sábado, junho 12, 2010

Não me deprimam, porra!

Estou farto desta tendência dos nossos políticos para a dramatização, uns dizem que estamos de tanga, outros que temos de fazer sacrifícios, agora vem o Cavaco dizer-nos que a situação está insustentável, nem uma palavra de esperança, nem uma direcção em relação ao futuro, nem o mais pequeno sinal de optimismo. Temos uns políticos idiotas que não encontram outra forma de estimular a confiança do povo nas suas ambições que não seja a depressão, o medo e a frustração colectiva.

Já não me basta viver num país que por causa das suas elites não são grande coisa, desde que me conheço enquanto ser que pensa em política que só ouço políticos a tentarem deprimir-me, começou com as conversas em família e acabou com a situação insustentável de Cavaco Silva, a única excepção foi a embriaguez colectiva do pós-25 de Abril.

Quem ouve os nossos políticos dramatizarem os problemas do país até pode pensar que sofrem muito, que estão sinceramente preocupados com a situação dos portugueses, uma treta! Nenhum deles faz grandes sacrifícios, a situação da família Silva entre pensões, vencimentos presidenciais, almoços pagos no palácio e ajudas de representação é desafogada, o Pedro Passos Coelho gasta mais em cabeleireiro do que muitas famílias portuguesas gastam em comida, um fato de José Sócrates daria para um trabalhador que ganha o salário mínimo ir uns dias de férias pela primeira vez da vida.

Votamos em políticos para que nos dêem esperança, para encontrarem soluções e depois é esta lenga, lenga constante do discurso depressivo. Que o ministro Teixeira dos Santos nos obrigue a pagar com língua de palmo de 2010 em diante a generosidade de 2009 é uma coisa, que todos dias se entretenha a preparar-nos psicologicamente é outra. Que Cavaco tenha concluído que a única qualidade que os seus adversários não terão são as suas habilitações académicas e conclua que a melhor forma de ganhar as presidenciais é transformar eleições presidenciais democráticas num concurso de avaliação curricular tudo bem, mas que decida atirar todo um povo para o sofá do psicólogo com o discurso da insustentabilidade e outras tretas que ele diz que já tinha alertado há uns tempos é pior.

Como agora se costuma dizer não há cu que aguente tanta lamecha depressiva, tanto político a distribuir falta de esperança, tanta justificação para o falhanço colectivo da nossa classe política. Se não sabem dar esperança aos portugueses, se só sabem vender austeridade, se estão velhos demais para sustentar o peso das responsabilidades, se mais nada têm para dar aos portugueses então façam-me um favor, reformem-se, mudem de profissão desamparem a “loja” e dêem lugar a gente que acredita no futuro e que não precisa de salvadores, avisadores ou outros géneros de Chicos espertos.

Mas já basta o que os portugueses sofrem no dia a dia, deixem de nos chatear com discursos idiotas. A poucas semanas de ir de férias venho fazer um apelo aos nossos políticos: Não me deprimam porra!

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Faro

JUMENTO DO DIA

João Semedo, deputado da extrema-esquerda

O deputado João Semedo não deve ter a noção do ridículo, se a tivesse não tentava condenar José Sócrates por saber o que sabiam todos os portugueses. as suas conclusões só merecem uma gargalhada e ridicularizam a comissão de inquérito, quando se devia discutir se haviam provas acaba-se a analisar o que é ter conhecimento e usa a resposta de Sócrates de que sabia das intenções da PT pela comunicação social para chegar à brilhante conclusão de que Sócrates sabia do negócio.

Ficamos a saber que Sócrates mentiu no parlamento porque sabia do negócio pela comunicação social? Apetece-me mandar este Semedo para um sítio que cheire mal! Acho que devia reservar estes truques para as reuniões do seu partido, no parlamento tem a obrigação de respeitar a inteligência dos portugueses, pelo dos mais inteligentes do que eles, aliás, quase todos.

«A proposta de relatório elaborada pelo deputado João Semedo, hoje divulgada na reunião da comissão, dá como adquirido que José Sócrates tinha conhecimento do negócio quando disse na Assembleia da República que não sabia e, para o provar, aponta, entre outros elementos, as próprias respostas do primeiro ministro à comissão de inquérito.

José Sócrates admitiu que tinha lido notícias nos jornais sobre o assunto, às quais não deu valor por desconhecer o seu fundamento, argumentando que um primeiro ministro não pode comentar assuntos sobre os quais não tinha "qualquer conhecimento formal ou oficial".

Ora, no relatório, João Semedo recusa este argumento, afirmando que, "como é evidente, ambos [o conhecimento formal e informal] constituem conhecimento -- informação adquirida". » [DN]

ESTRATÉGIA DE FASCISTAS

Durante meses José Sócrates foi perseguido pró falsas manifestações espontâneas organizadas com o objectivo de denegrir-lhe a imagem, por vezes eram mais os jornalistas a noticiar os apupos do que a meia dúzia de amigo que os “Mário Nogueiras” arregimentava. Por várias vezes aqui designei por fascista uma estratégia política que pretende calar e destruir sem debate de ideias.

Aos poucos esta estratégia foi perdendo eficácia e deixou de se assistir a apupos. Voltaram agora no Dia de Portugal e das Comunidades. Optei por não comentar, as dificuldades tornam o ambiente explosivo e mesmo num dia do país há um idiota que se lembra de apupar um político e o ambiente é favorável a que alguns o sigam.

Mas orgulhoso da sua estratégia fascista o BE assumiu a responsabilidade. Não só são pequenos fascistas como são estúpidos ao ponto de não se conterem e virem a público assumir a responsabilidade.

«No dia seguinte, 10 de Junho, um grupo de bloquistas de Faro e de outros pontos do distrito marcou presença no público que assistiu, numa das praças da entrada da cidade, à parada e outras actuações de corpos militares, bem como ao discurso de Cavaco Silva.

Os activistas do BE, fizeram coro com os populares que assobiaram a chegada de Sócrates, e, durante toda a parada, levantaram bem alto diversas bandeiras negras “da fome” e uma faixa com os dizeres “Portugal – Vencer a crise com os trabalhadores europeus”.» [BE Faro]

É com o apoio desta gente e sem sua representação que Manuel Alegre quer chegra a Presidente da República?

IDUCAÇÃO SEXUALI

«Ontem, o i fez uma primeira página cujo título principal era "educação sexual nas escolas". Ora educação sexual é o nome de uma área curricular prevista em termos legislativos pelo menos desde a lei de 1984 que, a par da que descriminalizava a interrupção da gravidez em certas circunstâncias, especificava: "Os programas escolares incluirão, de acordo com os diferentes níveis de ensino, conhecimentos científicos sobre anatomia, fisiologia, genética e sexualidade humanas, devendo contribuir para a superação das discriminações em razão do sexo e da divisão tradicional de funções entre mulher e homem". Como 1984 foi há 26 anos, é possível que no i ninguém se lembre. Como é possível que lhe tenha passado ao lado o facto de em 1999, no rescaldo do referendo de 1998 sobre a descriminalização da interrupção da gravidez até às dez semanas (em cuja discussão, recorde-se, toda a gente queria educação sexual nas escolas), ter sido aprovada uma lei mais pormenorizada que consagrava o modelo transversal de educação sexual e a promoção da existência de gabinetes de apoio aos alunos, assim como a disponibilização de preservativos "por meios mecânicos" nos estabelecimentos de ensino secundário desde que as associações de pais e de alunos concordassem. Apesar dos usuais anúncios de apocalipse - no DN, César das Neves comparava a disponibilização de preservativos aos jovens à entrega de mascarilhas a ladrões - a lei lá entrou em vigor e houve até escolas, em lugares de perdição como Moimenta da Beira, que criaram gabinetes de apoio onde se disponibilizam preservativos. » [DN]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O INSUSTENTÁVEL PELO DO DISCURSO

«Hoje é dia 11 de Junho. O dia dedicado pelos portugueses a interpretar as palavras de Cavaco Silva do dia anterior. E como elas são sempre tão ambíguas, cabe a cada português pegar numa só e dissecá-la. A mim, calhou "insustentável". Vou lembrar o contexto: "Como avisei na altura devida, chegámos a uma situação insustentável." Pode parecer irresponsável o uso deste adjectivo definitivo: insustentável, aquilo que não se aguenta e há que arrear. Se o Presidente previu, a ponto até de avisar, como é que deixou isto chegar aqui? Entre dois tremoços, um bitaiteiro pode lançar "eh pá, isto tá aqui, tá no charco" e deixar ir. Já o Presidente pode e deve parar antes do insustentável. Isto para dizer que essa, a tese da irresponsabilidade, é de amadores. Eu ando há muito nisto, em discursos de Cavaco Silva, e sei o que ele quis dizer. Insustentável é uma referência literária, (julgo, até, adivinhar de quem foi a sugestão), ao romance A Insustentável Leveza do Ser, de Kundera, cujo título remete para o filósofo grego Parménides (530-460 a. C.). No fim do seu discurso, Cavaco disse: "Este é o tempo de gerar consensos." E foi isso o que ele fez com a tal palavrinha "insustentável": sugeriu um filósofo pré-socrático, como que a dizer que as culpas vêm também de governos pré-socráticos - quiçá, até, dos seus. Ouvir Cavaco é trabalhoso mas é um gosto quando se entende.» [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

TODOS OS ANOS 1000 ESTUDANTES VÃO ESTUDAR MEDICINA PARA ESPANHA

«Mil portugueses inscrevem-se todos os anos para estudar nas universidades espanholas, a quase totalidade em Medicina. São praticamente tantos quantos os que entram nas universidades portuguesas, 1508 o ano passado. E são 330 os que pediram para fazer provas específicas, uma novidade do sistema espanhol neste ano lectivo. Segundo o director-geral do Ensino Superior português, "foi a forma airosa encontrada para privilegiar os alunos espanhóis".

Os dados são da Universidade Nacional de Educação à Distância (UNED), instituição através da qual se inscrevem todos os alunos estrangeiros. Indicam que há uma média de mil portugueses a inscreverem-se anualmente, número que tem vindo a aumentar e que é confirmado pelo responsável da Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES). Até ao momento emitiram 165 certificados, mas os pedidos aumentam significativamente após a saía das classificações dos exames nacionais. » [DN]

Parecer:

Bem, sempre sai mais barato ao orçamento.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aumentem-se o número de vagas nas universidades portuguesas.»

O 'FRITZL' DO MARANHÃO

«Os brasileiros estão indignados com a descoberta dos crimes do agricultor José Agostinho Bispo Pereira, de 54 anos, que manteve a filha em cárcere privado desde os 12 anos - hoje tem 28. Nesse período, o 'Fritzl do Maranhão', como é chamado numa referência ao austríaco que também sequestrou a filha e a engravidou repetidas vezes (caixa) - teve sete filhos com a própria filha. O facto ocorreu junto da cidade de Pinheiro, interior do estado do Maranhão, Norte do Brasil. O local fica a 2000 km de Brasília e a 3000 do Rio de Janeiro, próximo da floresta amazónica.» [DN]

Parecer:

O mais curioso deste caso é que a comunicação social quase não ligou ao assunto, ao contrário do sucedeu com o caso ocorrido na Áustria que deixou a Europa pregada às televisões. Como o caso envolve o Brasil e gente pobre quase ninguém liga ao assunto, até parece que é normal.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

RUAS DE OLIVENÇA VOLTAM A TER NOMES PORTUGUESES

«As ruas de Olivença voltam a partir deste fim-de-semana a ostentar os nomes originais portugueses. "Era uma velha aspiração", diz ao DN o presidente da associação Além Guadiana, Joaquín Fuentes Becerra, de quem partiu a proposta de recuperar os velhos nomes das ruas oliventinas. "É uma maneira de desvendar parte do nosso passado português, de os oliventinos descobrirem aspectos pouco conhecidos da sua história."

A toponímia original das ruas, que nalguns casos remonta à Idade Média, é inspirada nos antigos grémios de artesãos (como as ruas dos Oleiros e dos Saboeiros), em pessoas notáveis da vila (becos de Rui Lobo e João da Gama, faceira de Afonso Mouro, rua de Maria da Cruz) ou em santos de devoção popular (entre os quais São Bartolomeu, São Bento e Nossa Senhora da Conceição, padroeira de Portugal). » [DN]

Parecer:

Um pequeno passo numa situação que envergonha Portugal e Espanha.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Exija-se a devolução de Olivença no quadro das exigências espanholas em relação à soberania de Gibraltar.»

FERNANDO NOBRE DEIXOU DE SER MONÁRQUICO

«O candidato presidencial Fernando Nobre afirma-se republicano, mas teve no passado militância monárquica, aliás já assumida pelo próprio, numa entrevista à revista Sábado. "Pertenci há uns anos à Causa Real", disse, afirmando-se "simpatizante" dos ideiais monárquicos porque "a História de Portugal não começou em 1910". "Temos quase nove séculos de história. Vamos apagar oito e olhar para os últimos cem anos?"

Além do mais, Nobre é também presidente da Assembleia Geral (com o mandato suspenso) do Instituto da Democracia Portuguesa (IDP), um organismo de reflexão que é assumidamente simpatizante da causa monárquica, e que, aliás, tem no pretendente ao trono, Duarte de Bragança, o seu presidente da honra.

Apesar destas militâncias, Nobre afirmou mais recentemente, numa entrevista DN/TSF (domingo) que é uma "inverdade» [DN]

Parecer:

Assim fiamos mais descansados, se ganhar as presidenciais não vai entregar o "trono" a D. Duarte.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se por mais mudanças.»

DON PAULSON

HAWAIIAN TROPIC

sexta-feira, junho 11, 2010

O Cavaco dois em um



Portugal tem dois Cavacos, o Cavaco Presidente da República e o Cavaco candidato a Presidente da República, o problema é que como o primeiro nunca mais diz que também é o segundo nunca sabemos qual deles está a falar. Isso foi evidente no dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, a maioria dos comentadores, incluindo os que o apoiam activamente admitiram que o discurso oficial foi eleitoralista.

Qual dos dois Cavacos disse que a situação da economia era insustentável? O Cavaco candidato que quer provocar a erosão do primeiro-ministro sabendo que este apoiou a candidatura do Manuel Alegre ou o Cavaco Presidente da República que está preocupado com o país. É evidente que um Presidente da República abre portas para o diálogo, pratica a cooperação estratégica tantas vezes prometida, não tenta degradar a imagem do primeiro-ministro. Ao contrário, o candidato que pertence a uma área política diferente da do primeiro-ministro que não o quer ver reeleito aposta na erosão da imagem deste pois não só pretende ser reeleito como sonha com um governo do seu partido.

Qual dos dois Cavacos propõe um compromisso social, o Presidente ou o candidato? Se foi o Presidente que fez a proposta convidará sindicatos e associações empresarias a Belém para ouvir as suas opiniões e estimulá-los ao diálogo, algo que seria melhor compreendido do que quando chamou a Belém um conhecido latifundiário do PSD para lhe falar sobre as supostas pressões sobre os investigadores do caso Freeport. Em vez disso, um candidato faz o apelo vago, promove a sua imagem de unificador nacional para depois dizer aos jornalistas que não se pode pronunciar sobre nada, designadamente, sobre reuniões entre sindicatos e associações profissionais.

Se um Cavaco que afirma a importância das forças armadas e a necessidade de investir no seu equipamento se porta como um Presidente, o Cavaco que uns dias antes apela aos portugueses para passarem férias em Portugal para combater o endividamento externo não pode ser o mesmo, é o Cavaco candidato, a não ser que esteja a apelar aos portugueses que ficarem no país para poder haver dinheiro para metralhadoras.

É evidente que não se espera que um Presidente da República diga no momento em que toma posse que vai ser candidato daí a cinco anos, até se poderá compreender que retarde o mais possível essa comunicação para assegurar a sua isenção no desempenho do cargo, apesar de todos os portugueses saberem qual é a sua intenção. Mas nesse caso deve exercer o cargo com total isenção e não promover as suspeitas que supostamente quer evitar comunicando a sua decisão.

Só que é cada vez mais evidente que Cavaco Silva está a adiar a divulgação da sua decisão para usar o resguardo do cargo que exerce para promover uma candidatura protegida pela dignidade do estatuto de Presidente da República, dignidade que é um importante capital acumulado por aqueles que o antecederam e exerceram o cargo com mais brio e competência. Desta forma o Cavaco Presidente dá as bicadas aos adversários e manipula a opinião pública sem que os seus adversários lhe possam responder na mesma moeda pois estarão a ofender Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa cuja boa imagem até é protegida pelo artigo 328.º do Código Penal, que prevê penas de prisão até 3 anos para quem injuriar ou difamar o Presidente da República. E em Portugal toda a gente sabe que para alguém se sentir injuriado basta que lhe digam algo mais do que bom dia. Isto é, se um dos outros candidatos questionar Cavaco Silva pelos seus negócios com acções da SLN arrisca-se a fazer campanha no Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Não se pode acusar um Presidente da República de estar em vantagem numa futura disputa eleitoral, mas isso obriga a que o Presidente se abstenha de intervenções que visem mais objectivos eleitorais do que objectivos nacionais. A maioria dos comentadores foram unânimes em afirmar que o discurso oficial de Cavaco Silva visou objectivos eleitorais e se assim foi estamos perante uma situação grave, tanto mais grave porque foi um discurso feito precisamente no dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Borboleta na Quinta das Conchas

PORTUGAL VISTO PELOS VISITANTES D'O JUMENTO

Estendal (fotografia de A. Cabral)

JUMENTO DO DIA

Cavaco Silva, pré-candidato não assumido às presidenciais

Já percebei o pensamento de Cavaco Silva, devemos passar férias cá dentro para que haja dinheiro para comprar armas.

UM VÍDEO DEDICADO AO NOVO PSD DE PEDRO PASSOS COELHO

DÚVIDA

Será que Manuel Alegre tirou férias prolongadas para ir à pesca.

Estas pré-presidenciais estão a ficar divertidas, Cavaco não diz que é candidato e aparece todos os dias, Alegre candidatou-se e desapareceu. Fernando Nobre aparece de vez em quando.

UM 'BEEF' BEM APANHADO

«O blogue Duas ou Três Coisas, do nosso embaixador em Paris Seixas da Costa, alertou-me para a entrevista. Alexander Ellis, o embaixador britânico em Lisboa, falou para o jornal i. Ele tem um blogue, em que escreve em português, chamado Um Bife Mal Passado, o que revela dele duas coisas: 1) ser um profissional, pois quando decide chamar-nos a atenção (e por isso faz um blogue), chama-nos a atenção (e faz um título genial), e 2) ser um tipo que não se leva a sério (isto é, dos bons para ser ouvido). Em Um Bife Mal Passado já ele fez a lista das melhoras em Portugal desde que nos conhece, há 15 anos. Coisas, coisas, para as quais só olha quem cuida de olhar: as cidades portuguesas começarem a virar-se para o mar, termos mais cor... Um dia, se eu fizesse a lista das minhas surpresas boas dos últimos 15 anos, eu poria: embaixadores com blogue. Bom, na entrevista ao i, Alexander Ellis chama-nos "crisófilos", que define assim: "viciados na crise por instinto". Não é simpático, mas ele também não é pago para ser nosso embaixador. Em contrapartida acha-nos com uma notável capacidade de lidar com outras culturas, como demonstram, o exemplo é dele, tantos treinadores portugueses pelo mundo fora. Que isso não é menor, dissera-o antes quando apresentou como vantagem de o Reino Unido ser ponte para a Índia. Repararam no papel internacional que ele Ellis nos reconhece? » [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

COMISSÃO DE INQUÉRITO INCONCLUSIVA

«Houve ou não uma tentativa de controlo da TVI por parte do Governo? José Sócrates estava ou não a par do negócio da compra por parte da PT? Estas são as duas principais questões que, durante meses, animaram a Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso PT/TVI (CPI) e a que, amanhã, o deputado do Bloco de Esquerda João Semedo procurará dar resposta quando apresentar o relatório final dos trabalhos. Porém, segundo fontes parlamentares, no relatório não haverá revelações, mas apenas muitas dúvidas se Sócrates sabia ou não do que, até Junho de 2009, esteve em curso.

O documento tem sido trabalhado nas últimas semanas por João Semedo. Ontem, questionado pelo DN sobre as conclusões, respondeu: "Sexta-feira, às 14.30", dia e hora da reunião da CPI para apresentação do relatório final. Com as escutas do processo "Face Oculta" de fora, o trabalho do deputado do BE ficou circunscrito aos documentos recebidos pela CPI e aos depoimentos das várias pessoas que por lá passaram. Recorde-se que, depois de terem sido pedidas e enviadas ao Parlamento pelo Tribunal de Aveiro, o presidente da CPI, Mota Amaral, decidiu que as intercepções não poderiam ser utilizadas. » [DN]

Parecer:

É mais fácil acusar do que provar, que o digam os tribunais portugueses.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelas conclusões.»

RIBEIRO E CASTO ARMOU-SE EM MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

«A comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros viveu ontem um forte clima de tensão. PS, PSD, PCP e BE acusaram o presidente, o centrista José Ribeiro e Castro, de ter "exorbitado" as suas funções ao ter recebido em audiência, na passada sexta-feira, os embaixadores de Israel, Turquia e Egipto, sem aprovação da comissão. Os diplomatas aceitaram o convite do deputado centrista para falarem do recente ataque do exército israelita a uma flotilha de seis barcos de ajuda humanitária turca que se dirigia a Gaza, ainda em águas internacionais, tendo provocado a morte uma dezena de activistas pró-palestinianos.

Segundo fontes parlamentares, Ribeiro e Castro foi acusado de "diplomacia paralela" e foi mesmo admoestado, em particular pelo PS, a não voltar a tomar iniciativas deste género sem a aprovação da Comissão de Negócios Estrangeiros, sob pena de uma posição mais firme dos deputados. Os centristas presente mantiveram-se mudos e quedos, segundo as mesmas fontes.» [DN]

Parecer:

Esperemos por um futuro governo da AD para vermos que pasta quer Ribeiro e Castro.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

MAIS UMA VÍTIMA DO TELEMÓVEL

«Carina Ferreira ia ao telemóvel no momento do acidente. Uma distracção, fatal, durante a condução, em velocidade assinalável, na auto-estrada. A ausência de marcas no pavimento, e de outros materiais, aponta para que "no momento do acidente" fosse "distraída e sem tempo para reagir", soube o DN junto de fonte ligada à investigação.

A distracção, "associada a alguma velocidade, contribuiu para que o pequeno Peugeot subisse o talude, que funcionou como "rampa de lançamento e voasse quase 70 metros em direcção à ravina onde foi cair". » [DN]

Parecer:

O estranho deste caso é ter-se andado a investigar um crime quando o acidente ocorreu durante uma chamada telefónica e perto de casa.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Elogie-se o DN da PJ pelo desempenho dos seus investigadores.»

MAIS UMA POLÉMICA DA TRETA ENVOLVENDO UMA ESCOLA

«Recomendar cuidado no uso das roupas nas escolas é uma atitude "castradora". Pelo menos, é esta a opinião de Maria José Viseu, presidente da Confederação Nacional Independente de Pais e Educadores (CNIPE), que vê opções como a tomada na Escola Dr. Jorge Correia, em Tavira, como "um exagero" que colocam em causa a afirmação do jovem como indivíduo.

"Os chinelos não ofendem ninguém. Não entendemos esta opção das escolas." A dirigente considera que as direcções das escolas deveriam estar mais preocupadas com os exames e se os alunos estão preparados.» [DN]

Parecer:

Estes pais "independentes", muito provavelmente dependentes da Soeiro Pereira Gomes, não devem ter mais nada que fazer.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se aos estudantes que vão de cuecas para os exames, é mais fresco.»

SÓCRATES DISCORDA DE CAVACO

«Cavaco Silva declarou esta manhã, durante a sessão solene do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, que Portugal chegou a "uma situação insustentável" e que pela frente haverá "grandes trabalhos, enormes tarefas, inevitáveis sacrifícios".

Minutos depois, à margem do final da sessão solene, José Sócrates, em declarações aos jornalistas, recusou a classificação de Portugal viver uma "situação insustentável" e afirmou que Portugal estava sim numa "situação de dificuldade".» [DE]

Parecer:

Cavaco está a dramatizar a situação económica para se apresentar nas presidenciais como o salvador que sabe muito de economia, enfim, como um outro que endireitou as contas públicas e muitas outras coisas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Cavaco que não leve o país a uma depressão colectiva só para fazer esquecer o seu péssimo desempenho no cargo, pior ainda do que o do Américo de Tomaz.»

A OPERAÇÃO FURACÃO AINDA MEXE

«Administradores e directores do BCP, do BES, do BPN e do Finibanco são os actuais visados pela Operação Furacão. O Ministério Público (MP) investiga a forma como os bancos e outros promotores introduziram a fraude fiscal, que até aí era preparada apenas por consultoras.

Rosário Teixeira, procurador encarregue do caso, quer saber quem decidiu efectivamente em cada banco oferecer esse produto financeiro, ou serviço, aos seus clientes.

Finda a investigação aos "aderentes" - como foram baptizados os clientes/ beneficiários das operações que, como o i noticiou, serão agora notificados para pagarem e obterem a suspensão provisória dos seus processos -, o procurador quer descobrir quem, concretamente, entre os responsáveis por cada uma daquelas instituições bancárias, instituiu o esquema de fraude fiscal detectado na Operação e o tornou disponível aos clientes. » [i]

Parecer:

Depois de tanto tempo receava que se tivesse dissipado e desaparecido.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguardem-se mais meia dúzia de anos.»

AS BRINCADEIRAS DE QUEIROZ CUSTARAM A PRESENÇA DE NANI NO MUNDIAL

«O circo esteve na cidade mas depressa saiu: acabaram-se as brincadeiras. O Caso Nani obrigou Carlos Queiroz a pôr fim ao momento de descompressão que encerrava os treinos. E o que era esse momento? Bom, a coisa durava uns minutinhos e funcionava mais ou menos assim: os jogadores punham-se na carreira de tiro e tentavam marcar o melhor golo do dia. Fosse num remate, numa acrobacia aérea ou num toque de magia, todos iam tentando a sua sorte. Até Nani abusar da dele e cair no azar na sexta-feira passada: geriu mal um pontapé de bicicleta, deu uma queda feia e ficou agarrado ao ombro esquerdo. » [i]

Parecer:

Queiroz sempre teve muito jeito para treinar a miudagem.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pelo regresso precoce da selecção.»

PENSÕES: A PROPOSTA DE PASSOS COELHO TRAMA OS MAGISTRADOS

«A classe dos magistrados será a mais afectada pela imposição de um tecto de 5030 euros às futuras pensões a pagar pela Caixa Geral de Aposentações (CGA), proposto pelo PSD. De acordo com o levantamento feito pelo i junto da lista de pensionistas da CGA desde Janeiro de 2008 até Julho deste ano, foram atribuídas mais de 130 pensões com valor superior aos 5030 euros brutos. Neste bolo, mais de metade corresponde a aposentações de magistrados, entre juízes e procuradores.

Se a tendência se mantiver no futuro, esta será a classe profissional do Estado mais penalizada pelo limite que o PSD propõe, pelo menos no universo de pensionistas recentes da Caixa Geral de Aposentações. Depois da Justiça, as reformas "milionárias" do Estado são mais frequentes na Saúde - chefes de serviços hospitalares e directores de hospitais -; na Educação, reitores e professores catedráticos, e em algumas empresas públicas. O destaque aqui vai para os CTT, onde desde o início de 2008 terá havido pelo menos meia dúzia de altos quadros a sair com uma reforma superior a cinco mil euros - e há mesmo casos de pensões acima dos oito mil euros brutos.» [i]

Parecer:

Pedro Passos Coelho esqueceu-se de consultar a informação das aposentações.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao latifundiário alentejano do PSD o que pensa da proposta do seu partido.»

WIM LASSCHE

SAMUSOCIAL