sábado, maio 01, 2010

O desorganizado "Estado Social"

Aquilo a que hoje designamos Estado Social é uma imensidão de serviços gratuitos, de esquemas de ajudas e de subsídios desorganizados, que consomem grandes recursos do Estado. Já ninguém sabe muito bem quem dá e quem recebe o quê, a dívida da saúde cresce exponencialmente, as escolas consomem mais recursos do que nos outros países, os esquemas de ajudas sociais multiplicam, os benefícios fiscais são adoptados ou eliminados ao sabor da evolução das contas públicas.

São tantas as organizações envolvidas que ninguém sabe muito bem quanta da ajuda chegam aos carenciados e qual a parte da despesa pública é consumida pela imensa máquina burocrática envolvida. Na mesma função concorrem as mais diversas organizações, as instituições de solidariedade social, as igrejas, as santas casas, as juntas de freguesia, os serviços camarários, as ONG, o ministério da Solidariedade Social.

São dezenas de milhares de funcionários públicos e de instituições privadas, milhares de edifícios e de viaturas, muitos directores-gerais, subdirectores-gerais, directores de serviços e chefes de divisão. É muito provável que sejam mais os burocratas do que os destinatários da ajuda estatal, que se gaste muito mais com os seus vencimentos e com os equipamentos e instalações do que com a ajuda distribuída.

Toda esta máquina desorganizada, a que se junta a desorganização da saúde e das escolas custa uma boa parte da despesa pública e ninguém sabe muito bem nem quanto custa, nem quanto se gasta efectivamente na saúde, no ensino e na saúde e muito menos quanta desta despesa serve para alimentar o imenso negócio da burocracia.

Os autarcas multiplicam ajudas para acorrer à saúde e ao voto dos pobres, os governos e partidos da oposição digladiam-se para ver quem dá mais, os sindicatos defendem os direitos da imensidão de funcionários que servem esta imensa máquina, os partidos asseguram o bem estar económico dos seus militantes com os cargos de chefia.

Todos sabemos que o se gasta no ensino e na saúde não tem correspondência com a qualidade destes serviços, isso é evidente pela elevada percentagem dos que optam pelo sector privado apesar de terem direito aos serviços públicos. Tenho muitas dúvidas sobre a eficácia da imensa máquina instalada para gerir os apoios sociais, estou mesmo convencido de que os mais apoiados são os burocratas deste monstro em constante crescimento.

É preciso repensar aquilo a que se designa de Estado Social, repensar os seus modelos de gestão e de organização, assegurar que os seus custos são controlados e ter a certeza de que a maior parte dos recursos chega mesmo a quem mais precisa.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Flor no Parque da Bela Vista

IMAGEM DO DIA

[AP]

«La Expo apunta a mostrar lo último en tecnología e inventos de 189 países, desde Estados Unidos, Alemania, Corea del Norte y España, en pabellones nacionales innovadores y en algunos casos, extraños.» [El Pais]

JUMENTO DO DIA

Teixeira dos Santos

Se o ministro das Finanças diz que vai haver uma maior exigência na aplicação do rácio de entrada de um funcionário por cada dois que saem isso significa que essa regra ou não era levada a sério por muitos serviços ou não era mesmo aplicada.

«Teixeira dos Santos admitiu também que "vai haver uma maior exigência" no rácio de "pelo menos mais de duas saídas por cada entrada" de novos funcionários. "Os critérios de admissão terão um controlo e um escrutínio mais elevado", destacou o governante.» [CM]

DIALOGAR COM O BE E COM O PCP

Algumas vozes, como as de Manuel Alegre e a de Baptista-Bastos, sugere que o governo deve alargar o debate em torno da crise a partidos como o PCP e o BE. A ideia revela alguma generosidade e, no caso de Manuel Alegre, uma preocupação com estratégias políticas pessoais, mas a verdade é que revela tanta ingenuidade como generosidade.

Negociar com um partido que prometeu um movimento grevista em plena crise e alheio à realidade internacional e ao risco de ataque dos especuladores ao país a manteve? Negociar com partidos que insistem em propor medidas que fazem pensar que a dívida pública não tem limites? Negociar com quem nunca quiz negociar?

Pedro Passos Coelho manifestou disponibilidade para dialogar, colocou os interesses nacionais acima dos partidários e negociou. Alguém ouviu um dirigente do PCP ou do BE manifestar disponibilidade para aprovar medidas que ajudem a baixar a despesa do Estado ou a dívida pública?

Não sejamos ingénuos, há quem queira superar a crise e há quem parta de premissas ideológicas que consideram a crise a porta de acesso à vitória dos seus projectos políticos. Por mais lágrimas de crocodilo que Louçã ou Jerónimo de Sousa vertam pelos desempregados ou pelos mais pobres a verdade é que esperam que a crise se agrave para que haja mais desempregados e mais pobres disponíveis para engrossar os seus exércitos. Estes dirigentes políticos ainda estão no século XX e sonham todos os dias com o assalto ao Palácio de Inverno.

Ainda por cima, todos sabemos que o PCP e o BE jogam ao gato e ao rato, cada um deles tenta exigir e ceder o menos possível, nenhum deles aceitaria qualquer medida de austeridade. Com estes partidos não há nada a dialogar.

SUBSÍDIOS PARA A PERPLEXIDADE

«Não sendo economista nem tendo especial queda para os números, tenho pejo em falar de questões com eles relacionados. Mas, precisamente por isso, gosto que quem fala fundamente o que propõe ou decide. Assim, quando vejo o primeiro-ministro e o líder do principal partido da oposição, depois de reunidos para discutir a situação difícil do País e, presumo, formas de dela sair, perfilarem-se para anunciar a aplicação imediata do PEC mencionando com especial ênfase a alteração das regras do subsídio de desemprego, espero que me digam, de imediato, em que é que isso diminui o défice ou contribui para alterar a situação da dívida externa.» [DN]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

BOA ACÇÃO

«Como a Standard & Poor's, a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional reconhecem, o principal problema da economia portuguesa decorre de baixo crescimento e fraca competitividade externa. Há algum tempo, têm vindo a ser adoptadas reformas com vista a superar os obstáculos à ampliação do crescimento. A reforma da Segurança Social retira vulnerabilidade às contas públicas portuguesas com o envelhecimento da população. Os custos unitários de trabalho nos sectores mais expostos à concorrência externa têm vindo a ter um comportamento moderado. A inflação nacional desde 2007 apresenta níveis inferiores à média da área do euro, o que significa ganhos de competitividade. As exportações nacionais têm progredido em termos de conteúdo e para mercados com maior potencial de expansão. Progressivamente, a qualificação da mão-de-obra tem melhorado. Estruturalmente avança-se; porém, quem empresta ao tesouro nacional preocupa-se, sobretudo, com o facto do crescimento anual do produto nominal ser inferior à taxa de juro; ou seja, o serviço da dívida sobe mais rapidamente que a capacidade de o pagar.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Cristina Casalinho.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

CONTRA A HUMILHAÇÃO QUE SE NOS PREPARA

«"Um espectro paira na Europa, é o espectro do comunismo". Começa assim o Manifesto de Marx e de Engels. Desta vez, porém, o espectro é outro: é o da crise geral do capitalismo, a qual, longe de ter acabado ou, sequer, amainado, demonstra uma agressividade arrepiante. A Europa está a sentir, porventura de forma mais atroz, as parcelas dessa crise. O caso grego é exemplar porque se vai continuar em outros países, deixando um rasto de pavor, de susto e de miséria.

Esta crise, aliás, demonstrou, uma vez mais que a Europa social e solidária é um mito e uma aldrabice que alguns tentam manter através de remendos. As generosas ideias daqueles que pensaram num continente forte, coeso e unido, goraram-se com fragor. E acontece um porém: os actuais dirigentes europeus não possuem estatura de estadistas nem estirpe de líderes. A luta de poder inclina-se, cada vez mais, para a Alemanha, e esvai-se o conceito de orientação tripartida, com a França e a Itália nas outras pontas.

A senhora Merkel não está propriamente hipotecada à inteligência, e tanto Sarkozy como Berluscoli não são de tomar a sério, embora tenham desgraçado os seus países e uma certa ideia de Europa. A birra da dirigente alemã, quanto a apoiar a Grécia é significativa do mal-estar que se oculta em discursos muito inflamados e vazios de conteúdo. Sejamos sérios: a União Europeia é uma ruína, e as ameaças externas que sobre os seus restos pairam não são despiciendos. Nem os Estados Unidos e muito menos as grandes multinacionais alguma vez estiveram interessados na existência de um bloco económico e financeiro forte e representativo. As agências de informação e de espionagem há muito que actuam para o fim do projecto. E a crise financeira norte-americana que, por arrasto, afectou algumas economias mundiais, não todas, não vê com bons olhos o reerguer europeu.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Baptista-Bastos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

UMA ALTERNATIVA ÀS REUNIÕES DO CONDOMÍNIO

«As reuniões do condomínio não costumam ser um acontecimento muito interessante. O americano Eric Maheux resolveu procurar um entretenimento melhor e escapuliu-se para a casa de banho para ter sexo com uma mulher, noticia o jornal «Naples Daily News».

De acordo com o jornal norte-americano, citado pelo brasileiro «Globo», o administrador do prédio, Ken Hayden, teve a sorte ou o azar de ser ele a descobrir o alegre casal. Ouviu vozes na casa de banho e resolveu entrar, mas melhor seria se não o tivesse feito, pois Maheux ficou furioso e acabou por agredi-lo. » [Portugal Diário]

PASSOS COELHO GANHARIA A SÓCRATES

«O PSD é o partido que recolhe mais intenções de voto, ultrapassando o PS. Desde que Passos Coelho assumiu a liderança, os sociais democratas subiram nove pontos percentuais e sairiam vitoriosos se as legislativas se tivesse realizado na semana passada. O partido do primeiro-ministros, José Sócrates, está em queda.

Segundo o Barómetro da Marktest, para a TSF e o Diário Económico, o PSD recolhe 39,8%, tendo subido nove pontos percentuais desde que Pedro Passos Coelho assumiu o comando do partido. A sondagem, feita a 800 pessoas de Portugal continental com telefone fixo, entre 20 e 25 de Abril, diz que o PS recolhe 34% das preferências.» [DN]

Parecer:

Se eu fosse o Pedro Passos Coelho faria como Manuela Ferreira Leite e desapareceria até ao dia das eleições, evitaria o risco de me conhecerem melhor.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão.»

150 VIAGENS DE METRO POR 18.000 EUROS

«Gastar mais de 18 mil euros para carregar 150 viagens de ida e volta em três cartões Lisboa Viva é um valor perfeitamente astronómico. Mas foi precisamente 18 250 euros que o Instituto de Financiamento de Agricultura e Pescas contratou, por ajuste directo, ao Metropolitano de Lisboa. O procedimento foi o 3613 e pode ser consultado no portal www.base.gov.pt. Aí ficamos também a saber que a Câmara de Oeiras gastou 277 615 euros em consumíveis de secretaria e informática, leia--se tinteiros, toners e supõe-se que em papel para impressora, canetas e outro material de escritório, entre Outubro de 2009 e fim de Março deste ano, ou que os cortinados da biblioteca de Silves custaram 12 418 euros.» [DN]

Parecer:

Eu não acredito nisto, mas se for verdade demitiria todos os responsáveis do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

PROCURADOR QUER QUE SEJA O PARLAMENTO A JULGAR O QUE NÃO CONSEGUIU JULGAR NA JUSTIÇA

«O procurador do processo "Face Oculta", João Marques Vidal, defende que existe "um interesse objectivo" na divulgação de todos os documentos sobre a investigação ao caso da compra da TVI pela PT. Ao que o DN apurou, a opinião do magistrado consta da resposta enviada à Comissão Parlamentar de Inquérito. E contraria, em toda a linha, o que até agora tem sido dito pelo procurador-geral da República (PGR), Fernando Pinto Monteiro.

De acordo com informações recolhidas pelo DN junto de fontes parlamentares, João Marques Vidal transcreveu, na resposta a um primeiro pedido dos deputados para o envio de despachos e transcrições de escutas, parte de um despacho seu de Dezembro de 2009, no qual já defendia a publicitação de "todo o expediente" remetido em Junho de 2009 à Procuradoria-Geral da República. Isto é, a certidão para que se investigasse o crime de atentado contra o Estado de direito, imputado a José Sócrates.» [DN]

Parecer:

Este procurador tem um apelido conhecido no PSD ou é impressão minha?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Averigúem-se as ligações do PSD aos procuradores e investigadores do processo Face Oculta.»

MISÉRIA HUMANA À PORTUGUESA

«Quando uma menina de 9 anos desabafa na escola primária que gostava de fazer sexo, a professora ficou alarmada. Mas ao ouvir que as relações sexuais eram praticadas com os pais e com os irmãos, de 11 e 13 anos, de imediato o caso chegou à polícia. O casal, um pintor da construção civil de 39 anos e uma operária fabril de 30, foi detido (ele ficou em preventiva) e as três crianças institucionalizadas.

"Do mais escabroso que vimos." Assim descreve a PJ o caso em que os pais violavam e obrigavam-nos a praticarem sexo entre eles. A denúncia chegou quarta -feira à Directoria do Norte por via da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Vila do Conde, previamente alertada pela escola. No mesmo dia foram feitas diligências, com inquirições e exames médico-legais às crianças, que levaram à detenção dos suspeitos.» [DN]

Parecer:

À miséria económica junta-se a miséria cultural e humana.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

BANCOS NÃO CORREM RISCOS NO CRÉDITO À HABITAÇÃO

«Conseguir a aprovação de um crédito à habitação junto da banca tornou-se numa tarefa ciclópica, ao alcance de poucos. Os níveis de rejeição de novos pedidos de empréstimo são elevados - apesar de a banca não revelar números - e quem o consegue pode considerar-se feliz se o spread negociado não ultrapassar 1,5 pontos.

Com o aumento do desemprego, a precariedade laboral e o consequente aumento do crédito malparado, o risco dos portugueses agravou-se. Além disso, devido à crise da dívida pública, os bancos estão a financiar-se nos mercados internacionais a taxas de juro mais elevadas, obrigando a que se seja mais selectivo na concessão.» [DN]

Parecer:

Passaram do 80 ao 8.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Que fiquem com o dinheiro.»

CRAVINHO AGORA É ESPECIALISTA EM ECONOMIA

«Portugal deve fazer cortes na despesa pública, reavaliar grandes projetos e aumentar impostos para convencer os mercados de que está a resolver os problemas orçamentais, afirmou hoje o ex-ministro socialista João Cravinho.

“Devemos estar preparados para tomar medidas que desarmem os mercados”, disse à agência Lusa, medidas que poderão ser “bastante mais duras” do que aquelas já anunciadas pelo governo.» [i]

Parecer:

Bem, como agora o parlamento já adoptou algumas das medidas paranóicas que propôs decidiu-se armar em Medina Carreira para ter audiência.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Cravinho que deixe o tacho no BEI e venha fazer oposição como militante do PSD pois como do PS é mais fácil ter audiência.»

O TREINADOR MAIS MALTRATADO NA HISTÓRIA DO FUTEBOL PORTUGUÊS

«Manolo Vidal, director do futebol no último campeonato, defendeu que "deviam dar uma nova oportunidade a Carvalhal"; Luís Duque, presidente da SAD no título de 2000, destacou que "o mal é a falta de liderança e competência de quem manda"; Inácio, derradeiro técnico português campeão, realçou que nunca vira "um treinador chegar sem apresentação oficial, algo que marcou o desfecho de Carvalhal, apesar do bom trabalho"; Yannick disse que esperava que Carvalhal ficasse. Até Dias da Cunha, que sempre defendeu Bettencourt, admitiu estar constrangido porque "o actual treinador é um exemplo de honestidade e respeito pelo Sporting que merecia ser tratado com mais dignidade". E, já antes, Paulo Sérgio, o sucessor, se mostrara solidário: "Passadas algumas semanas, conseguiu impor o seu modelo. Quiseram logo julgar o Carvalhal mas o tempo mostrou que estavam errados." Em seis meses, e mesmo sem grandes resultados, Carvalhal reuniu consenso entre passado, presente e futuro dos lisboetas. Mas isso não impede que o caminho de saída seja igual ao da entrada: pela porta dos fundos.» [i]

Parecer:

A forma como Carvalhal foi tratado ficou muito aquém do mínimo de dignidade exigível.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Deseje-se "boa sorte" ao seu sucessor.»

O EURO ESTÁ EM PERIGO

«O prémio Nobel da Economia, Paul Krugman, considera que se os líderes europeus não começarem a agir muito mais vigorosamente para salvar a Grécia, o país poderá entrar em incumprimento e, aí, o euro estará em perigo, escreve o economista no seu artigo de opinião no “New York Times”.Num artigo entitulado “a armadilha do euro”, Krugman debate a “confusão” em que actualmente se encontra o euro, argumentando porque é que os cépticos da moeda única europeia tinham razão.Respondendo directamente à questão sobre se o euro está em perigo, o Nobel da Economia diz que sim, explicando que se “os líderes europeus não começarem a agir muito mais vigorosamente, fornecendo à Grécia ajuda suficiente para evitar o pior, uma reacção em cadeia que começa com o incumprimento da Grécia e termina a descarregar » [Jornal de Negócios]

Parecer:

Alguns países europeus insistem em pensar que a especulação na bolsa se deve apenas às traquinices gregas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Adoptem-se medidas.»

SORTE

«Condutor diz ter prendido o pé no pedal do acelerador, causando assim o acidente. Veja o vídeo.

Um homem bateu com o carro na parede do parque de estacionamento do Banco da América, situada no sétimo andar do edifício. O incidente aconteceu ontem, quinta-feira, em Tulsa, cidade do estado norte-americano de Oklahoma.» [JN]

ALI REZAEEIAN

ASPIRINA

sexta-feira, abril 30, 2010

Arrumar a casa

Em nome do Estado Social e dos votos Portugal transformou-se num país de borlistas, ninguém questiona o que cada um dá ao país, os governos, os autarcas e os políticos da oposição guerreiam-se oferecendo mais. Há sempre um bom princípio para dar mais qualquer coisa à borla.

Se é construída uma auto-estrada nova deve ser à borla, os utentes descobrem que não alternativa, os autarcas preocupam-se com a interioridade, os políticos da oposição põem a sua máquina e militantes ao serviço da organização de manifestações populares espontâneas, o Manuel Alegre declama um dos seus versos e os contribuintes terão de pagar a nova auto-estrada, muitos deles não terão dinheiro para ter carro mas mesmo assim terão de pagar a borla ao carro dos outros.

A saúde e a educação devem ser à borla porque é a constituição que o diz, os transportes devem ser quase à borla sem se saber porquê, as auto-estradas são quase todas à borla, os serviços públicos devem prestar serviços à borla. E depois de tantas borlas o dinheiro não chega então arranjam-se uns subsídios.

Em Portugal discutimos muito as borlas e nada ou quase nada o que cada um deve dar ao país, na hora de pagar cada um foge aos impostos quanto pode, o patrão mete as contas da mulher na empresa e o operário recebe uma boa parte das horas “por fora”. Fica a classe média a pagar a factura. Não beneficiam de auto-estradas à borla, recorrem aos serviços privados de saúde porque os do Estado só são eficazes na hora da morte, metem os filhos em escolas privadas para que não levem porrada das criancinhas vulneráveis dos bairros problemáticos.

o que a classe média ganha metade vai para os impostos que pagam as borlas dos outros e as outra metade é para pagar o que os outros têm à borla. Este desvario colectivo chegou a um ponto que os impostos pagos pela classe média já chegam para pagar tudo, é preciso recorrer a défices cada vez maiores e a uma dívida pública crescentes para alimentar o borlismo nacional.

Mais tarde ou mais cedo este modelo chegaria ao fim e os portugueses seriam obrigados a arrumar a casa. Mas estejam descansados, o ministro das Finanças já disse que tem na manga um aumento de impostos.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Vitral do Mosteiro dos Jerónimos

IMAGEM DO DIA

[Chris Graythen/Getty Images]

«SLICK WITH OIL: A boat made its way through crude oil in the Gulf of Mexico off of Louisiana Wednesday. On Thursday, officials said it may take 90 days to stop the oil leak started by a deadly explosion at the rig earlier this month.» [Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

Rui Rio, administrador demissionário da Metro do Porto

Parece que enquanto os cidadãos pagam bilhete alguns autarcas da região do Porto andam à boleia e ganham ordenados de administradores sem trabalharem. Em tempos de austeridade é um mau exemplo e se tal situação é ilegal ou abusiva o lógico é que o ministério das Finanças exija a devolução dos dinheiros recebidos. Não é nada que não aconteça a muitos servidores do Estado, sejam figuras públicas, pavões partidários ou modestos funcionários público.

É ridículo convocar uma conferência de imprensa com ares de Presidente da República, como é ridículo dizer que pedir a devolução de dinheiro que se recebeu indevidamente é um ataque á democracia. A não ser que beliscar Rui Rio seja só por si um ataque à democracia.

Já enjoa esta ladainha dos ataques à democracia vindas de personalidades do PSD.

«"Para mim basta", afirmou hoje o presidente da Câmara do Porto em conferência de imprensa.

O Ministério das Finanças mandou recentemente vários autarcas com a acumulação de administradores não executivos daquela empresa repor os salários recebidos desde 1 de janeiro de 2007.

Os autarcas que terão que devolver os salários auferidos são Rui Rio (Porto), Marco António Costa (Gaia), Mário de Almeida (Vila do Conde) e Valentim Loureiro (Gondomar), todos eles ausentes na conferência de imprensa. » [DN]

EDUARDO MONIZ AINDA PENSOU NA HIPÓTESE DE COMPRAR NA TVI

«O antigo director-geral da TVI, que está a ser ouvido na comissão de inquérito, afirmou que em duas alturas mais críticas do seu relacionamento com a administração da Media Capital, fez consultas a pessoas ligadas à banca "para tentar perceber da viabilidade para montar uma operação para evitar algum desvario na forma como as opções editoriais da TVi estavam a ser conduzidas".

José Eduardo Moniz diz ter feito estas "diligências" em dois momentos: em 2005/06 e em 2008 quando teve "a percepção do beco sem saída a que se estava a chegar" na TVI. Questionado pelo deputado bloquista João Semedo, o antigo responsável da TVI disse nunca ter tido quaisquer contactos com a Presidência da República ou com elementos dos partidos políticos quer sobre as suas difíceis relações com a administração quer sobre as negociações entre a PT e a Media Capital.» [Público]

Parecer:

O engraçado é que desvario era acabar com o desvario da esposa.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se aos investidores porque não alinharam com Eduardo Moniz.»

A IDEIA DE COMPRAR A TVI FOI DE ZEINAL BAVA

«Zeinal Bava disse que foi o pai da ideia da PT comprar uma parte da Prisa. Esta hipótese, diz, surgiu na reunião de 19 de Junho, onde a discussão “caminhou para um potencial investimento. Eu, fruto do plano estratégico, considerei que ser uma oportunidade boa e que deviamos prosseguir”. Logo, o “pai da ideia fui eu”.

Bava disse ainda que numa “reunião em Maio a Prisa deixou claro que via com muito bons olhos que a PT fosse essa parceira [para a venda de uma parte do capital]”. » [CM]

Parecer:

A comissão de inquérito só vai ter sucesso porque as conclusões serão o que o BE considerava ser a verdade ainda antes de iniciar os "interrogatórios".

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Assista-se ao espectáculo, triste mas mesmo assim um espectáculo.»

PEDRO PASSOS COELHO REÚNE COM ECONOMISTAS

«O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, reúne-se amanhã em Lisboa com vários gestores e economistas para analisar a actual situação do País. Os ex-ministros Ernâni Lopes, Eduardo Catroga e Mira Amaral são alguns dos nomes que analisarão com o líder social-democrata a crise financeira que está a afectar o País.

Também o fiscalista Medina Carreira, o economista João Salgueiro, o ex-governador do Banco de Porugal António de Sousa, o professor de gestão Avelino de Jesus, os vice-presidentes do PSD Manuel Rodrigues e Diogo Leite Campos, e António Nogueira Leite participam amanhã no encontro que irá decorrer no Hotel Lapa.» [CM]

Parecer:

É uma pena que a maior parte deles sejam tralha cavaquista. Se a ideia saber o que pensam estes economistas isso significa que Pedro Passos Coelho não lê jornais, na sua maioria têm colunas de opinião na imprensa escrita.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Deseje-se uma boa aula de economia a Pedro Passos Coelho ainda que com economistas como Medina Carreira aquilo pareça mais um banco de jardim do Restelo.»

ECONOMISTAS ALEMÃES DUVIDAM DAS EMPRESAS DE RATING

«A redução da nota da dívida de Portugal pela agência de "rating" Standard & Poor´s foi hoje considerada "duvidosa" pela edição alemã do Financial Times, que sublinha que a economia portuguesa teve uma forte recuperação nos últimos meses.

"Os dados macroeconómicos de Portugal não pioraram nas últimas semanas e meses", afirma o chefe do gabinete de estudos económicos do Dekabank, Ulrich kater, no mesmo jornal.» [DN]

Parecer:

As empresas de rating tudo fazem para aumentar os juros ganhos pelos investidores que lhes pagam.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela evolução.»

PAPA VAI FALAR DA CRISE ECONÓMICA

«As primeiras palavras de Bento XVI à chegada a Portugal deverão ser sobre a crise económica e financeira que está a abalar o País e a estabilidade europeia. Este é pelo menos um dos temas previstos para o primeiro discurso do Papa no nosso País, ainda no aeroporto. Pelo contrário, não está previsto que Bento XVI fale sobre os escândalos de pedofilia que abalam a igreja, nem sobre a lei do casamento homossexual em Portugal nos sete discursos e três homilias agendados para esta visita.

O que não quer dizer que os temas não venham a ser abordados na visita, onde o Papa receberá um enorme banho de multidão e terá cerca de 1500 jornalistas de todo o Mundo a pressionar sobre o escândalo que abala a Igreja (e sobre os quais pedirá desculpas em Junho, ver pág. 23) . No entanto o tema dos abusos seuxaisi não estava entre os que os bispos portugueses sugeriram ao Vaticano a pedido deste. Isto porque, "não houve até agora nenhuma queixa em Portugal, nem sequer uma suspeita", garantiu ontem o coordenador da visita do Sumo Pontífice, D. Carlos Azevedo, em reunião com responsáveis dos órgãos de comunicação social.» [DN]

Parecer:

Se o Benfica ganhar o campeonato e o papa rezar pela economia portuguesa tudo se resolverá.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao papa se também vai ouvir os economistas ou se vai limitar-se a ouvir a ladainha do Medina Carreira.»

EQUIPA DE LIMPEZA LIMPA POR ENGANO GRAFFITI DE BANSKI

«Uma equipa de limpeza municipal de Melbourne limpou por engano um grafitti do famoso artista britânico Banksy, considerado o expoente máximo da arte de rua e grande ativista desta forma de expressão na arte.

A imagem - um rato para-quedista - tinha sido pintada por Banksy em 2003 em Hosier Lane, quando visitou aquela que é considerada uma espécie de meca da arte de rua na cidade australiana.

Apesar de ser visto como uma figura de topo da cultura pop da actualidade, desconhece-se a verdadeira identidade do artista, que costuma deixar os seus desenhos de forma discreta nas cidades por onde passa.» [DN]

Parecer:

Ignorantes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Se tivesse sido o pessoal do António Costa ainda se percebia...»

A ANEDOTA DO DIA

«Manuel Alegre considera ser necessário existir diálogo e maior convergência entre todos os partidos de forma a Portugal fazer face à crise financeira.

«Este é um momento em que o interesse nacional deve ser colocado acima de outras considerações. Sem apagar as divergências que existem entre os diferentes partidos, deve procurar-se a máxima convergência possível porque quem sofre é o povo. Deve haver por isso uma preocupação comum de preservar o estado social e os direitos sociais», sublinhou Manuel Alegre, citado pela agência Lusa. O candidato presidencial, que esta quinta-feira se deslocou ao Museu do Neorrealismo de Vila Franca de Xira para participar numa sessão comemorativa do 25 de Abril, comentava desta forma aos jornalistas a reunião de quarta feira, em São Bento, entre o primeiro ministro, José Sócrates, e o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho. » [Portugal Diário]

Parecer:

Há alguns dias Manuel Alegre criticou o PEC, puxou dos seus galões de protector das esquerdas e demarcou-se das medidas adoptadas, agora está preocupado...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

KASSANDRA

TOYOTA