sábado, junho 05, 2010

Remodelação

Esgotado o impacto das propostas liberais sugeridas por Nogueira Leite e o protagonismo do tango dançado com Sócrates o líder do PSD está a ficar sem argumentos para gerir a agenda política e condicionar o governo, como está sem saber o que fazer decidiu fazer colheres de pau, pediu uma remodelação governamental.

Que Passos Coelho não goste do governo até admito, nele não está Ângelo Correia e outras personalidades da sua equipa, mas daí a pedir uma remodelação governamental só por a pedir vai alguma distância, Passos Coelho pede uma remodelação sem dizer quais os ministros que estão aquém do desejável ou que foram desgastados, pede apenas uma remodelação cabendo a Sócrates escolher os governantes que muda, pouco importa quais.

Pessoalmente até fiquei desiludido com este governo, esperava muito mais e melhor de José Sócrates, um governo capaz de fazer coisas e menos dependente do protagonismo do primeiro-ministro ou, muito pior ainda, de um ministro das Finanças que é incapaz de fazer uma previsão acertada.

Não me parece que a melhor forma de enfrentar uma crise seja mudar ministros sem se saber muito bem quais ou porquê, se Pedro Passos Coelho pretende continuar a dominar a agenda política terá de se concentrar mais nos problemas do país e nas soluções mais adequadas deixando de imitar o Marcelo dos tempos em que se entretinha a inventar almoços e a criar factos políticos.

Esta proposta do líder do PSD parece-me evidenciar a falta de ideias e a incapacidade de unir o partido em torno do seu projecto político e estratégia de conquista do poder, mais do eu uma remodelação do governo o que Passos Coelha carece é de uma remodelação do seu partido, a começar pelo grupo parlamentar herdado de uma política tão incompetente como Manuela Ferreira Leite.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

"Trabalhando" na Rua Augusta

JUMENTO DO DIA

Pacheco Pereira, deputado do PSD

A declaração de voto apresentada por Pacheco Pereira na votação das medidas de austeridade, para além de serem uma mentira política pois resultam mais das pressões internacionais do que da situação interna, são um ataque frontal a Pedro Passos Coelho, ainda que disfarçado de um ataque a José Sócrates, o seu ódio de estimação.

É uma pena que Pacheco Pereira não tenha enfrentado Pedro Passos Coelho em vez de o fazer de forma disfarçada numa declaração de voto.

«O deputado do PSD, Pacheco Pereira, justifica o seu voto favorável à proposta de lei do Governo que prevê as medidas adicionais de combate ao défice “por razões de exclusiva disciplina partidária”. E defende que a bancada até se poderia abster, mas “nunca” dar “um voto favorável”.

Na declaração de voto entregue hoje, Pacheco Pereira sustenta que “embora em muitos aspectos as medidas propostas neste diploma sejam contraditórias com propostas particulares do Programa” do PSD, “elas não contradizem a necessidade nele apontada de medidas de controlo de contas públicas e da dívida”. Pacheco Pereira lembra que o Programa do PSD e declarações feitas em campanha eleitoral “denunciavam o caminho para o abismo a que a política do governo de José Sócrates e do PS conduziam o país”. Mas sublinha como essencial “impedir a queda dos portugueses numa situação de falência nacional com elevados custos sociais e de Portugal numa situação de pedinte público à comunidade internacional”.» [Público]

"THE BEAR", POR JEAN-JACQUES ANNAUD

TÍTULO 10 'INOCENTES' ÚTEIS

«Na semana em que o PS veio formalmente apoiar a candidatura presidencial de Manuel Alegre, surgiram notícias várias de que estaria em curso uma busca de um candidato alternativo ao actual Presidente da República na área da direita.

O pretexto seria o facto de o professor Cavaco Silva não ter exercido o veto político em relação à lei que regula o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Alguns comentários que vieram a público, sem nunca assumirem a paternidade de tal busca de um candidato alternativo, acabaram por alargar a crítica ao actual Chefe do Estado evidenciando uma avaliação globalmente negativa do seu primeiro mandato. Os argumentos dessa avaliação crítica vão desde uma leitura demasiado institucional do cargo por parte do professor Cavaco Silva (que implicitamente beneficiaria o actual Governo e o partido que o apoia) até ao facto de não ter promovido um "Governo de unidade nacional" após a perda da maioria absoluta pelo PS nas eleições legislativas de Setembro do ano passado. O facto de não ter vetado a lei dos casamentos gay seria apenas a gota que teria feito transbordar o copo…

Estas críticas que agora surgem não foram, contudo, formuladas anteriormente nos momentos mais apropriados. Com efeito, não me lembro de ninguém ter defendido uma fórmula governativa abrangente após as eleições de 2009. Antes me lembro bem, isso sim, das vozes que criticaram como pura hipocrisia a ronda de contactos que o primeiro-ministro levou a cabo com todos os partidos no tocante à fórmula governativa a adoptar, dada a ausência de uma maioria absoluta no Parlamento…» [DN]

Parecer:

Por António Vitorino.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

CORPOS DE DEUS

«Ontem celebrou-se o feriado católico identificado nos calendários como "Corpo de Deus". Neste feriado, ocorre uma procissão alusiva que sai da Sé de Lisboa. Durante todo o tempo da procissão e da celebração que se lhe seguiu, altifalantes colocados nas ruas limítrofes transmitiram, em altos berros, as palavras do oficiante. Tratou-se, pois, de uma missa campal, só que urbana e entrando pelas casas de todos os moradores da zona.

Ora bem: é perfeitamente normal haver uma procissão (o feriado é outra loiça) e que quando ela passa haja música e cânticos e portanto barulho, como é normal no que respeita a qualquer manifestação, seja qual for o seu cariz. Estender a noção de normalidade ao transformar de um bairro numa espécie de colónia religiosa é decerto ir um pouco longe de mais. Como o seria, de resto, se em vez de se tratar de uma manifestação religiosa fosse um evento político, cívico ou comercial qualquer. Sucede que a assunção da "normalidade" por parte de quem - a administração camarária - autoriza o descrito é de que a religião, neste caso o culto católico, não é "uma questão". Ou, para usar uma estafada e irónica expressão, não é "fracturante" - e portanto questionável. Esta ideia, que descende em linha recta do tempo, pré-República, em que existia "uma religião do Reino", sempre foi no entanto desmentida na lei, e nem mais nem menos que na lei penal - e, incrivelmente, ainda hoje. O actual Código Penal, revisto em 2007!, penaliza aquilo que costumamos chamar blasfémia e que tanto brado levanta, e justificadamente, de cada vez que é invocada, na voz de seguidores da religião islâmica, para qualificar opiniões, actos ou criações que no entender desses seguidores atentem contra a respectiva crença/fé (vide o célebre caso das caricaturas dinamarquesas). Os artigos 251.º e 252.º do CP, com epígrafe "Crimes contra os sentimentos religiosos" elencam uma série de actos com pena de prisão até um ano nos quais se inclui "publicamente vilipendiar acto de culto de religião ou dele escarnecer". » [DN]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A SITUAÇÃO ESTÁ PRETA

«As agências de notação financeiras com aquele ar grave que põem para baixar notas acabam de dizer que vêem a BP numa "perspectiva negativa". A sério? As ratazanas do rating chegaram lá mais lentas que os pelicanos (e, estes, de asas coladas e patas presas na maré negra do golfo de México). A Fitch e a Moody's baixaram a BP do "AA+" para "AA". Agora que corre tanta tinta negra é que lhes deu para diminuírem os caracteres. As autoridades americanas estenderam a primeira factura: 69 milhões de dólares. Que pode chegar a 20 mil milhões. Mas até esses números são tragáveis comparados à cara dos responsáveis da BP quando sobem a uma plataforma e se lhe estende um microfone. Ter uma branca é a expressão que se dá a quem nada lhe ocorre e tem mesmo de dar uma resposta. Ter uma branca é uma ironia quando se vê o que corre sob a plataforma. Mais preciso foi o patrão da empresa, Tony M. Hayword, falando para o Financial Times: "Não temos os instrumentos necessários na nossa caixa de ferramentas." A jusante, na garagem, já ouvi mecânicos a dizer isso, tão a montante, à boca do poço de petróleo, nunca. É assustador. E pensar que o anterior patrão, Lord John Brown, queria, ainda há pouco, mudar o nome de British Petroleum para "Beyond Petroleum" (Para lá do Petróleo)... Mas, para arroubos líricos nas petrolíferas, nada melhor do que um susto real. » [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

VIDA ARTIFICIAL

«O tema da semana deveria ser a última barbaridade de Israel. Mas não vale a pena gastar muitas palavras. Trata-se de um Estado falhado governado por uma extrema-direita inqualificável. A eficácia das suas ações brutais é mais do que duvidosa. Os israelitas vivem apavorados, rodeados por muros, alienados. As liberdades são cada vez mais escassas. E, a cada crime em nome da segurança, são mais uns milhares de bombistas suicidas que emergem no mundo islâmico. Alguns chegarão às nossas ruas civilizadas.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Leonel Moura.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

MAIS UM PAÍS EUROPEU À BEIRA DA BANCARROTA

«A Hungria pode entrar em bancarrota admitiu hoje um porta-voz do governo do país, citado pela agência de informação financeira Bloomberg, que afirmou que o governo anterior "manipulou" e "mentiu" sobre o estado da economia.

"Não é nenhum exagero" falar em bancarrota, disse Peter Szijjarto, porta-voz do primeiro-ministro Viktor Orban (na foto), citado pela Bloomberg.

A comissão de inquérito ao estado da economia, chefiada pelo Secretário de Estado Mihaly Varga, vai apresentar os dados preliminares sobre o estado da economia no fim de semana.» [DN]

Parecer:

Não eram só os países do sul?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «espere-se por mais países com problemas.»

LOUÇÃ FAAZ POPULISMO À CUSTA DA ZONA FRANCA DA MADEIRA

«Francisco Louçã frisou que o fim dos benefícios da Zona Franca da Madeira podia evitar a subida do IVA sobre os medicamentos e bens de primeira necessidade. José Sócrates acusou BE de ser "contra o euro" e querer fazer o aproveitamento político da crise.» [DN]

Parecer:

À conta do argumento dos medicamentos Louça transformava Portugal na Cuba da Europa.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se a Louçã que seja menos enjoativo.»

CARLOS QUEIROZ ESTÁ COM SORTE

«Sven-Goran Eriksson, seleccionador da Costa do Marfim, declarou esta sexta-feira que Didier Drogba se lesionou "à altura do cotovelo" e que não sabe se o capitão poderá jogar no Mundial.

"É inquietante, bem entendido. É o nosso capitão e o nosso melhor jogador. Ainda não falei com ele, mas o que é seguro é que a dor é muito forte", acrescentou o treinador sueco.

Drogba partiu o braço durante o jogo de preparação da Costa do Marfim com o Japão (2-0), em Sion. » [DN]

MAIS UMA BALDA NAS ESCOLAS

«O primeiro-ministro, José Sócrates, confirmou hoje que os alunos com mais de quinze anos e o oitavo ano de escolaridade podem passar para o décimo se tiverem aproveitamento nos exames do nono ano.

"É falso que é permitido passar do oitavo para o décimo ano. O que é permitido, como já estava indicado genericamente, é que os alunos com mais de 15 anos e que têm o oitavo ano podem fazer o exame do nono ano", afirmou José Sócrates. » [DN]

Parecer:

Se têm quinze anos e não passaram do 8.º ano o que vão fazer para o 10.º a não ser reduzir a qualidade do ensino nas turmas em que forem colocados.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Sócrates que os passe logo para a discussão da tese de mestrado.»

A ÉTICA DO GOVERNADOR

«O deputado do PSD Cristóvão Crespo questionou esta sexta-feira o Ministério da Administração Interna (MAI) sobre uma declaração do governador civil de Portalegre, Jaime Estorninho, em que este terá afirmado que «quando é necessário mentir tenho que mentir».

Numa pergunta dirigida ao MAI, a que a Lusa teve acesso, o parlamentar social-democrata refere que as declarações de Jaime Estorninho terão sido proferidas durante uma palestra, promovida por uma escola profissional, sobre «Ética Profissional». » [Portugal Diário]

Parecer:

Digamos que é a ética da mentira responsável.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

PS DÁ PREJUÍZO

«O Partido Socialista devia mais de 35 milhões de euros no final de 2009, o que representa um agravamento de 32 milhões (969,6 por cento) face a 2008. As dívidas dos cinco maiores partidos totalizavam 48,9 milhões de euros no final do ano passado, contra apenas 7,8 milhões um ano antes. Ou seja, o PS sozinho já tem mais dívidas do que todos os outros juntos, substituindo assim o PSD que, em 2008, era o partido que detinha este registo. Estas são algumas das conclusões que se podem retirar da análise efectuada pelo PÚBLICO às contas anuais de 2009 dos partidos políticos, entregues no Tribunal Constitucional. O prazo para entregar as contas naquele tribunal - para que a Entidade das Contas e Financiamentos Políticos as possa agora auditar - terminou a 31 de Maio.» [Público]

Parecer:

Sinal de que a Sorefame não lhe paga as dívidas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Sócrates que adopte um PEC para o PS.»

POLKOSH

sexta-feira, junho 04, 2010

O BE, o PCP e Manuel Alegre

Com o PCP a adiar um apoio a Manuel Alegre para a segunda voltas das presidenciais e os militantes do PS a apoiar Manuel Alegre com a mesma convicção com que muitos dos nossos católicos vão à missa vão ser os militantes do BE a emprenhar no apoio a Manuel Alegre como, aliás, Louçã já disse. Apoiado o candidato com que alguns sectores da extrema-esquerda que integra o bloco Louçã pretende colher os frutos da exposição mediática num sector do eleitorado que pretende retirar ao PS.

Louçã já teve melhores dias, está a ficar gasto e sabe que com um PSD a fazer oposição os seus dias de glória estão contados, a candidatura de Manuel Alegre é a sua hipótese de crescimento eleitoral, pouco importando que o seu candidato perca na sua volta. O líder do BE sabe muito bem que o seu apoio militante e ostensivo, ao ponto de querer ser ele a situar ideologicamente o candidato, terá como única consequência a derrota de Manuel Alegre. Só que para Louçã pouco importa quem vai ser o próximo Presidente da República e quanto ao governo há muito que aposta na substituição do PS pela direita.

É aí que reside a grande diferença entre a extrema-esquerda de Louçã e o PCP, enquanto para o Bloco tudo é uma questão de estratégia, para o PCP não é indiferentes se o próximo presidente é um candidato da esquerda ou um candidato da direita. O PCP lançará um candidato na primeira volta para na segunda volta apoiar um candidato da esquerda contra Cavaco Silva. O Bloco apoia um candidato e prefere que este perca na primeira volta para não perder protagonismo político porque na segunda volta a vitória desse candidato depende mais do apoio do PCP dos que das homilias de Francisco Louçã. Para o PCP a responsabilidade política determina a sua posição, para o Bloco o que importa são os seus ganhos eleitorais e esses serão maiores se Alegre for derrotado na primeira volta, até porque assim pode insinuar que a culpa foi da falta de empenho dos militantes do PS.

Vamos ter, portanto, uma candidatura de Manuel Alegre marcada pelo apoio de um Bloco de Esquerda que deseja a sua derrota na primeira volta, que conta com o apoio do PCP numa segunda volta e é apoiado pelos mesmos militantes do seu partido que num passado recente tiveram que lutar contra os prejuízos eleitorais provocados pelo candidato que agora apoiam.

Sócrates não gosta de Manuel Alegre e este nunca gostou de Sócrates, pior ainda, nunca lhe perdoou a derrota que lhe infligiu nas directas para a liderança do PS e o apoio à candidatura de Mário Soares. Mas Sócrates sabe que se não apoiar Alegre a vitória de Cavaco Silva é mais do que certa, não poderia apoiar outro candidato, ainda por cima Fernando Nobre é monárquico de madrugada, de direita durante a manhã, do centro à hora de almoço, de esquerda durante a tarde e á noite vai reflectir sobre o que será no dia seguinte.

Só restava a Sócrates apoiar aquele que mais fez para o derrubar, da mesma forma que só restou a Alegre ajeitar-se politicamente para receber o apoio daquele que elegeu como principal adversário político nos últimos cinco anos. Sócrates apoia Alegre pela mesma razão que Alegre apoia Sócrates, para sobreviver, e Louçã apoia Alegre apostado na sua derrota para que Cavaco faça aquilo que ele não conseguiu, derrubar José Sócrates.

Louçã não vai querer ser líder de um pequeno partido de oposição a um primeiro-ministro apoiado por um presidente que promoveu como seu. Louçã quer ser líder da oposição e para isso precisa que Cavaco seja presidente e Passos Coelho primeiro-ministro, enquanto o PS se afunda em divisões interna com a sucessão de Sócrates.. O futuro político de Louçã passa pela derrota de Manuel Alegre.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Flores do Parque Florestal de Monsanto

PORTUGAL VISTO PELOS VISTINATES D'O JUMENTO

Telhado de Idanha-a-Nova

JUMENTO DO DIA

António Costa, ministro das obras públicas de Lisboa

Quando Santana Lopes decidiu cobrar a entrada no Castelo de São Jorge ouviram-se muitos protestos e poucos a defenderem a decisão que foi tratada como um verdadeiro escândalo. Pessoalmente sou contra borlas em castelos e museus, muitos dos turistas que nos visitam pouco mais gastam do que as águas e mesmo essas compram-nas nas mercearias por serem mais baratas do que nos cafés, se não pagarem nada é o país que lhes está a pagar a visita.

Mas convenhamos que cobrar 7 euros pela entrada no Castelo de São Jorge é um exagero, até porque a CML de Lisboa pouco ou nada faz para o melhorar. Igualmente inaceitável é o facto de os moradores nos concelhos limítrofes de Lisboa, muitos deles Lisboetas expulsos para a periferia da capital terem também que pagar a entrada num castelo onde o único investimento camarário foram os torniquetes de acesso.

«Longe vai o tempo em que não era preciso pagar para entrar no Castelo de São Jorge, em Lisboa. E anteontem entrou em vigor um novo tarifário que representa um aumento de 40 por cento. Em 2004, a entrada custava três euros. Dois anos depois, subiu para cinco euros. Desde a última terça-feira, o acesso a este monumento nacional passou a custar sete euros.

A nova tabela mantém as isenções para residentes no concelho de Lisboa e para menores de dez anos, dois grupos da população que continuarão a entrar gratuitamente. Também há descontos para grupos escolares organizados, estudantes, maiores de 65 anos, famílias e pessoas com deficiência. Quem não se enquadrar em nenhuma destas situações não escapará a este aumento de 40 por cento estipulado pela EGEAC, a empresa municipal responsável pela gestão deste monumento nacional.» [Público]

(imagem enviada pelo Sérgio Grusca, Brasil)

PS: O Jumento errou ontem, quando o post estava em elaboração a comunicação social apontava para a abstenção na votação das medidas de austeridade e escolhi o líder do PS para "Jumento do Dia". Errei e o Jumento acabei por ser eu o que, aliás, não adianta muito, de qualquer das formas aqui fica um pedido de desculpas aos visitantes e ao visado. Enfim, foi o meu momento à Marcelo Rebelo de Sousa, não inventei um jantar mas imaginei uma votação.

O DRAMA DAS PRÓXIMAS PRESIDENCIAIS

O drama das próximas presidenciais não estará em termos que votar "útil", está em sermos obrigados a votar em inúteis.

ISEG CONTRATA CATROGA A TEMPO PARTICAL A 0% E COM EFEITOS RETROACTIVOS

(via Câmara Corporativa)

Tenho a maior consideração pessoal por Luís Duque, cuja filha adorava os chocolates Godiva que lhe trazia de Bruxelas, mas esta de contratar Eduardo Catroga a tempo parcial 0% com efeitos a partir de 1 de Setembro de 2008 me deixou um pouco baralhado. Sei que Luis Duque se doutorou em Londres e o tema da tese foi o mercado de futuros, talvez agora se esteja a especializar no mercado de passados, se é que o passo não é ele.

É lamentável que algumas pessoas se prestem a estes papeis, Catroga já tem idade para gozar uma reforma tranquila e com pensões generosas, não precisava de andar a trabalhar tanto!

ANGOLANA TOCANDO GUITARRA

A MADRUGADA DOS GENERAIS

«Tinha chegado ao fim um dos dias mais longos da história recente de Portugal. Operações militares na madrugada de 26 de Abril de 1974 ainda as havia, embora já não sobrassem dúvidas sobre a vitória do levantamento levado a cabo na véspera pelo Movimento das Forças Armadas (MFA). O Governo rendera-se; Marcelo Caetano e Américo Thomaz encontravam-se detidos; as forças do regime tinham desistido, praticamente sem oferecerem resistência.

Por essa altura, o último ministro da Defesa Nacional, Silva Cunha, talvez recordasse com estupor o conselho que 24 horas antes lhe fora dado pelo director da PIDE-DGS, Silva Pais. «Pode dormir descansado, sr. ministro», tinha-lhe ele dito, precisamente por altura das primeiras operações desencadeadas pelo MFA.

Entrara-se de novo na madrugada e os portugueses, que maioritariamente haviam seguido os acontecimentos do 25 de Abril pela rádio, preparavam-se para conhecer, via TV, o «rosto» do novo poder saído do levantamento militar. Fialho Gouveia tinha já anunciado que o general António de Spínola iria ler uma comunicação ao país, mas, entretanto, o silêncio prolongava-se. Ao todo, 23 minutos de anomalia técnica, até que, nos ecrãs, ainda a preto e branco, surgiu o primeiro plano de conjunto da Junta de Salvação Nacional (JSN), o órgão a quem o MFA entregara o governo provisório da nação.

Ali estavam os primeiros rostos do poder pós-marcelista, pouco antes heróis militares do regime em queda, os generais António de Spínola e Francisco Costa Gomes, destituídos em Março dos cargos de vice-Chefe e Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas por se terem recusado a integrar a «brigada do reumático» -- designação com que ficou conhecido o grupo de oficiais que, nesse mês, acorreu a S. Bento para prestar vassalagem a Marcelo Caetano. Aparentemente, eram eles os homens fortes do novo regime.» [Público]

Parecer:

Ainda que não seja um artigo de opinião, este artigo da jornalista Clara Alves publicado na revista Magazine do Público e agora republicado no jornal merece ser lido.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

SUGAR SEM DAR DE SI

«Há dias, um Artrópodo, ordem Acarina e subordem Ixodoidea (facilitando: um carrapato), saltou para um palco de Oslo e pespegou-se frente ao cantor espanhol que actuava no Festival da Eurovisão. Foi dado ao cantor direito a segunda actuação, mas já não foi a mesma coisa. Eu estava em Atenas, em 2004, quando outro carrapato saltou sobre o maratonista brasileiro Vanderlei Cordeiro, que liderava no fim da prova (aos 36 quilómetros). Cordeiro libertou-se mas, com a paragem e o susto, acabou em terceiro. E, como já tinha 36 anos, nunca mais soube se podia ter sido, mesmo, campeão olímpico. O carrapato de Oslo tem nome artístico, Jimmy Jump, e diz-se "espontâneo profissional", o que, parecendo uma contradição nos termos, não é. Ele tem currículo, também por cá andou, nos minutos finais do Portugal-Grécia, no Europeu de 2004, interrompendo o trabalho dos outros e desvirtuando-o - quem sabe o que teria acontecido sem ele? Estes carrapatos modernos, porque espalhafatosos, podem atrair alguma simpatia dos tansos, até porque são julgados inofensivos. Mas o seu pacifismo não é por convicção, é oportunista, permitindo-lhes sugar sem dar de si. E não é essa a definição de carrapato? Ontem, o representante de Jimmy Jump protestou porque ele fora, de novo, detido. Jimmy Jump tem representante! Claro, aquilo é um negócio. Não há espontâneos de borla. » [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

CÓDIGO DA ESTRADA NÃO SE APLICA AOS JOGADORES DA SELECÇÃO?

«Nani foi mandado parar pelas 08h30 por uma patrulha do Destacamento de Trânsito de Coina. Ao volante de um BMW, o jogador quis evitar uma extensa fila de trânsito, ‘escapando’ pela berma da A2. Colocada junto à estação da Fertagus dos Foros de Amora, a GNR de Coina mandou logo parar o craque. Por ter sido apanhado em infracção, o futebolista incorria numa coima entre 60 e 300 euros e numa pena de inibição de condução de dois a 24 meses. No entanto, Nani foi repreendido e autorizado a seguir sem coima. Ao que o CM apurou, nem sequer foi feito expediente da operação. » [CM]

Parecer:

Daqui em diante todos temos o direito de invocar este precedente para escapar a multas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se a actuação simpática da GNR, em tempos de crise o pobre jogador não tem dinheiro para multas.»

AUSTRÁLIA: OS PAPAGAIOS ESTÃO "PEDRADOS"

«Os cientistas ainda não conseguem explicar o fenómeno, que não é novo, mas que há muito não se via com tanta intensidade: muitos papagaios têm aparecido na região de Palmerton, Austrália, como se estivessem embriagados, surpreendendo pela desarticulação dos seus movimentos, incapacidade em voar, adormecimento inesperado e até protagonistas de quedas inexplicáveis das árvores.

Vários veterinários têm analisado o fenómeno, que está a ser interpretado como uma reacção das aves a uma substância tóxica que existe num alimento habitualmente consumido pelos papagaios nesta altura do ano. No entanto, o caso está a verificar-se em muitas centenas de aves, o que antes nunca acontecera.» [CM]

JESUS JÁ FALA DE GALO

«O grande objectivo como treinador, assume, "é ganhar a ‘Champions League'" e por isso espera não ter pela frente Barcelona nem Real Madrid, que classifica de "piores rivais possíveis".

Na conversa com a "Marca" Jesus também fala sobre o seu futuro. "Se o Benfica me der essa opção [ganhar a Champions] não trocaria o Benfica por nenhum outro clube. Caso contrário terei de tentar lá fora", conta. Nesse cenário, explica, a liga espanhola seria sempre a preferida, mais do que a italiana e do que a inglesa.» [DE]

Parecer:

Digamos que o homem está mesmo convencido de que é filho de Deus.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se-lhe um pouco de humildade.»

ESTE PINTO DA COSTA É MESMO UM MALANDRECO

«Segundo avança "A Bola", que não diz onde obteve informação, no passado dia 11 de Maio, altura em que o Benfica já era campeão, Jesus foi abordado por um empresário para que rescindisse com os encarnados e rumasse ao Dragão.

De acordo com o jornal, o Porto estaria disposto a triplicar o salário de Jesus no Benfica e a pagar a indemnização da rescisão aos encarnados.» [DE]

Parecer:

Os tempos estão a mudar, já ninguém troca o Benfica pelo Porto.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Pinto da Costa que se deixe de golpes baixos.»

KIKALA

BGD STRAY ANIMALS FOUNDATION