sábado, outubro 11, 2014

Mas que merda de democracia económica

A “democracia económica” foi uma das bandeiras do modesto economista que anda armado em grande revolucionário, de tal forma que quando quer escapar-se Às consequências das suas opções brutais em matéria de austeridade defende-se dizendo que quando se afirmava mais troikista do que a troika referia-se às privatização.
  
A democracia económica de Passos resultava de quatro vectores:
  • A eliminação das empresas em excesso em sectores que considerava inúteis, como a construção civil e a restauração. Passos nunca se sentiu incomodado pela falência em massa de empresas ou pelas consequências sociais desse fenómeno, por mais de uma vez chegou mesmo a gabar-se dos resultados dessa eugenia económica que em conjunto com Vítor Gaspar promoveu.
  • A privatização das empresas que o Estado ainda detinha bem como de segmentos do Estado que poderiam ser lucrativos se explorados por empresas privadas e em conformidade com os mecanismos de preços do mercado.
  • A eliminação das golden shares que o estado detinha em empresas estratégicas permitindo aos seus accionistas privados uma gestão em conformidade apenas com os seus interesses financeiros.
  • A implementação de uma política de austeridade brutal que permitisse a transferência de riqueza para as empresas, promovendo o su financiamento e recapitalização.

Desta forma Passos e Gaspar esperavam:
  • Uma recuperação rápida do crescimento com taxas elevadas graças à transferência de riqueza em ritmo acelerado para as empresas.
  • A animação da economia graças aos capitais atraídos pelas privatizações.
  • O refinanciamento do sistema financeiro.

Mas esta mistura de ideologia com livros duvidosos resultou num desastre, a banca afundou-se, o crescimento é inferior ao registado durante a anterior legislatura e ninguém investiu. Algumas grandes empresas passaram para controlo estrangeiro, designadamente, chinês, outras ruíram e os bancos estão à beira de entrar em coma induzido. A experiência gaspariana conduzida por um incompetenet de nome Passos Coelho foi um desastre e a democracia económica reduz-se a um professor pentelhos a ser bem pago para fazer o que os chineses lhe ordenam. O Gaspar percebeu cedo o desastre a que conduziu o pa´si e à primeira oportunidade fugiu, ficou um Passos convencido de que o golpe de sorte o ajudará a sobreviver.

 O país está assistindo impávido e sereno à maior destruição de riqueza colectiva, à entrega ao estrangeiro e a custo reduzido de grandes empresas estratégicas e á destruição de sectores fundamentais para o futuro do país como o ensino público, a justiça e a saúde. E ninguém faz nada contra isto?
 

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo Terreiro_zpsbd8ba683.jpg

Terreiro do Paço (Ministério das Finanças), Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Nuno Crato

Este ministro decide demitir-se ou vai ter que ser empurrado ou, melhor, terá de ser drenado para aliviar o abcesso em que está transformada a escola pública?

«As escolas abriram portas há um mês mas há ainda 315 horários por preencher. Esta sexta-feira chegaram novas listas às escolas. Foram colocados cerca de 4.000 docentes numa semana.» [Observador]

 O trombone



Se tivesse de ser escolhido o instrumento que melhor significa esta fase do governo esse instrumento seria o trombone, que o digam o Ricardo Salgado e os donos da Tecnoforma.

      
 É assim, percebem?
   
«Olá, Frederico, tudo bem?

Agora chamo-me Friedrich. Heil Hitler.

OK, Friedrich. Como é que é a vida aí em Auschwitz?

Temos muito trabalho, chega um transporte de prisioneiros uma vez por semana, é preciso escolher os que estão capazes para trabalhar. Estamos horas em pé a examiná-los, é duro. E temos de andar sempre em cima deles para trabalharem, são muito preguiçosos. Mas tudo pela pátria e pelo Fuhrer. Heil Hitler.

O que sucede aos que não estão capazes para trabalhar?

Isso é confidencial.

Há relatos que dizem que os matam.

Não acredite em tudo o que se diz, há muitas mentiras fabricadas pelos Aliados para pôr as pessoas contra a Alemanha nazi. Mas fazemos o que é preciso para nos defender dos nossos inimigos e para defender a pátria mãe. Heil Hitler.

Mas que mal fizeram essas pessoas que estão a levar para os campos?

São inimigos da Alemanha. Acha que se não fossem inimigos estavam aqui? São sabotadores, membros de uma conspiração global contra a pátria mãe. Não merecem o ar que respiram.

Já matou algum?

Prefiro não responder.

Que pensa sobre isso, sobre matar alguém?

Matar é fácil.

Como é que o filho de emigrantes em Munique foi parar às SS?

A primeira vez que ouvi Hitler falar mudou alguma coisa em mim, foi uma revelação. Percebi que aquele homem tinha respostas para tudo e indicava o caminho certo. Alistei-me na Juventude Hitleriana e depois nas SS. Tive sorte de me aceitarem, apesar de ser estrangeiro.

Era capaz de matar alguém da sua família se fosse considerado inimigo da Alemanha e do Fuhrer?

Sou capaz de matar qualquer um que lute contra a Alemanha e o Fuhrer. Heil Hitler.

Consegue descrever-me o seu dia?

É uma vida normal. Tenho o meu trabalho como guarda. Quando não estou a trabalhar fico em casa com a minha mulher, que cozinha muito bem, e os meus filhinhos. Ou a conviver com os outros guardas, que são adoráveis. Gentis, honestos e muito bravos. Os melhores de todos. Não nos falta nada aqui, somos felizes. Exceto a comida portuguesa. Tenho saudades de uma boa cabidelazinha.

Pensa voltar a Portugal?

Sim, o Fuhrer vai conquistar primeiro a Europa, depois o mundo inteiro. Hei de entrar em Portugal com uma arma numa mão e a bandeira da suástica na outra. E toda a gente que resistir já sabe o que lhe sucede. (ri) Heil Hitler.

Obrigada, Friedrich.

Obrigado eu, quando quiser alguma coisa aqui de Auschwitz apite.
(inspirado na entrevista a um "jihadista português" do "Estado Islâmico" publicada ontem na Sábado)» [DN]
   
Autor:

Fernanda Câncio.

      
 Sintomas da decadência do governo
   
«A Procuradoria Geral da República está a investigar a tentativa de privatização da TAP que teve como único concorrente Germán Efromovich.

O processo teve início, de acordo com a edição de hoje do Diário Económico, no ano passado e desenvolveu-se nos últimos meses, com a descoberta de factos novos que levaram ao alargamento da investigação. O jornal escreve que a investigação está a ser levada a cabo pela PJ por suspeitas de prática de crimes de tráfico de influências e corrupção na tentativa de privatização da TAP. O empresário brasileiro-colombiano Germán Efromovich foi o único candidato.» [DN]
   
Parecer:

Multiplicam-se os sintomas de decadência de um governo que caminha para a queda inevitável, agora todos eram contra o Passos Coelho e até o MP faz investigações, mas a novidade não está nas investigações, está no facto de alguém querer que se saiba da sua existência.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Sintomas da decadência do governo
   
«Francisco Ribeiro de Menezes deixa, a 15 de outubro, o cargo de chefe de gabinete de Pedro Passos Coelho em S. Bento, sendo substituído por Gilberto Jerónimo, que é atualmente assessor diplomático do primeiro-ministro.

Diplomata de carreira, Ribeiro de Menezes vai assumir o cargo de embaixador de Portugal em Madrid, em novembro. A futura assessora diplomática de Passos será Virgínia Pina, de 45 anos, também diplomata de carreira e que estava colocada na Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia (Reper), em Bruxelas.» [Observador]
   
Parecer:

Começou o salve-se quem puder.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 A revolta vai alastrando a toda a nossa alma
   
«A reunião vai decorrer num hotel em Lisboa e no final serão apresentadas "soluções e propostas" para dar resposta à insatisfação daqueles militares, que em abril passado deram um primeiro sinal de protesto com a adesão em bloco de 98 pilotos à Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA).

Amanhã, deverá ser aprovada a criação de um "colégio" de pilotos da Força Aérea dentro da AOFA, uma figura prevista nos estatutos daquela associação e que ficará centrada na resolução dos problemas atuais que dizem afetar o trabalho operacional.

A degradação das condições de trabalho, as reduções salariais e de suplementos específicos por um lado, e o "desinvestimento na segurança e treino" das tripulações são os principais motivos de insatisfação, disse à Lusa, em abril, um dos pilotos, que pediu anonimato para não incorrer na violação do dever de sigilo.» [DN]
 
 photo Drone_zps50bed071.jpg

Parecer:

Este país precisa de se livrar de Cavaco e do seu governo imbecil o mais depressa possível.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mande-se este governo abaixo antes que se faça tarde.»

 A Barca já mete água
   
«Críticas nas redes sociais podem ter provocado a primeira baixa no painel de comentadoras do programa da RTP Informação. "Lamento a sua decisão, mas a 'Barca' segue a todo o vapor", diz José Manuel Portugal .

O diretor de Informação da RTP diz ao DN que lamenta a saída da comentadora de Barca do Inferno. "Tenho pena que a Marta Gautier não tivesse dado mais tempo a si própria para se adaptar ao novo registo e adaptar ao formato". O programa estreou-se segunda-feira à noite, moderado pelo humorista Nilton, com um painel de comentadores, que inclui Manuela Moura Guedes, Isabel Moreira, deputada do PS, e Raquel Varela, investigadora.» [DN]
   
Parecer:

Um dia destes a Guedes vai ser a única embarcadiça.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Mais um pequeno espalhanço do incompetente Crato
   
«Novas colocações de professores estão a chegar às escolas, mas os docentes têm até terça-feira para a aceitar o lugar. Ministro tinha assegurado que processo terminava hoje.» [DN]
   
Parecer:

Parece que este folhetim vai durar até às férias de Natal.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «lamente-se.»

 Isto ainda vai acabar mal
   
«A Tecnoforma anunciou esta sexta-feira que vai processar criminalmente o ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, por "declarações proferidas publicamente" no âmbito do caso Tecnoforma, relacionado com pagamentos ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. 
  
A eurodeputada Ana Gomes e o historiador e comentador político José Pacheco Pereira são outras das pessoas contra quem a Tecnoforma vai participar criminalmente, por se sentir "lesada no seu bom nome, prestígio e credibilidade", segundo um comunicado assinado pela administração da Tecnoforma - Formação e Consultoria, divulgado pelos advogados da empresa.» [DN]
   
Parecer:

parece que a Tecnoforma não quer arcar sozinha com os prejuízos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Ofereça-se um trombone aos donos da tecnoforma.»

   
   
 photo Arman-1_zps6ed970e6.jpg

 photo Arman-4_zps8385dc96.jpg

 photo Arman-2_zps54242775.jpg

 photo Arman-3_zps4aa22008.jpg

 photo Arman-5_zps5cde8a6c.jpg
  

sexta-feira, outubro 10, 2014

Uma sharia da Opus Dei na fiscalidade?

Aquilo que se está a passar com a suposta reforma do IRS é um espectáculo que começa a ser ridículo, o governo porta-se de forma infantil num domínio que merece ser tratado com seriedade.
  
Para eliminar benefícios fiscais ou para decidir um aumento brutal do IRS o PSD e o CDS não precisaram de ouvir os sábios da direita nem de sequer de pensar muito tempo, tudo foi decidido em horas. O aumento brutal do IRS foi decidido de uma forma que lembra o velhinho anúncio da bagaceira Aldeia Nova, “Ai não tem Aldeia Nova? Então dê-me um pastel de bacalhau”. Vítor Gaspar dizia que queria criar emprego e decidiu reduzir a TSU dos patrões à custa de um aumento da TSU dos trabalhadores, como o país se opôs decidiu num dia que aumentaria o IRS.
  
Há meses que a secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais usa a reforma do IRS para gerir a estratégia pessoal de comunicação do seu responsável, nem mesmo a vitória de Costa nas directas se escapou a esta estratégia manhosa, no dia seguinte a secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais tentou desvalorizar o impacto da vitória de António Costa lançando na comunicação social o esquema da inclusão no IRS das famílias dos velhinhos com reformas miseráveis.
  
Sempre que o secretário de Estado, uma espécie de ministro das Finanças do mini-governo do CDS, precisa de reanimar a sua imagem na comunicação social convida mais uma personalidade ou associação para discutir a reforma, como sucedeu, com o sempre útil Daniel Bessa. EM alternativa, levanta um pouco o véu da reforma e dá a conhecer mais uma medida.

Foi o que sucedeu com a ideia peregrina dos velhinhos, uma medida cujo impacto financeiro é bem menor do que os benefícios da propaganda, para conseguir os mesmos resultados na gestão da imagem o governo teria de gastar muito mais do que o montante que vai perder em receitas. Esta medida não tem qualquer impacto financeiro e traduz-se numa redução da carga fiscal de quase 0%, mas durante um ou dois dias a medida foi vedeta na comunicação social.
  
No caso dos incentivos à natalidade assiste-se a um comportamento do CDS que roça o miserável, o Lambretas cortou em todos os apoios sociais, aumentou o número de crianças nas turmas dos infantários para pobres, cortaram brutalmente nos abonos de família, fez todos os possíveis para aligeiras a despesa do Estado aliviando todos os custos do combate à pobreza. Agora dizem que querem incentivar a natalidade com benefícios fiscais que numa família de parcos recursos mal dá para comprar preservativos que impeçam o aumento da miséria.
  
Este benefício devia ser designa por benefício opus família pois os grandes beneficiários são as famílias numerosas por opção religiosa, isto é as boas famílias da Opus Dei. Já beneficiam de facilidades no emprego pois os senhores da Opus Dei favorecem os seus (lembran-se do BCP do Jardim Gonçalves), tem descontos nos colégios da Opus Dei e agora ainda beneficiam no IRS.
  
No meio disto tudo em vez de os problemas serem discutidos no parlamento fica-se com a imnpressão de que não É na AR que está a oposição, é dentro do próprio governo, com o coordenador Portas a falar de redução do IRS e o seu ministro das Finanças privativo a prometer aumentos de receitas, ao mesmo tempo que a coordenada Maria Luís diz o contrário. Só não se entende a razão porque Cavaco não vai promover a sua cultura de compromisso dentro do seu governo.
  
por aquilo que se vai ouvindo a reforma do IRS corresponde a uma opção ideológica de raíz religiosa, é como se no domínio fiscal passasse a vigorar uma espécie de sharia cristã conduzida pela Opus Dei.

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo Alfama_zps4ff7106c.jpg

Alfama, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Durão Barroso

Basta ler o artigo de António Costa, director do Diário Económico, para se perecber que a mentira, comum na vida política portuguesa, chegou a Bruxelas. Não é difícil de perceber como é que a Comissão Europeia mente a pedido de um governo como o português, é um efeito de contaminação que só se explica pelo facto de a direita portuguesa contar com Durão Barroso até ao fim deste mês.
 
 Nova estratégia de comunicação na justiça
 
A ministra finalmente percebeu que já ninguém a conseguia suportar e decidiu deixar de aparecer.

 Epidemia de ébola

Este governo já não governa, desgoverna e usa truques elementares de propaganda para ir sobrevivendo um dia de cada vez na esperança de conseguir levar a legislatura até ao fim. O truque mais recente é tratar os problemas na justiça e nas escolas com uma grande epidemia de ébola.

Da barracada desastrosa na Justiça já ninguém fala e o ministro Crato já está a soro, agora o país está sendo inundado por uma imensa manobra de propaganda. O Opus ministro Macedo que na DGCI se especializou em propaganda está agora a fazer passar imagem de um país que enfrenta eficazmente uma grande epidemia de ébola. Vale tudo, desde sucessivas intervenções publicitárias por parte do Opus Macedo a representações conduzidas pelo director-geral de saúde e com a enfermeira Elisabete a fazer de artista de televisão improvisada. Na DGCI o Opus Macedo combateu a evasão fiscal com propaganda, agora parece combater o ébola com a mesma mezinha publicitária..

Esperemos que se o ébola chegar cá não se desmorone tudo de um dia paera o outro. Se não chegar podem armazenar os novos fatos e outro equipamento junto às vacinas da gripe das aves. O grande problema é que para o ébola da incompetência que é este governo não há remédio pois como é sabido até a enfermeira de Belém está contaminada há muito com a perigosa doença.

Até ficamos com a impressão de que este governo deseja uma epidemia de ébola na esperança de o seu ponta de lança da saúde dar um golpe de mágica que permita uma vitória eleitoral que sem catástrofes é quase inevitável.

 Jogos de palavras e truques contabilísticos

Crato explicou que nunca prometeu nada que disse que os professores colocados por erros "mantêm-se" e não disse "que se mantinham". A ministra das Finanças e Passos Coelho nunca disseram que os bancos não iriam ter prejuízos, e se disseram que não eram os contribuintes a pagar o BES não podem impedir que a CGD suporte a sua parte dos custos, a culpa de serem os contribuintes a ter custos não é do governo mas sim dos que defendem a existência de bancos públicos. Passos Coelho não recebeu dinheiro da Tecnoforma, recebeu montantes relativos a despesas pagas por uma ONG que era financiada pela Tecnoforma.

O governo deixou a estratégia dos pedidos de desculpa pois isso implica assumir responsabilidades, agora escapas-se à responsabilização com truques contabilísticos e jogos de palavras.

 A ONG do Passos explicada por Ângelo Correia

Era uma espécie de um grupo de escuteiros que queria ajudar velhinhas a atravessar a rua. Ao ouvir as explicações de Ângelo Correia até me deu vontade de ir a correr a Massamá dar um beijinho ao Passos Coelho.  Agora percebo o porquê de ter dito na campanha que era o mais africanista dos candidatos.

 Adeus Loukanikos

 photo Loukanikos_zpsbb906dda.jpg


  
      
 É mentira
   
«A primeira notificação chegou a Bruxelas, à direcção-geral da concorrência, no dia 30 de Julho, dois dias antes da suspensão das acções do BES, ou seja, a Comissão não está a desmentir o Económico, está a mentir aos milhares e milhares de investidores que perderam centenas de milhões naquelas 48 horas.
A resposta da Comissão não é apenas uma mentira, é um insulto à inteligência e não convence ninguém, sobretudo os que acreditaram que o mercado de capitais português é um sítio bem frequentado. Já desconfiávamos, ficamos agora a saber que as próprias autoridades europeias também têm pouco respeito pelos que aforram através de investimento em acções ou obrigações. Serão especuladores, portanto, sem direitos.

A Comissão deu cobertura às iniciativas do Governo e do Banco de Portugal, mas escolheu o pior caminho para as fazer. É claro que houve uma notificação preliminar à Comissão no dia 30 de Julho, é também claro que a aprovação formal ocorreu no dia 3 de Agosto. O que nos disse, afinal, a Comissão? Depois da resposta de Carlos Costa, segundo a qual alguém deveria dar explicações sobre as datas que estão no ‘site' da Comissão, depois da ministra das Finanças ‘atirar' a responsabilidade e as respostas sobre o dia 30 para Bruxelas, lá veio o favor: a Comissão, por auto-recreação preventiva, decidiu notificar-se a si própria na quarta-feira, dia 30 de Julho, por uma decisão que jura não conhecer, a intervenção do Estado no BES no domingo seguinte, dia 3 de Agosto. Portanto, adivinhou, e pena é que os milhares e milhares de investidores que perderam milhões também não tivessem adivinhado que a Comissão iria ‘apadrinhar' a resolução do banco. 

Prefiro acreditar - e acredito - na tese de que a Comissão Europeia está a mentir, e a prestar-se a este lindo papel. A alternativa é pior, a falta de respeito pelo Estado português, pelos portugueses e pelos investidores, portugueses e estrangeiros. A data de 30 de Julho não surge do nada, não surge de uma informação oficiosa, está num documento oficial da Comissão Europeia que o Económico revelou na edição de ontem. Ou seja, para acreditar na tese da Comissão, que deixa tantas e tantas perguntas por responder, tenho também de acreditar que Portugal voltou a ser um espaço de experimentalismo europeu. Só nos faltava mesmo uma Comissão Europeia que toma a liberdade de interpretar o que se deve seguir à apresentação dos prejuízos de um banco privado.

O mercado de capitais em Portugal está de rastos, e a Comissão também ajudou. Carlos Costa foi, aliás, de uma transparência cândida quando disse ontem, no Parlamento, que a preocupação do Banco de Portugal foi proteger os depositantes. O problema é que, neste caso, os depositantes e os investidores são, em muitos casos, os mesmos. 

É agora a CMVM, o regulador do mercado, que tem de salvar a honra deste convento, cheio de pecadores que tentam expiar os seus pecados à custa dos outros, dos investidores.» [DE]
   
Autor:

António Costa.



 Este governo tem lepra, cai aos bocados
   
«Os problemas na colocação de professores criaram alguma tensão na coligação PSD/CDS. O CDS ficou incomodado pelas críticas públicas de um deputado do PSD feitas ao secretário de Estado da Administração Escolar, João Casanova de Almeida, que foi indicado pelo partido de Paulo Portas.

O social-democrata Duarte Marques, que acompanha o dossier da educação, exigiu que Casanova de Almeida viesse a público dar a cara pelos “erros” cometidos. "É lamentável o que aconteceu com o concurso de professores e mais lamentável que o secretário de Estado da Administração Escolar não venha a terreiro pedir desculpa, explicar o sucedido e tranquilizar os professores, até porque há muitos que já alugaram casas e que já começaram a organizar as suas vidas e agora não sabem o que lhes vai acontecer", disse Duarte Marques, no passado fim-de-semana, citado pela Lusa.» [Público]
   
Parecer:

Coma derrota eleitoral a tornar-se uma evidência vamos assistir a um espectáculo muito divertido.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Reserve-se lugar na primeira fila.»

      
 "Convergência de vontades", dizem els
   
«Questionada pela Lusa sobre quem pediu este encontro, que acontece cerca de duas semanas depois de Costa ter vencido as primárias socialistas, fonte oficial de Belém disse que houve "uma convergência de vontades" para a marcação da audiência.

A audiência de António Costa com Aníbal Cavaco Silva está marcada para as 10:30, no Palácio de Belém, à mesma hora em que decorre o debate quinzenal com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, na Assembleia da República.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Esperemos que Costa sugira a Cavaco que se deixe de manobras de compromissos para salvar um governo que não tem por onde se pegue.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a proposta.»
  
 Coitado do Bessa, não sabe porquê o Bava saíu
   
«"Não sei porque razão o engenheiro Zeinal Bava saiu. Do ponto de vista da PT, da situação acionista da PT, [a situação] não é muito confortável porque hoje a PT é detida por um corpo acionista, no essencial, localizado no exterior, para o qual a PT é um ativo relativamente reduzido e, desse ponto de vista [do ponto de vista acionista] está numa situação de vulnerabilidade", declarou Daniel Bessa à Agência Lusa.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Pois não sabe.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

 Cavaco assalariado do governo
   
«O Presidente da República recebe esta sexta-feira de manhã António Costa, num encontro que acontece por “convergência de vontades” entre as duas partes, segundo fonte de Belém é que é citada pela agência Lusa. Segundo apurou o Observador, há pelo menos um tema específico que o Presidente leva para a reunião: o Orçamento do Estado para 2015, que o Conselho de Ministros vai discutir no sábado e que terá de ser entregue na Assembleia no próximo dia 15.» [Observador]
   
Parecer:

Se o OE ainda nem foi apresentado na AR a que título Cavaco vai levar o tema à reunião com Costa, será que sonha com um voto favorável ao OE do seu governo de incompetentes? E como se isto não bastasse ainda manda a dica para a comunicação social numa demonstração de falta de educação.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Tenha-se dó do senhor.»

 Um populista enrascado
   
«O eurodeputado critica as "enormes subvenções" que recebem os partidos políticos mas recusa revelar se vai doar parte do seu salário para financiar o partido que fundou. Recentemente, decidiu também não tornar público se recebeu da Ordem dos Advogados um subsídio de reintegração na atividade profissional, que ele próprio criou enquanto bastonário, em 2008, e que lhe daria direito a quase 55 mil euros quando deixou o cargo.» [DN]
   
Parecer:

Este Marinho é um tretas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Tenha-se dó também desta criatura.»

 Morreu o Loukanikos
   
«Chamava-se Loukanikos, ou "Salsicha" em grego, e ganhou fama mundial por surgir em inúmeras fotografias das manifestações anti-austeridade na Grécia. Os seus donos anunciaram ontem a sua morte, de ataque cardíaco.» [DN]
   
Parecer:

Com tanto cão que por aí anda foi logo morrer o Lokanikos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se a morte do cão errado.»

   
   
 photo Danielle-Lefrancois-3_zps713f1949.jpg

 photo Danielle-Lefrancois-5_zps5366a0a4.jpg

 photo Danielle-Lefrancois-2_zps998289f3.jpg

 photo Danielle-Lefrancois-4_zpsa70972cf.jpg

 photo Danielle-Lefrancois-1_zps202ea7ee.jpg