sábado, março 27, 2010

A vitória de Pedro Passos Coelho, comentários avulsos

A grande derrotada foi Manuela Ferreira Leite que foi incapaz de manter a distância e se não disse quem apoiava, disse claramente quem não queria ver vencer as directas ao sugerir aos militantes que não votassem pelo aspecto. Depois de ter saneado Pedro Passos Coelho das listas de candidatos a deputados resta agora a Manuela Ferreira Leite ser coerente e abdicar do seu estatuto de deputada, alguém que usa o estatuto de líder para sanear os adversários deve ter a dignidade de abandonar o parlamento quando esses adversários a substituem na liderança.

Outro grande derrotado nestas directas foi Alberto João Jardim que apostou tudo em Paulo Rangel depois de ter aproveitado um discurso mal escrito para fazer uma cena pouco elegante no congresso. Mas com a postura habitual de Alberto João é mais fácil ter um candidato que não se aprecia, até porque o líder do PSD madeirense está agora mais interessado no seu namoro com Sócrates.

A vitória de Pedro Passos Coelho significa que os militantes do PSD continuam em busca da poção mágica ou da arca perdida onde está a chave do poder, depois de imitarem o PS com a adopção das directas como método de escolha da liderança foram votar num candidato cuja grande qualidade parece ser as semelhanças com José Sócrates. A vitória de Pedro Passos Coelho acaba por ser a vitória de José Sócrates.

Com a saída de Ferreira Leite é um aposentado na liderança de um grande partido, se não fosse a tradição geriátrica do PCP os grandes partidos teriam acertado o passo com este século. É evidente que pode-se ser jovem com muita idade, assim como pode suceder o inverso de que Paulo Rangel, o candidato do cavaquismo oficial à liderança do PSD tem todo o ar de já ter nascido velho e candidatou-se com o estatuto de Manuela Ferreira Leite de calças e sem a posta do meio.

Pedro Passos Coelho representa uma grande inovação na forma de ascender na vida política, é o primeiro líder político patrocinado, neste caso por Ângelo Correia. Talvez não seja o primeiro nestas circunstâncias, nos seus antecessores havia quem tivesse sido patrocinado por um grande banco, mas soube disfarçar melhor.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Alfama, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Scott Olson/Getty Images]

«FLOODED FARM: A farm is isolated by flood water near Fargo, N.D., on Monday. » [The Wall Street Journal]

A MENTIRA DO DIA

O próximo a ser crucificado.

JUMENTO DO DIA


Manuel Alegre

Talvez por já ter percebido que não será Presidendente da República o candidato do Bloco de Esquerda voltou à sua velha estratégia de dar nas vistas à custa do governo do seu partido, ainda não percebeu que quando fala mal do PS consegue projecção mediática não pela qualidade do que diz mas sim porque é um petisco para a comunicação social.

Desta vez Manuel Alegre introduziu um tema novo no seu discurso de candidato, parece que sentiu a necessidade de mostrar aos eleitores que sabe qual o papel de um Presidente da República. Enfim, nada mau para quem é candidato pela segunda vez.

«“Sei bem que em Portugal a função do Presidente não é governar” nem “para derrubar governos”, disse Alegre aludindo ao ministro da Presidência, que no passado domingo criticou o candidatou por ter atacado medidas do PEC. "Uma coisa é a função de um Presidente da República e outra coisa é governar. O que nós [PS] dizemos é que não cabe a um Presidente da República ter um programa alternativo de governação", disse Pedro Silva Pereira.

Mas a função do Presidente, insistiu Alegre, “também não é para fazer o discurso do governo”, prometendo que o seu será sempre “autónomo, responsável, independente e livre”. Porque é sua convicção que o chefe de Estado “pode fazer a diferença e ser um factor de mudança. Pode até ser uma alternativa”. Não de Governo, insistiu, “mas de atitude, de pensamento, de visão de Portugal”, que “não reduza a Nação apenas à economia”.“O Presidente não governa”, concorda Alegre, “mas pode e deve propor um debate nacional que permita a Portugal sair da crise em que se encontra.” Mais: “Cabe-lhe convocar o país para as reflexões sobre indecisões e contradições.”» [Público]

UMA MÚSICA PARA MANUELA FERREIRA LEITE


A PERGUNTA QUE NÃO FIZERAM NA COMISSÃO DE ÉTICA

Nenhum deputado perguntou aos donos dos jornais que dão prejuízo, como o "Público" ou o "i", porque razão mantinham publicações permanentemente deficitárias, se era para as usar em função dos interesses dos grupos económicos a que pertencem ou por generosidade para com a democracia e a liberdade de imprensa.

Os donos de alguns destes jornais destacam-se pela defesa do liberalismo e pelas críticas à existência de empresas públicas deficitárias.

O PSD E O PEC

Um partido cujas decisões não são respeitadas pelos futuros líderes não é um partido. é um grupo excursionista, quando muda oi chefe muda o itinerário. O incrível é ver gente como Marques Mendes a aceitar esta lógica e questionar o futuro do PEC em consequência da mudança da liderança do PSD.

Gente responsável só tinha uma coisa a dizer, perante assuntos de tão grande importância os compromissos são para valer independentemente da liderança. É assim que se comportam as pessoas responsáveis.

FREEPORT: DEPOIS DE LONDRES A GRÉCIA

A única coisa que conseguimos ficar a conhecer com estas investigações são os destinos turísticos preferidos da nossa magistratura.

FOI GUERRA JUNQUEIRO QUE O DISSE, EM 1896

"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro.

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar."

UMA PERGUNTA AO JORNAL "i"

Será que o grandes repórter Paulo Pinto Mascarenhas, grande repórter do tal jornal que está à venda por um cêntimo, vai conseguir identificar e denunciar na primeira página o autor ou autores da substituição da Bandeira Nacional pela bandeira do Dr. Duarte no Parque Eduardo VII?

Já que o jornal se dedica à bufaria então que o faça em relação aos que assaltam autarquias e anda a brincar com o país?

«A bandeira nacional hasteada no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa, foi hoje substituída por uma bandeira monárquica de grandes dimensões, à semelhança daquela que se encontrava no local.» [DN]

PROFESSORES ENFRAQUECIDOS

«Os efeitos mais nocivos da reforma da educação do Governo foram a desautorização dos professores e a violência escolar. Os professores, os auxiliares e os alunos sentem na pele essa política quando são agredidos verbal e até fisicamente.» [DN]

Parecer:

O mínimo que se pode dizer deste artigo de opinião de Paulo Pinto de Albuquerque é que ou o autor esteve muitos anos no estrangeiro, o tem um grave problema de memória ou não hesita em partir de premissas erradas para expor opiniões que só são sustentáveis nessas falsas premissas. Qualquer pessoa deste país sabe que a perda de autoridade dos professores deste país tem décadas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Arquive-se e sugira-se a Paulo Pinto de Albuquerque que seja mais rigoroso na forma como analisa a realidade ou que tome umas pastilhas para a memória.»

MEIAS TINTAS PARA COISA SÉRIA

«O filme Estado de Guerra, com vários Óscares, explica-nos (mas julgo que essa não era a intenção da realizadora) a maior das razões para a Guerra do Iraque se ter deixado arrastar. O filme conta o quotidiano de uma equipa de minas americana em Bagdade. O trabalho dela é desarmadilhar as bombas que os terroristas espalham na cidade. Às dificuldades próprias daquele trabalho infernal junta-se um certo espírito dos combatentes americanos que inibe o sucesso. O filme abre com a morte do chefe da equipa quando um comerciante, mirone da acção de neutralizar uma bomba, a acciona por telemóvel. Dias depois, a mesma equipa, com novo chefe, está a desarmadilhar bombas num carro perto de uma escola. Deve ser uma tensão terrível estar debruçado sobre a morte, dependente de um pequenino gesto errado. Pois a equipa, além das bombas, passa minutos preocupada com um barbudo que, de uma varanda, filma e telefona (ver a cena inicial...), apesar dos gestos que os soldados lhe fazem. Só gestos, não um tiro. Esquisita é a guerra - e perdedora - quando não se assume como guerra. Pareceu-me ver o filme, ontem, na discussão do PEC no Parlamento. A equipa - Governo e oposição - que quer desarmadilhar a crise, ainda não percebeu que o que tem de ser feito, tem de ser feito. Na guerra não se brinca.» [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O ESTRANHO CASO DA MORADA FALSA

«É um escândalo, tanto mais que viagens para Paris em executiva custam um dinheirão (agora não me lembra quanto, mas é uma fortuna, já vi escrito num jornal), e claro que alguém com sentido de justiça o denunciou e agora a Assembleia da República anda há meses a remoer o assunto, com o respectivo conselho de administração a pedir relatórios aos serviços e a remeter o assunto para o presidente Jaime Gama, que o mandou para trás (ou seja, recusou decidir), levando o conselho de administração a pedir um parecer jurídico. Ora se a deputada enganou a República, com a activa cumplicidade do PS, que pode haver para decidir? De que raio está Gama à espera para admoestar o partido e a burlona? Não será mesmo isto um caso de polícia - falsificação de documentos, e assim?

A não ser, espera, que Inês de Medeiros não tenha dado uma morada falsa. Que o seu dossier de candidatura diga, claramente, no local de residência, "Paris, França" - aliás à imagem do seu BI, emitido em 6 de Dezembro de 2005. E que a decisão de candidatar uma portuguesa residente em Paris pelo círculo de Lisboa tenha - obviamente - sido do partido que a convidou, que como os outros partidos candidata residentes nos Açores para o círculo de Bragança e terá considerado que a residência num país do espaço de livre circulação europeu não limita os direitos de cidadania nem restringe as possibilidades de representação política. E que a existir uma limitação ela teria sido, decerto, detectada e apreciada aquando da submissão da candidatura aos serviços competentes. Ou não? » [DN]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

SOL VOLTA AO ATAQUE

«As conversas do primeiro-ministro com Armando Vara – que deram origem à extracção de certidões do processo Face Oculta por, segundo o procurador e o juiz de instrução de Aveiro, existirem «indícios muito fortes» de atentado contra o Estado de Direito, com tentativa de controlo dos media – a partir de determinado momento passaram a ser cifradas.

Conforme o SOL já noticiou, os investigadores do processo suspeitam que, nos últimos dias de Junho do ano passado, os arguidos terão sido informados de que estavam a ser escutados e passaram a usar outros telefones. » [Sol]

Parecer:

Esta notícia não é mais do que um sinal de que o Sol está em dificuldades financeiras e o seu director decidiu pôr o primeiro-ministro a render como se fosse uma prostituta exclusiva do semanário.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao director do Sol qual o prejuízo mensal do seu semanário.»

PAPA PODE TER ENCOBERTO PADRE PEDÓFILO


«Bento XVI poderá, nos anos 90, ter encoberto caso de pedofilia numa escola para crianças surdas. Vaticano explicou que, na altura, o padre envolvido no escândalo não foi castigado porque "já tinham passado 20 anos e o religioso estava muito doente".

Ainda no rescaldo do pedido de desculpas do Papa aos cristãos irlandeses pelos casos de abusos sexuais de menores em instituições da Igreja Católica, o Vaticano está novamente a ser alvo de acusações polémicas. De acordo com documentos analisados pelo News York Times, Bento XVI terá, antes de se tornar Papa, encoberto um caso de pedofilia que envolve um padre norte-americano.» [DN]

Parecer:

É cada vez mais evidente que a Igreja protegeu e encobriu os padres pedófilos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Evite-se o contacto de crianças com os padres durante a visita do papa a Lisboa.»

PRESIDENTE DA CE DIZ QUE SITUAÇÃO DE PORTUGAL E DA GRÉCIA SÃO DIFERENTES


«O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, defendeu, em Bruxelas, que a situação de Portugal e da Grécia "não são de todo comparáveis" e que os mercados financeiros sabem disso e estão fazer a distinção.

"As situações não são de todo comparáveis e os mercados sabem disso e dar-se-ão conta ainda mais nos próximos dias", disse Rompuy, no final do primeiro dia do Conselho Europeu de Bruxelas.» [DN]

Parecer:

O problema é que ninguém conhece o senhor.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Alguém sabe quem é o senhor Herman Van Rompuy?»

NEM MOTA AMARAL CONCORDA COM O PSD

«O pedido de documentos judiciais relacionados com o processo "Face Oculta" no âmbito da Comissão de Inquérito (CPI) ao negócio PT/TVI está a criar divisão no PSD. Segundo o DN apurou junto de deputados de diferentes cores partidárias - que estiveram ontem na reunião da comissão que decorreu à porta fechada -, o próprio presidente da CPI, João Bosco Mota Amaral, mostrou-se contra os pedidos do seu partido que quer aceder a despachos do procurador-geral da República (PGR), da Polícia Judiciária, do presidente do Supremo Tribunal de Justiça e até a certidões que contêm escutas ao primeiro-ministro. » [DN]

Parecer:

Além de um golpe baixo tudo isto é uma velhacaria que apenas serve para aproveitar os resultados de uma tentativa de golpe de estado promovida por fascistas que promoveram a divulgação das escutas ilegais a Sócrates.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

O CASO FREEPORT LÁ SE VAI ARRASTANDO

«Os arguidos do caso Freeport estão a ser chamados pelo Ministério Público para uma nova ronda de interrogatórios, confirmou o DN junto de fonte ligada ao processo. Os procuradores Vítor Magalhães e Paes de Faria pretendem confrontar os suspeitos com novos dados que vieram de Inglaterra. Mas, ao que o DN apurou, a maioria dos sete arguidos constituídos optou pelo silêncio. Isto numa altura em que os magistrados que conduzem a investigação depararam-se com uma nova pista: movimentações financeiras que terão passado pela Grécia.

Esta nova informação junta-se a outras que já constam do processo e que têm a ver, segundo um relatório da Polícia Judiciária de Março de 2009, com movimentos financeiros de "milhões de euros por paraísos fiscais", que as autoridades têm investigado. "A investigação apenas seguiu o rasto do dinheiro não declarado", segundo o mesmo documento. Só assim é que os investigadores poderiam apurar se houve ou não pagamentos ilícitos feitos durante a fase de aprovação do outlet de Alcochete.» [DN]

Parecer:

Como convém.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelas próximas legislativas para se saber de mais novidades.»

CUIDADO COM O QUE SE ESCREVE NO FACEBOOK

«O presidente de uma consultora norte-americana andava à procura de um estagiário e decidiu consultar o Facebook para saber mais sobre um candidato que parecia promissor. Acabadinho de se licenciar pela Universidade do Illinois, o jovem descrevia os seus maiores interesses como sendo "fumar ganzas", "disparar sobre pessoas" e "sexo obsessivo". Tudo, é claro, no mais puro calão norte-americano. Resultado: o presidente da consultora deitou o currículo para o lixo. » [i]

Parecer:

É um risco que se corre.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Divulgue-se.»

O PRÍNCIPE FEZ ANOS

«Uma bandeira monárquica gigantesca foi hasteada no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa, durante a última noite, mas já foi retirada. A acção foi reivindicada por um grupo denominado «Carbonara - Movimento Monárquico para as Massas» e terá servido para festejar o 14º aniversário de Dom Afonso de Santa Maria de Herédia de Bragança, filho primogénito de D. Duarte Pio e considerado príncipe da Beira e Duque de Barcelos, para além de herdeiro da Casa Real portuguesa. » [Portugal Diário]

Parecer:

Ridículo, estes monárquicos ainda acham que os portugueses querem saber do Dom Afonso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Catem-se os parabéns ao rebento.»

VARA GANHOU MEIO MILHÃO EM 2009

«Os administradores executivos do BCP auferiram em 2009 um total de 3,6 milhões de euros. Os dados constam do relatório publicado esta sexta-feira pelo banco no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). » [Portugal Diário]

Parecer:

E corrompeu-se por dez mil euros como pretendem os magistrados?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a devida gargalhada.»

PAPA EMBRULHADO NA PEDOFILIA

«Joseph Ratzinger, então arcebispo de Munique, acompanhou o caso do padre pedófilo na Alemanha mais de perto do que se vinha a pensar, segundo o diário norte-americano "New York Times" de hoje.

Na Alemanha, o jornalista da revista alemã "Der Spiegel" que tem seguido o caso perguntava, num artigo de opinião, “quando é altura de um Papa se demitir?”. “Com a sua autoridade a diminuir, como é que se mantém no cargo”, questiona Peter Wensierski. » [Público]

Parecer:

O silêncio da igreja só foi possível com a conivência de muitos dos seus bispos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Questione-se o papa se a resignação é uma hipótese.»

ANDREW LUCAS



NOÉ: SAVE DE EARTH

sexta-feira, março 26, 2010

Se votasse nas directas do PSD

Com o debate entre os candidatos à liderança do PSD centrado em saber qual o preferido pelo PSD para que os militantes votassem no menos desejado optei por não tomar posição, não fosse O Jumento ficar famoso ao ser usado como argumento para chumbarem um dos candidatos.

Confesso que tinha uma preferência e que ela resultava na necessidade de uma oposição minimamente competente, mas ao longo da campanha fiquei com dúvidas. Pedro Passos Coelho apresentou-se como a candidatura mais consistente mas ao longo dos debates foi evidenciando uma grande fragilidade na sua argumentação, Aguiar-Brancco exibiu um sentido de Estado que os outros candidatos não têm. Paulo Rangel mostrou ser aquilo que é, uma marioneta dos cavaquistas que tentam sobreviver ainda que sabendo que o eleitorado os rejeita.

Ainda que o PSD se empolgue em público a verdade é que os militantes do PSD com quem falei e independentemente do candidato que apoiam não acreditam que sejam uma alternativa credível a José Sócrates. Aliás, quem assistiu aos debates tirou essa conclusão, Aguiar Branco é pobre, Paulo Rangel aquilo a que os chineses designam por “tigre de papel” de Pedro Passos Coelho demonstrou não ter aproveitado o tempo de que dispôs para estudar os dossiers.

Se o congresso deu uma péssima imagem daquilo que é hoje o PSD, caindo no ridículo com a aprovação da lei da rolha, a campanha feita pelos candidatos e, em particular, os debates que realizaram serviram apenas para evidenciar a fragilidade das candidaturas, estou convencido que no passado já houve melhores candidaturas à liderança da JSD.

Mais parecia que os candidatos estavam numa feira, indo de barraca em barraca de jogos, a maior parte do tempo divertiram-se a atirar bolas de trapo ao boneco José Sócrates, cada um exibia-se como o mais capaz de esmurrar o primeiro-ministro. Em vez de apresentarem projectos tentaram convencer os militantes do PSD convencendo-os que eram os que mais detestavam, o primeiro-ministro. O único ganhador desta disputa acabou por ser José Sócrates, se tudo fizeram para mostrar que eram os mais capazes de o atacar ficou evidente que qualquer um deles não dispõe de capacidade técnica ou intelectual para enfrentar o líder do PS.

A forma pouco séria como Paulo Rangel abandonou Estrasburgo de um dia para o outro para se antecipar a Aguiar-Branco, os pequenos golpes baixos desferidos ao líder parlamentar e a sugestão de Manuela Ferreira Leite para que os militantes não votem no mais bonito mostram o baixo nível desta disputa política, sendo evidente a falta de qualidade que resta do cavaquismo.

Se pudesse votar nas directas do PSD o mais provável seria abster-me, os três candidatos não só são fracos como todos juntos não davam um.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Janelas em Belém, Lisboa

IMAGEM DO DIA

Photobucket

[Madaree Tohlala-AFP/Getty Images]

«Thai villagers hang their birds up as they gather for a bird-singing contest in the southern Thai province of Narathiwat. Thousands of bird owners from Thailand and neighboring Malaysia took part in the one-day bird-singing contest. » [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

António Costa e José Sá Fernandes

O agitprop promovido pelo Zé nos tempos em que era vedeta da extrema-esquerda ficou-nos por 18,1 milhões de euros, montante que os lisboetas vão ter de pagar pelas suas providências cautelares que apenas tiveram como consequência a sua fama e o atraso das obras. Só não nos ficou mais caro porque muitos comerciantes da zona optaram por suportar os prejuízos que lhes foram infligidos, se Portugal lhes proporcionasse as mesmas facilidades com que o Zé andou a brincar à cidadania a factura seria bem maior.

Portanto, o Zé é o político mais caro do país, a sua ascensão ao estrelato político custou 18,1 milhões de euros aos contribuintes, mais um pouco e um vereador de Lisboa custava mais do que o Presidente dos EUA.

Nos últimos dias a CML tem sido notícia pelos seus grandes investimentos na qualidade de vida dos Lisboetas, um milhão e tal de eruos para reparar alguns dos milhares de buracos nas estradas e passeios da capital e mais uns trocos para investir na biodiversidade que tanto preocupa o Zé. É pena que António Costa tão tenha organizado uma mega cerimónia de entrega do cheque ao consórcio CME/Tâmega, até deveria fazer-se fotografar ao lado do Zé com uma reprodução gigante do cheque de 18,1 milhões de euros.

Mesmo assim devemos ficar gratos a António Costa, graças a ele a autarquia ainda poupou 6,5 milhões de euros, senão as brincadeiras do Zé ter-nos-iam custado 24,6 milhões de euros!

O JORNAL"i" ESTÁ À VENDA

Com "grandes repórteres" como um tal Paulo Pinto Mascarenhas que usa a primeira página para identificar blogger não admira que não hajam compradores, faria mais sentido vendê-lo à Renova, talvez desse para fazer papel higiénico para monárquicos da extrema-direita.

Pelos vistos O Jumento sobreviveu ao "i" como há-de sobreviver às diatribes de alguns pequenos jornalistas da praça.

CRÓNICA MUNDANA

«Em 1969, eu fui rico e vivia em Paris. Rico, apesar de "sem papéis", como eu já me habituava a dizer porque sem documentos. Eu tinha um ritual, cada dia, que se repetia por três vezes: entrar numa loja de produtos finos e escolher uma iguaria. A loja chamava-se boulangerie e a escolha era uma baguette. As lojas eram distantes, para eu passear a sorte de viver Paris. E o ritual era espaçado, para eu gastar lentamente a minha fortuna. Não sei o preço do metro de ontem, sei que, há 40 anos, pagava 0,55 cêntimos de franco pela baguette. O francês coloquial ensinou-me que baguette se diz de qualquer varinha, como em baguette magique, mas para mim mágica era aquela baguette que me era estendida depois de a padeira me cantar um "bonjour, messieurs-dames!", mesmo quando eu entrava sozinho na loja. Saía com os meus 65 centímetros de felicidade que tinham uma côdea que merecia a magnífica palavra de "croustillante". Eu tinha a noção exacta da jóia que eu possuía, por três vezes, cada dia, na bela cidade. Nunca fui tão rico. Continuando esta crónica mundana, lembro que, esta semana, Djibril Bodian, de 33 anos, foi eleito o maior ourives do mundo: faz as melhores baguettes de Paris. "Tão francês como o meu pão", diz agora, Djibril tinha seis anos quando chegou do Senegal. » [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PRIVATIZAR OS CTT?

«Ora porque ainda detêm uma grande rede de lojas, algumas abertas dada a responsabilidade social que a empresa assume, e porque há ainda muitos dos seus utilizadores que não prescindem de uma boa e saudável passeata até ao balcão dos correios, os CTT ganharam valor que está a ser explorado, mas que pode naturalmente ser ainda mais explorado por quem tem uma orientação muito forte para o mercado e não quer desenvolver, com custos elevados, uma rede de balcões.

Privatizar os CTT não é pecado nem pode ser visto como um atentado às funções do Estado. Hoje é mais importante o correio electrónico do que o correio tradicional e até neste segmento, quando se trata de correio expresso ou especial a iniciativa privada faz muito bem. Não é por ser privado que se coloca em risco a independência do Estado. Não é por ser privado que o serviço pode piorar. Aposto que para a maioria dos portugueses o choque da notícia de "vamos privatizar os CTT" não está no facto em si. Está sim no hábito de os vermos como nossos, descobrindo até que ponto nos levaram à ruína, para termos de vender os CTT. Ficamos com a sensação de uma ida "ao prego".» [DE]

Parecer:

Por João Duque.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

DESPEDIDAS

«Anteontem fui despedido da revista GQ, pelo director e meu amigo, Domingos Amaral. Custou. Em dinheiro e em amizade. Fiquei mais pobre mas mais amigo do Domingos. Que é coisa difícil; já que sempre simpatizei com ele e ele e eu tratámo-nos sempre com a amizade e a delicadeza que são exageradas porque não custam.

O Domingos telefonou-me. Estava aflito. Eu, sempre que fui director, evitei sempre ser o mensageiro de más notícias. Sou um cobarde. Ser cobarde é o contrário de ser bondoso. A GQ é uma grande revista e a Cofina é uma grande empresa, que honra o jornalismo e aposta corajosamente na imprensa. Vivemos num vale de lágrimas para a imprensa, que não há-de passar. Fui despedido três vezes. Duas dessas três - do Expresso, graças a José Cardoso, e da revista GQ, graças a Domingos Amaral - percebi, pela humanidade e amizade do Zé e do Domingos, que a culpa nem era minha nem deles; nem dos proprietários nem das agências de publicidade.

Já do Diário de Notícias fui despedido por escrito. Apesar de ter mudado a direcção, custou um bocadinho. Faltou uma palavrinha. Vi George Clooney no filme Nas Nuvens sem conseguir esquecer-me disso. Foi o castigo pela minha própria cobardia no despedimento de colaboradores. Nunca tive a coragem ou a humanidade que tiveram o Zé e o Domingos. Nem sequer a decência de escrever uma carta, como fez o Diário de Notícias.

Cheira-me que ainda não paguei o preço e que a minha taxa de retorno de karma ainda é muito baixa.» [Público]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

MAIS UMA A ANDAR POR AÍ

«A poucos dias de deixar de ser líder do PSD, Manuela Ferreira Leite deixou ontem uma mensagem de despedida aos militantes. Num vídeo com um minuto e doze segundos, Ferreira Leite sublinha que teve uma "tarefa exigente, mas gratificante" e que apesar de deixar de ser presidente social-democrata garante: "Deixarei de ser presidente do partido, mas continuarei ao vosso lado na defesa dos nossos valores e ideais". Ou seja, Ferreira Leite não se reforma e já disse que quer cumprir o seu mandato de deputada.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Um ordenadito a juntar às pensões só para estar sentada e ver a internet no computador não é um mau negócio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao PSD que instale na sua sede da Lapa um centro de dia para a terceira idade.»

AZAR

«Muito dificilmente os tribunais poderão negar à Comissão de Inquérito (CPI) ao negócio PT/TVI os documentos do processo "Face Oculta", nomeadamente as certidões que incluem escutas do ex- -administrador da PT, Rui Pedro Soares. Porém, as escutas onde intervém o primeiro-ministro, José Sócrates, nunca irão chegar ao Parlamento, uma vez que, legalmente, são inexistentes.» [DN]

Parecer:

Lá se vai a possibilidade de o PSD, com a ajuda do BE, vasculhar as conversas pessoais de Sócrates.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao PSD e ao BE que peçam as cópias à Cabrita.»

ALGUÉM QUER O I POR 1 EURO?

«O Grupo Lena, com sede em Leiria, pondera vender os seus activos na comunicação, o mais importante dos quais o diário i, lançado em Maio de 2009, por pro- blemas de financiamento. Dívida da holding ronda os 600 milhões de euros, sendo que, para fazer face aos investimentos com que se comprometeu, necessitará de financiamento de 140 milhões até final de 2011, 46 milhões dos quais já este ano, de acordo com a Lusa.

O presidente executivo do Grupo Lena, António Barroca, confirmou à Lusa que a hipótese de se desfazer do i e dos jornais regionais "tem a ver com a exposição do grupo aos negócios da construção e do ambiente, que exigem recursos muito avultados". E foi claro: "Temos de fazer opções na vida e é isso que estamos a fazer."

O jornal i custará actualmente ao grupo entre 600 e 700 mil euros por mês e a administração estará disponível para cedê-lo aos responsáveis do jornal por um euro.» [DN]

Parecer:

Com ou sem o grande repórter PPM?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Se for com o PPM sugira-se a venda do jornal à Renova.»

A ANEDOTA DO DIA

«Após cinco meses a correr o País, Castanheira Barros escolheu a sua cidade, Coimbra, para conquistar os últimos votos. O candidato à liderança do PSD decidiu não fazer jantares de encerramento e, em vez disso, passou quatro horas em contacto com militantes através da Internet, pelo Skype e o Messenger. "Quero ouvir as pessoas", disse Castanheira Barros ao DN. "Pergunto-lhes o que fariam se fossem líderes do PSD e respondem-me que o mais importante é unir o partido." Sobre a resolução do PEC, Castanheira Barros disse que partido deve votar contra hoje no Parlamento. O advogado de Coimbra acredita que pode sair vencedor das directas e confessou que encomendou bandeiras para fazer a festa com os apoiantes.» [DN]

Parecer:

Este Castanheira é um cromo, até já comprou as bandeiras para festejar a vitória.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vote-se no Castanheira!»

FICARAM-NOS CARAS AS BRINCADEIRAS DO ZÉ

«A Câmara Municipal de Lisboa (CML) vai pagar ao consórcio CME/Tâmega 18,1 milhões de euros por causa da paragem durante a construção do Túnel do Marquês. O acordo alcançado entre ambas as partes permitiu à autarquia poupar 6,5 milhões de euros.

Segundo fonte do município, o acordo foi assinado na terça-feira, quase seis anos após as obras no túnel terem parado por causa de uma providência cautelar interposta por José Sá Fernandes, hoje vereador na CML. Entre as irregularidades alegadas pelo advogado encontrava-se a ausência de um estudo de impacte ambiental e de tráfego, a inexistência de consulta pública do processo, a não audição do Instituto Português do Património Arquitectónico e o arranque das obras sem o projecto de execução estar concluído.» [ Link]

Parecer:

Grande Zé!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao Zé se interpôs alguma providência cautelar ao pagamento dos 18,1 milhões de euros ou se, em alternativa, apresentou o seu pedido de demissão.»

O QUE SERIA DE NÓS SEM A MANUELA?

«A líder do PSD anunciou que conseguiu impor alterações significativas na proposta do PEC e que o partido vai abster-se na votação desta tarde, tal como o Económico avançou, viabilizando o documento. » [DE]

Parecer:

Veremos que grandes alterações terá conseguido.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela divulgação do PEC.»

ALBERTO JOÃO ELOGIA O PEC

«O presidente do Governo Regional da Madeira considerou hoje o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) "um bom documento" e alertou para a conveniência de partido a nível nacional se habituar a posições distintas dos sociais-democratas » [Jornal de Negócios]

Parecer:

Ou estou muito enganado ou da próxima vez o Alberto João vai sentar-se ao lado de José Sócrates.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proponha-se uma comissão parlamentar de inquérito para apurar se Sócrates já sabia que o Alberto João ia fazer esta declaração e se o líder regional foi alvo de pressões..»

VATICANO NÃO FEZ NADA CONTRA PADRE QUE ABUSOU DE 200 RAPAZES

«Altos responsáveis do Vaticano – incluindo o Papa Bento XVI – não tomaram medidas contra um padre que abusou de mais de 200 rapazes, noticia o “The New York Times”.

Documentos da Igreja revelam que as autoridades religiosas foram repetidamente avisadas por vários bispos norte-americanos que a ausência de medidas poderia vir a tornar-se num embaraço para a Santa Sé.

O diário refere a existência de correspondência directa trocada entre os prelados de Wisconsin e o cardeal Joseph Ratzinger (agora Papa Bento XVI), que prova que a preocupação central do clero não foi pensar na demissão do padre, mas na forma de proteger a Igreja do escândalo.

O caso, adianta o NYT, envolve o padre americano Lawrence C. Murphy, que trabalhou numa escola de crianças surdas entre 1950 e 1974. Mas este será apenas um dos milhares dos que foram denunciados ao longo de décadas pelos bispos à Congregação da Doutrina da Fé (CDF), dirigida por Ratzinger entre 1981 e 2005.

Em 1996, o arcebispo de Milwaukee Rembert G. Weakland enviou duas cartas a Ratzinger, sem obter resposta. Ao fim de oito meses, o vice da CDF, cardeal Tarcisio Bertone (actual secretário de Estado do Vaticano), deu instruções aos bispos americanos para darem início a um julgamento canónico que poderia levar à demissão do padre Murphy.

Mas Bertone acabou por pôr um travão no processo, depois de o padre ter enviado uma carta de protesto a Ratzinger, afirmando estar arrependido e ter uma saúde frágil, e defendendo que o caso ultrapassava o pelouro da Igreja. “Simplesmente, pretendo viver o tempo que me resta na dignidade do meu ofício”, escreveu pouco antes de morrer. » [Público]

Parecer:

É cada vez mais evidente que a pedofilia era um segredo do Vaticano e que os padres pedófilos foram protegidos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao papa que faça uma penitência.»

A LER NO "DA LITERATURA"

O post "O Mercado":

«A forma como a opinião pública lida com o estado da economia diz bem da confusão que pauta a política portuguesa. Quem ouvir os partidos da oposição, é levado a supor que o desemprego cai para níveis residuais com uma simples mudança de governo. Com Louçã ou Passos Coelho à frente do executivo, o desemprego já era. Disparate do mesmo quilate foi o PS ter prometido (na campanha de 2005) criar 150 mil novos postos de trabalho. A retórica de Paulo Portas vai no mesmo sentido. E assim sucessivamente. Ao mesmo tempo, quem ler jornais e blogues de dente afiado às remunerações de duas dúzias de gestores, fica sem perceber o sentido de voto dos portugueses: anda tudo com saudades da UDP mas, talvez por efeito dos opiáceos, votam Centrão. (Eu também, mas não pretendo que o Estado arranje empregos; nem me incomodam salários altos; preocupa-me, sim, que haja tanta gente no limiar da pobreza.) A que vem o intróito?»

BERTRAND BAUS

EMBRACE LIFE