente, concordaram.

O vergonhoso caso da maneira como se quis reavaliar as proezas da atleta sul-africana Caster Semenya é um sinal recente da profundidade dos nossos preconceitos. Os sul-africanos responderam com justa indignação. Os peritos lembraram que, cientificamente, há centenas de dúvidas (das duradouras, que jamais se poderão resolver) para se determinar se alguém é de um sexo ou de outro.

Somos todos uma mistura. As nossas preferências sexuais são a coisa mais concreta que temos: são como gostos musicais. Gore Vidal tem sido o mais lúcido dos explicadores da pouca importância destes gostos.

As cores são uma descoberta recente, em termos científicos. O "género" (não gosto da tradução portuguesa de gender) é como reduzir os sexos e as sexualidades a branco e preto, com uma terceira e pouca útil hipótese de cinzenta. Corresponde ao indeciso; a quem não é uma coisa nem outra. Nomeadamente: ninguém.

E as cores? Do arco-íris e além? Pelo menos metade do mundo não sabe o que quer ou quem é. Parabéns à Austrália por abdicar do vício de classificar tudo dicotómica e maniqueistamente. Como continua a fazer o resto do mundo, estupidamente. Os neutros defendem-nos a todos.» [Público]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PECADOS DO PEC

«Não posso deixar de pensar que os jornais se enganaram ao afirmarem que o Governo vai gastar mais 400 milhões em eólicas. Essa energia saí caríssima, pagamos todos nós e as nossas empresas ficam em desvantagem competitiva face às do resto do mundo. Deve haver engano, porque o desperdício e o absurdo não pode ser assim tão grande; a culpa é dos jornalistas, certamente.» [Público]

Parecer:

Um artigo de Luís Campos e Cunha que mereceria ser lido não fosse o parágrafo que reproduzo. Para o professor primeiro deveria esperar-se que o crude chegasse aos 300 dólares e só depois se investiria, para além, de fazer mal as contas ao não avaliar os impactos do investimento que está a ser feito e que já são visíveis, como a instalação da fábrica de baterias da Nissan-Renault. Compreendo que o professor continue ressabiado, mas estas coisas da economia merecem ser analisadas com mais rigor, pelo menos quando é um professor de economia que o faz.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Arquive-se.»

UMA SONDAGENM FAVORÁVEL A PASSOS COELHO

«O candidato à liderança do PSD Pedro Passos Coelho mostrou-se hoje "satisfeito" por uma sondagem que lhe dá uma vitória folgada nas directas de 26 de Março, mas sublinhou que ainda falta uma semana de campanha eleitoral.

"Nas sondagens prefiro ir à frente do que ir atrás e fico satisfeito por saber que aparece uma sondagem que me dá essa vantagem", disse Pedro Passos Coelho aos jornalistas no final de um encontro com militantes na sede do PSD da Guarda. » [Jornal de Negócios]

Parecer:

Se a sondagem não tivesse sido feita pela Pitagorica propriedade de um tal Alexandre Picoto que pertence à comissão de honra de Pedro Passos Coelho diria que a eleição deste estava assegurada. Além disso o Sol é um jornal pouco credível, até nos faz suspeitar das exigência da demissão do PGR feitas por Pedro Passos Coelho.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pelos votos dos militantes do PSD, nunca se sabe quantos votos comprou o pequeno Rangel pois como se sabe os "homens de Benfica" estão do seu lado.»

A EQUIDISTÂNCIA DA PRESIDENTE DO PSD

«Manuela Ferreira Leite espera que o próximo líder do PSD «não seja escolhido pelo aspecto físico». Em entrevista à «Antena 1», a ainda líder dos sociais-democratas não quis dizer se vai aceitar convites do próximo presidente, mas espera que este seja eleito pelas ideias e não pelo aspecto. » [Portugal Diário]

Parecer:

Digamos que Manuela Ferreira Leite de subtil nada tem ainda que dizer que o próximo líder do PSD "seja escolhido pelas ideias e não pelo aspecto físico" não abone nada a favor de Paulo Rangel.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Manuela Ferreira Leite que seja mais precisa, que diga, por exemplo 'o cabeçon', aquela coisa horrível, o feiote aquele que olha sempre a 180º, etc..»

A EXPLICAÇÃO MAIS ABERRANTE PARA OS MASSACRES DE SREBRENICA

«As afirmações de um antigo general norte-americano estão a causar polémica. John Sheehan alegou, perante o Senado dos EUA, que a presença de soldados assumidamente homossexuais no exército holandês contribuiu para o massacre de Srebrenica, em 1995, durante o qual mais de sete mil muçulmanos bósnios foram assassinados.
A opinião do ex-comandante da NATO foi expressa durante a discussão sobre o ingresso de militares gays nas forças militares norte-americanas. Aos senadores, Sheehan assegurou que o ex-chefe do Estado Maior holandês lhe confidenciou que a presença de homossexuais entre os militares era vista como 'parte do problema' nos acontecimentos de 1995 em Srebrenica. O antigo general defendeu que houve uma ligação entre a ineficiência dos soldados holandeses e o massacre. »
[Correio da Manhã]

Parecer:

O mais grave é que isto foi dito em pleno século XXI por um general no senado americano. A verdade é que os comandantes holandeses, gays ou não, assobiaram para o ar durante o massacre.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

MAIS UMA APARIÇÃO MARIANA

«A dimensão da investigação, colocada sob a autoridade da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), indica que a dimensão do fenómeno de Medjugorje e seu significado no mundo católico não passam despercebida em Roma (ver entrevista). De facto, é esta a primeira vez na história da Igreja, como referiam ontem publicações católicas, que a CDF investiga um fenómeno de carácter sobrenatural enquanto este ainda decorre. Das seis pessoas que afirmam ter visto e recebido mensagens da Virgem Maria, desde Junho de 1981, duas continuam a relatar visões.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Avizinham-se bons negócios para a igreja na Bósnia, que por acaso é de maioria muçulmana.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Confirme-se se correu alguma aparição em Meca.»

REGIME CUBANO REPRIME DAMA DE BRANCO

«O protesto pacífico de um grupo de mulheres conhecido por Damas de Branco foi anteontem reprimido com alguma violência pelas autoridades cubanas. As manifestantes, que são todas familiares de prisioneiros de consciência, foram insultadas à saída da igreja, em Havana, por duas centenas de militantes pró-governamentais, que gritavam "a rua é de Fidel" e a "a rua é da revolução".

O incidente ocorreu no bairro de Párramo, quando as mulheres iam visitar um preso, deparando--se com um grupo hostil. Como é habitual nos protestos, as Damas de Branco gritaram "liberdade" e a multidão respondia "abaixo a gusanera", expressão que significa "vermes contra-revolucionários". Depois, enquanto os pró-castristas aplaudiam, mulheres polícias colocaram à força as 30 Damas de Branco em autocarros e levaram--nas para casa» [Diário de Notícias]

Parecer:

Isto sim que é uma democracia de esquerda!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proponha-se a Jerónimo de Sousa que seja solidário com os democratas cubanos e se manifeste contra a repressão.»

CORRIDA AO PAGAMENTO DE QUOTAS NO PSD

«Na próxima sexta-feira, dia 26, perto de 79 mil militantes do PSD podem escolher o sucessor de Manuela Ferreira Leite. Nos três últimos dias de pagamento de quotas, liquidaram as contas em atraso com o partido mais de 20 mil militantes.

Fonte de uma das candidaturas à liderança do PSD garantiu ao DN que na segunda-feira estavam pagas apenas cerca de 55 mil quotas. Encerrados os cadernos eleitorais, o saldo do universo de votantes sociais-democratas cresceu para os 78 943. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Outra vez a compra de votos?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao PSD quantos dos seus militantes só aparecem nas eleições.»

PAMELA ANDERSON QUEIXA-SE DE FALTA DE SEXO

«Pamela Anderson sente falta de sexo. A actriz, que está solteira, admitiu ao site Star Pulse que o sexo a faz relaxar.

«Sinto falta de sexo. Ajuda-me a relaxar e eu não estou nada relaxada no momento», afirmou Pamela Anderson, que aceitou participar no reality «Dancing With The Stars» para se distrair dos problemas pessoais.» [Portugal Diário]

Parecer:

Há por aí algum voluntário?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aceitem-se inscrições de voluntários.»

CARRIS FEZ PRESSÕES SOBRE MOTORISTAS

«“Há muitos motoristas que estão ao serviço por via dessas pressões, pois foram informados de que, se aderissem à greve, os seus contratos não seriam renovados”, relatou Manuel Oliveira, do Sindicato Nacional de Motoristas, acrescentando tratar-se de “artifícios” da administração da Carris, os quais eram “já esperados”.Questionado sobre as alegadas pressões por parte da administração da empresa para os trabalhadores não aderirem à greve, o secretário-geral da empresa, Luís Vale, desmentiu as acusações do Sindicato Nacional de Motoristas. “Não corresponde, de todo, à verdade”, garantiu.» [Público]

Parecer:

As greves promovidas pelos sindicatos portugueses ou têm adesões de 100% ou têm apenas 95% devido a pressões dos gestores.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se aos sindicalistas que aceitem aquilo que foi uma evidência para todos os lisboetas, a greve falhou, os motoristas não lhes obedeceram.»

IGORISK

ENPA

sexta-feira, março 19, 2010

Se o PSD fosse uma empresa

Se o PSD fosse uma grande empresa estaria mais mal vista junto das empresas de rating do que a economia portuguesa, aconselharia os investidores a não apostarem nela seguindo os passos dos seus principais accionistas. Quem investiria numa empresa em que “accionistas” como Marcelo Rebelo de Sousa e Rui Rio não investiram, deixando o seu futuro a figuras menores? Quem apostaria numa empresa em que os candidatos à sua liderança nem se dão ao trabalho de saber o que é decidido na sala onde estão sentados?

Se o PSD fosse uma empresa teríamos de concluir que não tinha estratégia para concorrer no mercado, limita-se a esperar que alguma intempérie derrube os seus concorrentes, é uma empresa sem projecto, sem objectivos e sem programa. Alguns dos seus fundadores já nem se dão ao trabalho de participar nas assembleias de accionistas e os que lá vão ou ficam calados ou fazem os discursos da praxe. Nem mesmo os seus quadros mais activos, como Pacheco Pereira, se dão ao trabalho de intervir, limitam-se a esperar pelo fim da assembleia para se porem na fila dos entrevistados pela comunicação social.

O PSD já deixou de ser uma grande empresa com uma estratégia, um programa e a ambição de liderar o mercado, sem liderança perdeu a confiança do mercado, está em desintegração, é como se o Continente tendesse a ser uma cadeia de mercearia. Em dez anos o PSD não produziu uma única ideia nova, não deu à luz uma nova geração de gestores, não renovou a imagem do produto, a sua marca faz lembrar as velhas máquinas de costura Singer.

Se o PSD fosse uma empresa estaria a um passo de ir para a galeria das velhas marcas como a Grundig, a Rover ou a Farinha Amparo, ainda só sobrevive no mercado porque uma geração de líderes que já morreu para a vida política portuguesa insiste não se deixar enterrar. Os actuais candidatos à liderança ou já nasceram velhos ou aparecem apadrinhados pelos habituais cadáveres do PSD.

O PSD é hoje um partido à beira da falência, prisioneiro da longevidade política de um grupo de dirigentes que ainda não percebeu que depois de terem governado, enriquecido e envelhecido devem dar o lugar a uma geração com ideias e ideais novos, não a herdeiros cuja que continuam a sonhar com velhos slogan e que só tiveram a coragem de concorrer à liderança do PSD quando se asseguraram do apoio da velha guarda.

Em dez anos o PSD foi incapaz de atrair jovens, de renovar o seu programa e de se encontrar ideologicamente, preferiu viver da tralha cavaquista, apostou em dirigentes segundo a lógica das apostas em cavalos de corridas e insistiu em disfarçar a coligação de direita que o alimenta sob o disfarce da social-democracia.

Tal como as empresas que não souberam transformar-se e ficaram sem mercado ou foram absorvidas por outras empresas, o PSD arrisca-se também a ser vítima da teimosia cavaquista e deixar de fazer sentido enquanto partido político nacional.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Juvenil de andorinha-das-chaminés [Hirundo rustica] no Jardim Gulbenkian

FOTOS DOS VISITANTES DO JUMENTO

Bichano de Porto Santo (fotografia de J. Realinho)

IMAGEM DO DIA

[Sam Yeh-AFP/Getty Images]

«A woman checks a baby parrot's health at a traditional bird market in Taipei, Taiwan.» [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

João Cravinho

João Cravinho gosta de desempenhar no PS o papel que Pacheco Pereira desempenha no PSD mas com uma grande diferença, quando Pacheco Pereira era crítico de Santana Lopes recusou um cargo de embaixador da Unesco. Pelo contrário, João Cravinho aceitou um cargo ainda melhor remunerado do que o da Unesco e vem a Lisboa com as viagens pagas pelo BEI falar mal de Sócrates. Que bom que é ser de esquerda com a barriga cheia e as viagens pagas em classe executiva!

A verdade é que se João Cravinho é administrador do BEI a Sócrates o deve, sem as vitórias eleitorais de Sócrates João Cravinho seria um modesto deputado da oposição.

«João Cravinho não gostou do PEC e disse-o claramente ontem no seu espaço de opinião na Rádio Renascença (RR) – “Edição da noite”, emitido às quartas-feiras- “O PS entrou numa deriva à direita que vai ser muito difícil fazê-la regressar sem que haja grandes alterações na própria direcção do PS”, afirmou ex-ministro das Obras Públicas, salientando que apenas “grandes alterações” na actual direcção socialista poderão acabar com a “a deriva à direita”.» [Diário de Notícias]

Em Portugal é um hábito nacional morder na mão que nos dá de comer....

PEC: BOM OU MAU?

Anda por aí muita gente, da extrema-esquerda à direita, a zurzir contra o PEC, uns porque receiam a recessão, outros porque consideram que a dívida pública e o défice são excelentes indicadores de socialismo.

É evidente que analisado de uma forma simplista, um pouco à Belmiro de Azevedo que analisa o estado da economia portuguesa nas caixas registadoras do Continente, o PEC anuncia contracção do consumo e, por essa via, uma redução da actividade económica. Mas é o investimento privado e não o investimento público que promove as exportações e cria emprego sustentável.

Sem a confiança internacional na economia portuguesa e na seriedade da política económica adoptada pelo governo, seja ele qual for, dificilmente se poderá promover o investimento privado, nacional ou internacional. As opiniões positivas de organizações como a OCDE e o FMI são fundamentais para reforçar a confiança internacional na economia portuguesa e atrair o investimento estrangeiro.

Não estou tão certo de que o PEC trará a estagnação económica como muitos anunciam.

OS JUÍZES SÃO MELHORES DO QUE OS OUTROS PORTUGUESES?

«O relatório do Conselho Superior da Magistratura hoje entregue ao presidente do Parlamento indica que, no ano passado, 61 juízes obtiveram classificação de "Muito Bom", 86 de "Bom com Distinção", 85 de "Bom", oito de "Suficiente", não havendo nenhum com a classificação de "Medíocre".» [Jornal de Notícias]

Não há nenhum sector da sociedade portuguesa, sejam empresas, instituições ou grupos profissionais, onde metade sejam muito bons e a outra metade bons com distinção. Se assim fosse Portugal estaria a discutir os primeiros lugares a todos os níveis.

A classificação dos juízes, os responsáveis pelos tais tribunais que fazem uma justiça jurássica, onde quase é necessário fazer a prova de vida dos arguidos e das testemunhas antes de iniciar um julgamento é, no mínimo, ridícula.

A "PADROFILIA"


«D. Carlos Azevedo, bispo auxiliar de Lisboa, sem rodeios, condena os padres que cometeram abusos sexuais a menores.

Em conversa com a Lusa afirmou que estes «são crimes que envergonham» a Igreja católica. E, com o dedo na ferida, diz que «a primeira atitude: enfrentar os casos que surgem com frontalidade, depois de se ter muita atenção àqueles que foram vítimas». » [Portugal Diário]

Agora que o papa receia que o escândalo lhe manche a sotaina e foi forçado a sair da tradicional posição de encobrimento da pedofilia praticada por padres, muitas vezes a coberto das paredes dos templo, os nossos eclesiásticos encheram-se de coragem e de preocupação com tema e desdobram-se em declarações e entrevistas a condenar a "padrofilia".

É uma pena que quando se deu o escândalo do padre Frederico, de que se dizia ser um protegido do bispo do Porto, tenham optado pelo silêncio esperando que a fuga do eclesiástico para o Brasil o assunto fosse dado por esquecido e encerrado. Mas o escândalo rebentou noutras paragens e anda no ar o receio de que algumas vítimas portuguesas da "padrofilia" tenha a coragem que tiveram outras vítimas na Irlanda, Suíça, Itália, Alemanha, Espanha, Brasil ou Chile.

NOME DE RUA: VIVO OU MORTO

«Dar o nome de alguém a uma rua é uma homenagem. Um conjunto de deputados quer legislar essa homenagem, proibindo-a a pessoas vivas - a discussão vai ao Parlamento. Resumo o projecto de lei: está vivo, não tem nome de rua. A coisa tem uma vantagem rara, quase nunca um projecto de lei se explica numa linha. O problema é que é uma linha a mais. Os deputados que projectaram a lei demonstram que estão vivos, mas não é por isso que eu lhes negaria o nome de um beco. É porque trabalharam mal - fartos de leis para mostrar serviço andamos nós. Por outro lado, uma lei que, por exemplo, proibisse leis parvas devia dar ao seu autor o direito a uma tabuleta numa larga avenida com árvores - e longa vida tivesse esse deputado! Um feito raro deve ser assinalado com uma honra para poucos, que é o que é um nome de rua. Sei o que preocupa os legisladores do tal projecto proibição: é haver tanta gente a apropriar-se de lápide pública indevidamente. Mas estar vivo ou morto o que tem a ver com o assunto? Se calhar há mais mortos indignos do que vivos. E uma lápide em vida carrega uma justiça imanente que um mal homenageado morto nunca conhecerá e um vivo pode conhecer (bem feito!): tanto se dá um nome a rua como se tira. Por favor, senhores deputados: deixem o mercado das homenagens funcionar.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O PEC E O CRESCIMENTO


«Entendo que face à gravidade da crise que vivemos, que obriga a conciliar uma estratégia de crescimento económico com uma política de consolidação orçamental num período de quatro anos, o Governo não tinha outra alternativa que não fosse a que adoptou, ou seja, a de apostar num forte corte da despesa pública em vez de provocar um aumento da receita pública pela via de um aumento de impostos.

Fazendo-o o Governo mantém o ambiente fiscal relativamente inalterado do lado da oferta e, por outro lado, procura estimular o consumo ao não aumentar os impostos indirectos, os únicos impostos em que a meu ver o Governo poderia mexer. Também me parece correcta a opção de distribuir por todos os "sacrifícios" pedidos à população, afectando mais a classe média, o que seria inevitável dado ser ela hoje - e ainda bem - o segmento populacional mais relevante e em crescimento.» [Diário Económico]

Parecer:

Por Fernando Murteira Nabo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PJ INVESTIGA PJ

«A Polícia Judiciária fez buscas nas suas próprias instalações, na Unidade Nacional de Combate à Corrupção, avança a edição on-line da revista 'Sábado'. O objectivo seria perceber quem forneceu ao antigo ministro, deputado do PS e administrador do Millenium BCP, Armando Vara, documentos que estão em segredo de justiça sobre o caso Banif-Angola.

Os referidos documentos foram encontrados numa gaveta, durante as buscas à casa e ao gabinete do antigo administrador do Millenium BCP, no âmbito do Processo Face Oculta. De acordo com a 'Sábado' as buscas que aconteceram na passada semana, foram lideradas pelo juíz Tribunal Central de Investigação Criminal, Carlos Alexandre, e pelo director da Judiciária de Lisboa, José Bráz.» [Correio da Manhã]

Parecer:

O melhor é colocar todos os portugueses sob escuta à nascença.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proponha-se.»

QUE BOM QUE É SER DE ESQUERDA COM A BARRIGA CHEIA

«João Cravinho não gostou do PEC e disse-o claramente ontem no seu espaço de opinião na Rádio Renascença (RR) – “Edição da noite”, emitido às quartas-feiras- “O PS entrou numa deriva à direita que vai ser muito difícil fazê-la regressar sem que haja grandes alterações na própria direcção do PS”, afirmou ex-ministro das Obras Públicas, salientando que apenas “grandes alterações” na actual direcção socialista poderão acabar com a “a deriva à direita”.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Esta visão pré-histórica de que mais Estado significa mais esquerda é ridícula no século XXI, é uma herança dos tempos em que a estatização significava socialismo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Recorde-se a Cravinho que a extrema-direita portuguesa tem em comum com ele uma visão estatizante da sociedade e não é por isso que é de esquerda.»

QUE SORTE A NOSSA, EM PORTUGAL NÃO HÁ JUÍZES MEDÍOCRES

«O relatório do CSM entregue a Jaime Gama pelo presidente e vice-presidente do CSM, conselheiros Noronha Nascimento e Ferreira Girão, regista também 58 juízes com classificações pendentes.

Em matéria de classificações dos juízes no âmbito das inspeções realizadas, entre 2005 e 2009 houve apenas 10 juízes classificados com "Medíocre": cinco em 2005, dois em 2006, dois em 2007, um em 2008 e nenhum em 2009.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Pois, são todos bons.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Elogie-se o desempenho brilhante dos nossos magistrados, se fossem médicos estaríamos todos curados.»

GRADUADO DA PSP FOI TRATAR DOS PAPÉIS ÀS CINCO DA MANHÃ?

«No momento que a Equipa de Intervenção Rápida (EIR) da PSP do Calvário começou a perseguir o rapper MC Snake, o graduado que comanda a equipa e dá ordem de fogo tinha ido à esquadra. Toda a acção policial, que começou nas Docas de Alcântara e terminou na Radial de Benfica, em Lisboa, foi feita sem a presença do graduado. O chefe deverá ser ouvido nos processos de averiguações entretanto abertos pela PSP e pela Inspecção-Geral da Administração Interna, tal como todos os outros elementos policiais que participaram na perseguição.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Enfim, é um graduado português.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

FERNANDO LIMA NA COMISSÃO DE ÉTICA?

« Se o PS mantiver na sua lista de audições o nome dos jornalistas do Público Tolentino de Nóbrega e Luciano Alvarez, o Bloco de Esquerda também não abdica da audição de Fernando Lima, ex-assessor de imprensa de Cavaco Silva. Este foi um dos aspectos que ficou por resolver depois da reunião de ontem da Comissão de Ética que está a avaliar a liberdade de expressão. Apesar do consenso generalizado entre os partidos para reduzir a lista de nomes a menos de 20, só hoje, após nova reunião da comissão, será conhecida a lista final de pessoas a ouvir . O objectivo é acabar os trabalhos antes do final de Maio, para não se prolongar para além da Comissão Parlamentar de Inquérito. Da lista inicial, o PS riscou ontem 12 nomes e juntou três: o ex- -ministro Morais Sarmento, o ex-proprietário da TVI Miguel Pais do Amaral e o jornalista João Pacheco.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Seria muito interessante.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Também seria muito interessante chamar Cavaco Silva à Comissão de Inquérito para o questionar sobre a sua intervenção pública sobre um negócio entre empresas privadas da qual resultou um benefício competitivo para o operador que passou à frente da PT na compra da TVI.»

EMPRESAS DE RATING PROCESSADAS NOS EUA

«Os países europeus podem também ter argumentos válidos para processar as agências de notação financeira ("rating"), segundo o procurador do estado norte-americano do Connecticut, que na semana passada accionou judicialmente a Moody´s e a S&P.

Estas duas agências, afirmou Richard Blumenthal à Lusa, "conscientemente mentiram ao público e fizeram-no pois isso permitia-lhes obter lucros".

Os "danos" que causaram "certamente que não se limitam aos investigadores e outros participantes do mercado que operam nos Estados Unidos", disse Blumenthal.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Tudo leva a querer que as empresas de rating promoveram a especulação.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Estude-se a hipótese de ter havido promoção deliberada a especulação por parte das empresas de rating.»

PORTUGAL SOBE NA INOVAÇÃO

«Portugal subiu uma posição no ranking europeu de inovação, ocupando a 16.ª posição na escala divulgada ontem pelo European Innovation Scoreboard 2009, em Bruxelas, que avaliou os 27 Estados membros da UE. Para Carlos Zorrinho, secretário de Estado da Energia e Inovação, é importante a aposta na formação dos recursos humanos, que valeram a Portugal este resultado. "Portugal foi o segundo país que mais progrediu na formação dos seus recursos humanos. É evidente que partimos de uma base baixa, mas continuamos a subir muito rapidamente", afirmou, acrescentando que Portugal é o país que apresenta "o mais alto indicador em termos do número de doutorados por mil habitantes". "Fomos também o segundo país com maior investimento das empresas, sendo o primeiro país em termos de investimento de empresas em investigação e desenvolvimento (I&D)". O secretário de Estado da Inovação realçou ainda "o facto de sermos, nos últimos cinco anos, o sétimo pais que mais subiu neste ranking e de, mais uma vez, termos ultrapassado países como a Noruega e a Espanha. Para o futuro, Zorrinho sonha chegar mais alto: "Estamos na classe dos inovadores moderados. A próxima etapa é passarmos para os chamados followers e apostar nas áreas críticas para nós - na I&D, na capacidade dos recursos humanos, na capacidade das empresas apostarem em inovação." De acordo com o relatório, Portugal foi o país europeu que mais progrediu no indicador relativo à despesa das empresas em I&D, o segundo no registo de patentes e o quarto país na UE27 que mais progrediu no grupo de indicadores relativos aos efeitos económicos de inovação.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Esta é uma daquelas notícias a quem ninguém presta atenção.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Cavaco Silva, talvez o ajude a andar menos preocupado.»

FMI TAMBÉM APROVA O PEC

«O Fundo Monetário Internacional fez hoje saber que considera o PEC português "bastante apropriado" para fazer descer o défice.

"A nossa equipa ainda não teve tempo de discutir detalhadamente o plano com as autoridades [portuguesas], mas o documento parece bastante apropriado", afirmou Caroline Atkinson, porta-voz do FMI, citada pela Reuters.» [Diário Económico]

Parecer:

Já só falta o próximo líder do PSD, mas esse ainda não se sabe quem vai ser.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

TRABALHADORES DA TAP PROTESTAM CONTRA PILOTOS

«Algumas centenas de trabalhadores da companhia aérea juntaram-se hoje em frente às instalações da empresa numa manifestação silenciosa contra a greve dos pilotos.

O protesto foi convocado nos últimos dias por e-mails anónimos que circularam na companhia e juntou algumas centenas de funcionários da TAP junto ao edifício 27 das instalações da transportadora aérea.Para a mesma hora tinha sido convocada uma manifestação contra a administração em frente ao edifício onde trabalha a equipa liderada por Fernando Pinto.» [Diário Económico]

Parecer:

Depois de tanta greve é natural que os trabalhadores da TAP se comecem a fartar de que sejam os que mais ganham que andem a brincar com a viabilidade da empresa.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proceda-se quanto antes à privatização da TAP, depois veremos quantas greves fazem os pilotos.»

CASO BPN JÁ TEM "BOI DA PIRANHA"

«José de Oliveira Costa, antigo presidente do Banco Português de Negócios (BPN), vai ser julgado pelos sete crimes de que está acusado no primeiro processo relativo à instituição financeira em que está acusado e que motivou a sua prisão preventiva em Novembro de 2008.

Como não pediu a abertura da instrução do processo, ao contrário da maioria dos 24 arguidos que hoje saberão se serão julgados pelos crimes de que são acusados, o antigo banqueiro já sabe que vai a julgamento, adiantou fonte judicial ao Negócios.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Enquanto as piranhas vão comendo o Oliveira e Costa todos os outros gatunos do BPN podem atravessar o rio tranquilamente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se aos investigadores se os lucros da família Silva nos negócios de acções foram contabilizados como negócio ruinoso ou fraudulento de Oliveira e Costa.»

MORAIS SARMENTO DEFENDE LEI DA ROLHA

«O presidente do Conselho de Jurisdição do PSD, Morais Sarmento, defende que a "lei da rolha" deve ser mantida, e não vê razões que justifiquem a discussão que o assunto está a gerar, dentro e fora do partido: "Pedir que o recreio se interrompa por 60 dias não parece que seja excessivo". A norma, aprovada no último congresso dos sociais-democratas, enfatizou, mais não pretende do que evitar o "tiro ao líder" antes das eleições.» [Público]

Parecer:

Há quem chame liberdade de expressão à política de recreio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Morais Sarmento se a sua boca do mau hálito não é recreio.»

EUGENE BALYUBAH


BRASIL - SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE