sábado, abril 26, 2014

É a dialéctica ó estúpido!

 photo guerra_zps1c4d930a.jpg

Aos que insistem em não conhecer a história sugiro que vejam as estátuas de Lisboa

Quem prende a água que corre
É por si próprio enganado;
O ribeirinho não morre,
Vai correr por outro lado.

António Aleixo, poeta da minha terra

Muitos insistem em pensar que na história há grandes vitórias finais e não deixa de ser curioso que isso suceda numa época em que todas as ideologias são desmentidas. Ninguém na Europa e muito menos em Portugal acreditaria que o nosso muito bem sucedido merceeiro holandês seria hoje um capitalista de sucesso numa Polónia governada à direita e aliada subserviente da Alemanha. E muito menos acreditariam se lhes fosse dito que uma boa parte da fortuna desse senhor resultou de um bom aproveitamento das mudanças sociais apoiadas pelos comunistas portugueses, bem como pelos podres cujo desenvolvimento foi permitido pela democracia.
  
Passos Coelho está destruindo o modelo social construído desde 1974 para repor a estrutura de classes sociais anterior a 1974, um filho da classe média colonial, muito provavelmente educado numa visão ultraconservadora da democracia portuguesa e no ódio às consequências históricas do 25 de Abril está vingando os seus, mas esquece que de um dia para o outro tudo se pode inverter. Mas, essa gente que sonhava com um imenso império colonial em pleno século XXI não percebe que pretende um modelo social e económico incompatível com o actual nível cultural e académico dos portugueses. Os resultados estão à vista, uma boa parte dos nossos jovens partiram, vão partir, sonham partir ou têm a intenção de o vir a fazer, dantes partiam da miséria e da repressão, agora partem em busca de melhor e onde existam menos imbecis.
  
O mesmo Ulrich que hoje diz que "eles aguentam" tem uma boa parte da fortuna acumulada  escondida e ao abrigo de uma qualquer off shore, não vá o diabo tecê-las. O empregado bancário da família Eduardo dos Santos sabe muito bem que de um dia para o outro tudo se pode inverter. Todos os que imaginam que os modelos económicos e sociais evoluem no sentido daquilo que pensam ser o paraíso estão enganados e o mais grave é que persistem em enganar-se a si próprios.
  
Veja-se a Ucrânia e uma boa parte do Leste, há poucos anos era um paraíso na terra segundo a perspectiva dos comunistas portugueses, hoje é um viveiro de neo-nazis e economias capitalistas bem mais violentas do que as da Europa Ocidental. Quanto mais se força uma sociedade a ir num caminho diferente daquele que seria o escolhido pelo povo maior e mais violenta será a inversão dessa aberração. De nada serve criar falsos paraísos que ninguém desejou.
  
Do cimo da sua santa ignorância Passos Coelho está convencido de que é um visionário, faz o que quer agora e daqui a uns anos verá estátuas suas por todo o lado em sinal de gratidão pela sua obra. Cavaco Silva também fez dos seus mandatos uma maratona de inaugurações à custa das ajudas comunitárias conseguidas por Mário Soares nas negociações de adesão e hoje é um autêntico morto vivo, um zombie do século XX que já morreu politicamente mas alguém se esqueceu de o enterrar na luxuosa Quinta da Coelha.
  
A direita está usando a Troika para fazer chantagem sobre os portugueses e tem a sensação de vitória, de que a democracia é uma farsa e a Constituição não existe. Está enganada e isso só prova que insiste em ser burra, mais tarde ou mais cedo a história seguirá o seu curso  e como cantava Zeca Afonso aprenderá que “o povo é quem mais ordena”. O que Passos Coelho está fazendo não é destruir o 25 de Abril mas sim criar todas as condições para que aconteça outro. Como lhe diria um velho marxista mais empedernido "é a dialéctica ó estúpido!".

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo Grafitti_zps53d4ccdb.jpg
     
Grafitti, Lisboa
  
 Fotos enviadas pelos visitantes d'O Jumento

 photo cravo_zpsede9b974.jpg

Cravo em Lisboa neste 25 de Abril (P. Santos)
  
 photo Cravos_zps341d6bc7.jpg

Praça da República em Ovar, este 25 de Abril (M. Henrique)

 Jumento do dia
    
Cavaco Silva

O discurso de Cavaco foi pobre, banal, intelectualmente fraco, desprovido de inteligência política e será esquecido em menos de 24 hora. Cavaco não disse nada que mereça registo, se as comemorações do 25 de Abril tivessem sido feitas numa missa de acção de graças pela inspiração que Deus tem dado a Passos Coelho este discurso serviria perfeitamente para homilia. Aliás a imagem que melhor caracteriza esta presidência é a do sacristão a quem cabe abrir e fechar a igreja e ajudar na missa.

Como seria de esperar o discurso tinha de ter o seu momento cavaquista, o selo de um presidente que nunca foi nem será capaz de o ser dos portugueses mas sim dos militantes e simpatizantes do seu partido. Falando do 25 de Abril não referiu os militares de Abril entretanto já falecidos ou as vítimas das balas da PIDE no dia 25 de Abril, das vítimas mortais do terrorismo da direita do ELP, dos perseguidos pelos independentistas da MAdeira e dos Açores hoje integrados no PPD. Foi lembrar-se do arraial do cerco ao parlamento, mostrando que é incapaz de enterrar os velhos machados de guerra..
 
"É difícil compreender que agentes políticos responsáveis não consigam alcançar entendimentos"

Quem o diz é alguém que exerceu o cargo durante uma década e durante todo esse tempo não procurou qualquer entendimento seja com quem for e designava as instituição da República por forças de obstrução. Pior, o seu poder começiou exactamente por destruir o consenso entre o PSD e o PSD, levando ao derrube de um governo maioritário por um governo minoritário, por si chefiado e que aproveitou para adoptar medidas populistas, como a (nacionalista) revalorização do escudo que conduziu o país à bancarrota e a um pedido de ajuda ao FMI.

"... se privilegia o insulto e a difamação, o imediatismo e a superficialidade"

Quem escreveu o discruso a Cavaco tentou limpar o que ele disse oralmente escolhendo outras palavras, desapareceu a palavra crispação ou politiqueira o que se percebe muito bem, eram adjectivos que assentavam que nem uma luva a comportamentos e declarações do passado. Quem agora fala de insulto é o mesmo presidente que deu cobertura à actuação do seu braço-direito Fernando Lima que em colaboração com um jornalista do Público montou uma conspiração contra um governo democrático sugerindo que escutava o Palácio de Belém.

"Existe uma insatisfação crescente com o funcionamento do nosso sistema político"

Aqui Cavaco tem alguma razão, os seus amigos iam afundando o sisetma financeiro, os seus parceiros de governo são hoje riquíssimos e até ele foi acusado de fazer negócios muito originais com as acções da SLN ou com trocas imobiliárias vantajosas. Como se pode esperar que o povo tenha consideração por estes políticos?

"Ou persistimos numa visão de curto prazo, olhando para aquilo que nos divide, ou pensamos Portugal numa perspectiva de futuro, partindo daquilo que nos une"

Pois, foi precisamente isto que Cavaco Silva fez quando era primeiro-ministro, usou o dinheiro do FSE para promover a formação profissional, apostou nas ciências e nas universidades, investiu na ciência. É fácil seguir esta orientação de Cavaco SIlva, basta fazer o que ele fez enquanto primeiro-ministro.
 
"É tempo de abandonarmos a política de vistas curtas, ditada pelo tacitismo e pelos interesses de ocasião"

Quem agora parece querer atingir a oposição falando de taticismo e de interesses de ocasião, alinhando com o discurso governamental, foi o mesmo que ignorou as mais elementares regras da democracia e tentou "comprar" o apoio do PS à política do actual governo a troco de eleições em que aquele partido poderia chegar ao poder. Cavaco devia explicar aos portugueses o que entende por taticismo.

"É difícil compreender que numa democracia consolidada agentes políticos responsáveis não consigam alcançar entendimentos sobre questões essenciais para o nosso futuro coletivo"

O que é difícil de entender não é isso, é o facto de um presidente de uma democracia não entender que há posições irreconciliáveis e é para isso que servem as eleições, a democracia não é a ditadura da unanimidade imposta por agentes presidenciais ao maior partido da oposição.

"Diversos sinais apontam para um aumento das assimetrias que podem pôr em causa a coesão do país, como as desigualdades na distribuição do rendimento, as situações de pobreza, a desertificação de vastas parcelas do interior ou as acentuadas disparidades entre o litoral e o interior."

Sinais? Parece que Cavaco tem um problema grave de glaucoma político. Não são os objectivos do governo que apoia e são as políticas que ele quer que sejam consensuais.

 Cheiro a bafio

E qual será o cheiro dos livros sobre Salazar que ele aconchega debaixo da sua bunda durante as viagens oficiais?
 
 Manobras e batalhas navais

 photo Barracuda_zps22d9798b.jpg

Sempre que Paulo Portas dá sinais de divergência em relação a Passos Coelho surgem notícias sobre submarinos, desta vez o conflito estalou em torno de uma eventual descida do IRS e Paulo Portas foi ouvido como testemunha num processo que leva mais tempo e dinheiro aos contribuintes do que uma viagem de circunavegação no velhinho submarino NRP Barracuda, na imagem.

às vezes fica-se com a impressão de que entre Portas e Passos em vez de haver luta política há uma batalha campal. O problema é que nesta batalha que decorre na piscina do Palácio de São Bento enquanto Paulo Portas atinge o porta-aviões com disparos de very lights recebe em troca torpedos sob a forma de supositórios.

Será que é a esta crispação e falta de consenso que Cavaco Silva se refere qnos seus sucessivos discursos e intervenções públicas?

 Speed Flying au Mont-Blanc

 
 Sugestão a Passos Coelho

E porque não concessionar o Zoo de Lisboa a privados? Se dá prejuízo compensam-se os privados oferecendo-lhes os deputados da maioria como compensação, sempre podiam dar uns números de circo como aqueles a que já nos habituaram.
 
 25 de Abril

O povo esteve na rua, os jornalistas foram à festa da Çãozinha.
 
 Não havia mais ninguém para a capa o 25 de Abril?

 photo prim_zps0bca489f.jpg
   
   
 Agora já não gozam com o Magalhães
   
«Um ato cultural na Venezuela assinalou na quinta-feira a cifra de um milhão de computadores portáteis Canaima (nome local do Magalhães) montados ao abrigo dos acordos de cooperação celebrados entre Lisboa e Caracas

O ato teve como propósito assinalar também o Dia Internacional dos Meninos, Meninas e Jovens em Tecnologias de Informação e Comunicação, uma iniciativa da União Internacional de Telecomunicações e que contou com a presença dos ministros de Ciência, Tecnologia e Inovação, Manuel Fernández, e da Educação, Héctor Pérez.» [DN]
   
Parecer:

A sorte do Magalhães é ser um produto de uma empresa privada, não teria escapado ao ódio de Passos a tudo o que seja obra de Sócrates.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
     
 Russos gozam com destroyer americano?
   
 photo SU-24_zps9b125668.jpg
  
SU-24

 photo destroyer-Donald-Cook_zpsbd822ae6.jpg

Destroyer Donald Cook
  
«Na semana passada, foi discutido ativamente na internet russa um comunicado de como um bombardeiro da frente russo Su-24 equipado com um o sistema de neutralização radioeletrônica de última geração paralisou no mar Negro o mais sofisticado sistema americano de combate Aegis a bordo do destroier Donald Cook.

O destroier participava das manobras americano-romenas.

“Destaque-se que a entrada de navios militares americanos neste espaço aquático contraria a convenção sobre o caráter e os prazos de permanência no mar Negro de embarcações de guerra dos países não banhados por este mar”, diz Pavel Zolotarev, perito em assuntos políticos.

A Rússia, por seu lado, enviou um avião desarmado Su-24 para sobrevoar o destroier americano.

O Aegis ainda de longe teria interceptado a aproximação do avião dando alerta de combate. Tudo decorria como de hábito, tendo os radares calculado a distância até o alvo. Mas de repente todos as telas se apagaram. O Aegis deixou de funcionar e os mísseis não receberam a indicação do alvo. Entretanto, o SU-24 sobrevoou a coberta do destroier, fez uma virada de combate e imitou um ataque de mísseis. Depois fez uma volta e repetiu durante 12 vezes consecutivas a manobra.

Após o incidente, o Donald Cook entrou com urgência num porto da Romênia.» [Gazeta Russa]


   
   
 photo Suha-Derbent-2_zps55e1b14b.jpg

 photo Suha-Derbent-6_zpseb523b48.jpg
 
 photo Suha-Derbent-5_zpsd1e01ec8.jpg

 photo Suha-Derbent-4_zps1f5badd8.jpg
 
 photo Suha-Derbent-1_zps6f56edbe.jpg

 photo Suha-Derbent-3_zps6f2f235c.jpg

 
 
 
     

sexta-feira, abril 25, 2014

O 24 de Abril de Marcelo e o 25 de Abril de Passos Coelho

 photo Zeca1_zps50ee6ca7.jpg
  
No dia 24 de Abril de 1974 governava a direita contra a vontade do povo sendo Marcelo Caetano o primeiro-ministro, hoje é também a direita que governa, desta vez contra o povo e o primeiro-ministro é um rapazola chamado Passos Coelho.  Em 1974 Portugal sofria de uma profunda crise económica em consequência do choque petrolífero que teve como consequência uma perda acentuada de competitividade e um aumento da factura do petróleo e o consequente agravamento do desequilíbrio da Balança comercial. Em 2015 o país sofre as consequências de uma crise financeira mundial e dos desequilíbrios resultantes de uma união monetária anárquica, sem regras e sem qualquer regulação.

O que difere a direita daquele tempo desta direita?
  
Em 1974 a direita fazia eleições que eram uma farsa e impunha uma ditadura para governar sem ter de respeitar a opinião do povo e para manter a ditadura contava com a ameaça de uma polícia política. Em 2015 Passos Coelho ganhou as eleições fazendo uma farsa e chegado ao poder está-se lixando para eleições governando sabendo que o está fazendo contra a vontade do povo e impõe o seu programa com recurso às ameaças da Troika.
  
Em 1974 havia censura porque os jornalistas queriam dizer a verdade, os portugueses procuravam no meio da informação sem interesse a mensagem codificada dos jornalistas que lutavam contra o regime. Em 2015 não há censura e os portugueses tentam encontrar no meio da mentira o bocadinho de verdade com que jornalistas apoiantes do poder tentam ludibriar quem os lê ou os ouve.
  
Em 1974 Marcelo Caetano procurava o apoio do povo à direita recorrendo a conversas de família onde à sua maneira tentava dizer o que pensava. Emn 2015 Passos Coelho dá entrevistas a pequenos sabujos sempre que receia uma queda acentuada nas sondagens e em seu apoio conta com várias conversas em família semanais onde personagens do seu partido tenta denegrir a oposição.
  
Em 1974 o governo era chefiado por um afilhado de Salazar e apoiado em ministros com elevada formação académica e era apoiado por um almirante banana em Belém. Em 2015 o país é governado por um afilhado de Ângelo Correia, tem gente que tirou cursos sem terem feito e um exame e é apoiado em Belém por um senhor de que a história dirá que subiu a um coqueiro.
  
Em 1974 havia aquilo a que alguns chamaram de primavera marcelista, em 2015 com Passos Coelho o país vive um inverno da democracia.
 
 

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo _Abril_zps15e97817.jpg
     
Parada militar no dia 25 de Abril de 2004, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Paulo Portas

Ainda bem que Paulo Portas solicitou um esclarecimento público por parte da PGR, assim todos podemos dormir descansados pois o vice de Passos Coelho é mesmo inocente no processo. Graças a Deus.

«Foi Paulo Portas quem pediu ao Ministério Público que comunicasse publicamente a sua audição como testemunha no processo dos submarinos, confirmou ao DN fonte oficial da Procuradoria-geral da República. Para isso, o vice-primeiro ministro invocou junto do MP uma disposição na lei que admite "esclarecimentos públicos quando forem necessários ao restabelecimento da verdade e não prejudicarem a investigação" a "pedido de pessoas publicamente postas em causa".

Aliás, foi com base neste artigo da lei (alínea a) do nº13 do artigo 86 do Código do Processo penal) que a Procuradoria-geral da República emitiu, hoje, um comunicado, dando conta da audição de Paulo Portas no Departamento Central de Investigação e Acção Penal como testemunha no processo dos submarinos.» [DN]
 
      
 A notícia do Coelho esfolado é exagerada
   
«Ontem, num ambiente económico - aniversário do Diário Económico e discussão sobre o fim da troika - Pedro Passos Coelho saiu-se com esta frase: "Não devemos esfolar um coelho antes de o caçar." A assistência riu, como nos cabe, povo simpático, perante frases surpreendentes. É verdade que o primeiro-ministro, sorrindo, mostrou que assumia a piada quando prosseguiu: "Eu que estou aqui e sou Coelho, não gostaria de ser caçado antes de poder dizer que nós concluímos todos os exercícios do programa de ajustamento." Ora tudo isto não faz sentido nenhum. A menos, como julgo, que o faça. Comecemos pelo inverosímil: "Não devemos esfolar um coelho antes de o caçar" dito por alguém chamado Coelho ou Melquíades é o mesmo, é sempre tolo. Mesmo os portugueses acusados de pouco sentido prático sabem que esfolar um coelho que esperneia é difícil, quanto mais ousar fazê-lo a um que ainda corre nos bosques! Por isso, porque o povo é sábio, é que não há nenhum provérbio assim. Há é um provérbio que soa parecido: "Não vendas a pele do urso antes de matá-lo"... E era aqui que o primeiro-ministro queria chegar, tanto que inventou uma frase e colou-se a ela ("eu, que sou Coelho"). Afinal, não era de economia que ele falava, mas de política: "A notícia de que o Coelho já está esfolado é exagerada...", lançou ele aos adversários. Foi subtil e se Seguro fosse prudente atirava-se também a provérbios imaginativos. O debate político ficava a ganhar.» [DN]
   
Autor:
 
Ferreira Fernandes.
   
   
 A direita no seu melhor
   
«O PSD na Madeira decidiu excluir o símbolo do CDS dos cartazes da candidatura da Aliança Portugal ao Parlamento Europeu.

Ao contrário dos sociais-democratas açorianos que adoptaram a mesma linha gráfica da coligação nacional, no cartaz afixado esta semana no Funchal, com a fotografia da candidata madeirense Cláudia Aguiar, apenas figura o símbolo e sigla do “PPD/PSD Madeira”. Por “Uma nova Europa, a das pessoas e não do capital”, os mupis têm, no canto inferior direito, uma referência à Aliança Portugal mas omitem o símbolo do parceiro CDS/PP que estará impresso, ao lado do PSD, no boletim de voto do círculo único nacional.

A exclusão do CDS/PP dos cartazes “só prejudica a coligação, porque confunde os eleitores que verão os dois símbolos no boletim de voto”, declara o líder regional dos populares, José Manuel Rodrigues, ao PÚBLICO. “Sinceramente, não consigo perceber com que objectivo amputaram o símbolo da Aliança Portugal”, confessa.» [Público]
   
Parecer:

E chamam a essa treta "Aliança Portugal".
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Paulo Portas se também tem um relógio com a data em que vai recuperar a sua dignidade..»
  
 Até tu Tó?
   

«- Senhor ministro, calça Portugal? 
- Às vezes calço Portugal 
- depende, tem dias! 
- Isso quer dizer que nem sempre calça sapatos portugueses, certo? 
- Todos nós temos a oportunidade de comprar mais português, como é evidente. 
- Mas neste momento calça sapatos portugueses? Teve esse cuidado? 
- Neste momento? Não.   

Este diálogo, entre o jornalista do Negócios e o ministro da Economia, aconteceu a 4 de Março passado, em Milão, no final da visita de Pires de Lima a algumas empresas portuguesas presentes na Micam, maior feira mundial de calçado.    

O ministro da Economia confessou então que calçava sapatos de marca estrangeira quando tinha acabado de elogiar a performance da indústria nacional de calçado, “um sector exemplar em Portugal”, que merece que tenha “decidido sair do conforto da Horta Seca [onde se situa o Ministério da Economia, em Lisboa], para estar em Milão estes dois dias com os empresários do calçado”. (...)

Na manhã desta quarta-feira, na Conferência Executive Digest, que decorreu na Católica Porto Business School, subordinada ao tema “A contribuição da indústria para o desempenho global da economia”, Pires de Lima, após voltar a referir a indústria nacional de calçado como um sector “exemplar” em Portugal, rematou: “Até eu já tenho já tenho sapatos portugueses» [Jornal de Negócios]
   
Parecer:

XCoitado, desde que deixou o negócio da bebedeira e sofreu os cortes no vencimento do Estado até já usa sapatos próprios dos xungas...
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «A Santinha da Horta Seca calça-se bem, faz lembrar os sapatinhos Prada do Ti Ratzinger.»
   
 Cavaco Silva vai à China
   
«O parlamento aprovou hoje por unanimidade a deslocação do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, à República Popular da China entre 11 e 19 de maio, para uma visita oficial a convite do seu homólogo Xi Jinping.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Quando o então ministro das Finanças foi à China Cavaco interrogou-se sobre de onde estaria a vir o dinheiro para Portugal. Parece que agora a China já não faz comichão.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco se optou pela China porque a Dona Maria queria ver a Grande Muralha à borla.»
   
   
 Afinal a Santinha das Horta Seca não é milagreira
   
«Os maiores exportadores portugueses contribuem bem menos do que se pensa para o aumento da riqueza interna da economia, vulgo PIB, diz o Banco de Portugal.

O caso mais evidente é o do sector dos produtos petrolíferos refinados, onde a Petrogal (grupo Galp) é o maior ator: é o grande exportador por excelência, em peso e em dinamismo anual, mas importa tanto que acaba por quase anular o seu contributo aparente para a expansão anual.

No boletim económico da primavera, o banco central governado por Carlos Costa denuncia a situação, analisando o que aconteceu em 2013. “Por exemplo, os produtos petrolíferos refinados reduzem o seu peso (de 7,8% nas exportações nominais totais de bens para 1,9%) enquanto os artigos de vestuário registam um aumento (de 5,5% para 7,1%)”. É a diferença entre considerar-se a evolução normal – utilizada pelo Governo para se congratular pelo sucesso do ajustamento externo – e usar uma medida corrigida da dependência desses sectores às importações.

Também o contributo líquido dos refinados é muito menor. As exportações de bens totais avançaram 27,4% em 2013, sendo que o contributo oficial do sector em causa se saldou em 2,1 pontos percentuais. A medida corrigida baixa essa ajuda para apenas 0,5 pontos.» [DN]
   
Parecer:

Está desmontada mais uma mentira do governo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento à Santinha da Horta Seca»
   
 Podemos ficar descansados
   
«O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, garantiu hoje em Cantanhede que não será "candidato nestas eleições para a presidência da república".

O ainda presidente da Comissão Europeu - que falava em Cantanhede, onde foi receber a medalha de ouro do município - argumentou que precisa de mais tempo para a família e para "as leituras".» [DN]
   
Parecer:

Parece que nos vamos livrar do cheiro do peixe podre.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Festeje-se.»
   
 Pobre secretariozinho de Estado da Cultura
   
«A Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, cumpriu hoje a promessa de avançar com novas acções judiciais para travar a venda das 85 obras de Joan Miró do espólio do BPN. Fontes judiciais confirmaram ao Económico que deu entrada hoje de manhã no Tribunal Administrativo de Lisboa (TAL) uma terceira providência cautelar que visa impedir a saída da colecção do artista catalão para Londres, bem como o leilão das obras que estava previsto para Junho.

Esta nova acção judicial foi já aceite pelo TAL, que proferiu um despacho a impedir a saída das obras e o leilão, congelando assim todo o processo de venda que está em curso. Esta providência cautelar, segundo a mesma fonte, "visa evitar que as requeridas [Ministra das Finanças, Secretário de Estado da Cultura, Parvalorem, Parups e a própria Christie'S] promovam a saída e leilão das obras em causa sem que previamente seja cumprida a lei". Em causa está, diz, a Lei de Bases do Património Cultural, que "é uma lei de valor reforçado", pelo que não pode ser dada nenhuma autorização de expedição das 85 obras Miró enquanto não estiverem assegurados os procedimentos de inventariação e classificação das obras. O que só por si inviabiliza o leilão que a Christie's tem marcado para Junho, em Londres.» [DE]
   
Parecer:

O homem nunca mais se vê livre dos Miró.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
     

   
   
 photo Marta-Syrko-2_zps46101292.jpg

 photo Marta-Syrko-1_zps54420ee5.jpg
 
 photo Marta-Syrko-5_zps54b62823.jpg

 photo Marta-Syrko-3_zps141c1dc5.jpg
 
 photo Marta-Syrko-4_zps6220e876.jpg