sábado, janeiro 17, 2015

A TAPalhada

Uma empresa de bandeira com a imagem nacional e internacional merecia ser melhor tratada por um governo do eu tem sido a TAP. Já todos percebemos que por razões que só Deus sabe Passos Coelho quer vender a TAP. A argumentação é questionável e se bem nos recordamos aquando da primeira tentativa de venda a um empresário brasileiro o governo nem se deu ao trabalho de justificar a venda pela impossibilidade de realização de uma injecção de dinheiros públicos.
  
A primeira tentativa de venda foi ainda mais atabalhoada, mas como Passos Coelho sentia as costas quentes graças à presença da troika, tentou vender a TAP à pressa e o resultado foi humilhante. O Miguel Relvas que nesse tempo não era ministro e não precisava de andar na sombra fez umas viagens ao Brasil e de um dia para o outro a TAP estava quase vendida. Só que à última hora algo se passou  Estranhamente a primeira venda não suscitou grandes reacções sindicais 
  
Quando se pensava que o assunto estava esquecido eis que o país é surpreendido pela decisão repentina de vender a TAP, fica-se com a impressão de que mais do que qualquer outra coisa a venda da empresa é algo que o ainda e infelizmente primeiro-ministro  não quer arriscar a adiar para u segunda mandato em que só ele acredita.
  
Desta vez muita coisa mudou, Cavaco aderiu à causa e tornou-se militante da venda da empresa, o CDS chamou a si o protagonismo do negócio com o cómico da Rua da Horta Seca a querer liderar o processo e os sindicatos até descobriram a importância do interesse nacional que, como se sabe, é avaliado nas suas contas bancárias.
  
Mas este governo é incompetente e o país assistiu a mais uma trapalhada que neste caso é uma TAPalhada, um ministro e um secretário de Estado, apoiados por sindicalistas manhosos, tentaram usar um acordo para se vingarem dos trabalhadores que não aceitaram as condições do negócio. Mas a lei não permite truques como o pretendido e Passos Coelho teve de desautorizar os governantes da Rua da Horta Seca.
  
Agora só resta saber a que companhias de aviação sem dimensão ou a que empresários tesos ou desconhecidos no sector a TAP vai ser vendida. Daqui a uns anos Passos estará numa qualquer empresa de conforto, o cómico da Horta Seca vai voltar a vender cervejas e o país perde mais uma empresa a somar a muitas outras que foram privatizadas e hoje já ninguém se lembra delas.
   
PS: Eu ainda sou do tempo em que se dizia que a PGR ia acompanhar as privatizações com muita atenção. 

Umas no cravo e outras na ferradura


  
 Jumento do dia
    
Pires de Lima, o cómico da Rua da Horta Seca

Há muito tempo que alguma direita mais imbecil tenta limitar o alcance do poder dos sindicatos tentando limitar as consequências da sua acção aos seus associados, é o caso, por exemplo, do direito à greve, por mais de uma vez gente dos patrões tentou limiar o direito ao seu exercício aos sindicalizados no sindicato que apresenta o aviso de greve.
 
Ontem o país viu dois imbecis usaram o acordo com uns quantos trabalhadores da TAP como uma grande conquista governamental, o cabeça rapada dos transportes até desvalorizava o impacto desta paz no valor da empresa, e pelo menos nisso ele estava certo, os trabalhadores envolvidos são tão poucos que o custo do acordo é simbólico.
 
Como castigo para os trabalhadores não sindicalizados ou sócio dos sindicatos que não comeram na mão do cabecinha rapada este decidiu com aquele ar de cátedra a que já nos acustumou, ficavam de fora das benesses da "paz social", isto é, amanhã o primeiro critério a considerar para o despedimento é se assinou ou não um acordo com o cabecinha rapada, se assinou está garantido por alguns anos, se não assinou então que assine para a próxima pois está lixado.
 
Animado com o brilhantismo intelectual do seu secretário de Esatdo o cómico da Rua da Horta seca pôs o seu ar de rapaz inteligente e permuado e foi à TVI 24 confirmar o castigo aos trabalhadores malandros que não lhe comeram na mão. Mas tratava-se de uma piada, no dia seguinte o palerma mostrou que conhecia a lei e até garantiu que como não podia deixar de ser a paz social era para todos e não apenas para os mais baratos.
 
lamentavelmente os sindicalistas da terta que falavam da defesa do interesse nacional e que recuaram a troco de uma gorjeta concordaram com Pires de Lima em tramar os trabalhadores que não eram sócios dos sindicatos. Isto não é sindicalismo, é pura canalhice. Termina aqui qualquer gesto simpático com a UG. Se a CGTP está ligada ao PCP, a UGT está minada pelo oportunismo e está ao serviço do patronato.

«Não haverá qualquer processo de despedimento coletivo na TAP durante um período de 30 meses após a privatização ou enquanto o Estado mantiver a posição de acionista na empresa. Nem para os trabalhadores representados pelos nove sindicatos que aceitaram desconvocar a greve, nem para os restantes três que mantiveram a posição inicial. A garantia foi dada pelo ministro da Economia, António Pires de Lima, depois da cerimónia de assinatura do acordo que juntou à mesa Governo e nove dos doze sindicatos da TAP.

Foi o próprio, em declarações aos jornalistas, que se prestou a esclarecer a posição que tinha assumido na quinta-feira, na TVI24: na altura, tinha afirmado que o acordo na TAP só se deveria aplicar a quem se associou ao objetivo da paz social, o que parecia insinuar que os trabalhadores representados pelos três sindicatos que não aceitaram sentar-se à mesa das negociações e desconvocar a greve não estavam abrangidos por esta medida de proteção laboral. O Observador sabe que esta hipótese esteve em cima da mesa e que o Governo chegou mesmo a estudar as implicações jurídicas de uma aplicação apenas parcial. Mas o primeiro-ministro não quis correr riscos processuais na privatização, considerada como essencial para a viabilização da empresa.

O Observador sabe, também, que esta opção era apoiada pelos nove sindicatos – que pertencem ou são próximos da UGT. Mais: de acordo com o Público, os três sindicatos que se posicionaram do outro lado das trincheiras – próximos da CGTP – sofreram, nos últimos dias, um decréscimo no número de membros – depois das notícias que davam conta de que apenas alguns trabalhadores estariam abrangidos pelo acordo, houve quem pedisse para trocar de sindicato ou para se inscrever pela primeira vez num dos sindicatos que aceitaram desconvocar a greve.» [Observador]

 
 Que fazer aos terroristas
   
«Já lá vão seis dias desde que os irmãos Kouachi, autores do ataque à redação do Charlie Hebdo que provocou 12 mortos, e Amedy Coulibaly, que matou cinco pessoas, perderam a vida. São os três franceses que nenhuma cidade em França quer enterrar. Por enquanto os corpos estão com as autoridades e, de acordo com o New York Times, ainda ninguém os reclamou. Mas o jogo do empurra não poderá durar muito mais tempo.

A lei francesa dita que os mortos devem ser enterrados no seu distrito ou no local da morte. Mas nem Gennevilliers, nem Reims, querem ceder uma última morada a Cherif e Saïd Kouachi, que ali residiram até serem mortos na passada sexta-feira, em Dammartin-en-Goële. Esta última também não os quer enterrados no seu território mas, em declarações ao Le Figaro, as autoridades disseram que serão obrigadas a cumprir a lei caso recebam um pedido para sepultar os dois irmãos.» [Observador]
   
Parecer:

Mandem-nos para o Califado.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão.»

 O Machete é sempre o último a saber?
   
«Um cidadão português terá sido detido no Iémen por suspeita de ligação à organização terrorista Al-Qaeda, uma informação que as autoridades portuguesas disseram à Lusa desconhecer.

O jornal belga La Libre Belgique avançou a notícia da detenção de três homens — um português, um belga e um somali -, no início deste mês em Sanaa, capital do Iémen, estando um deles na posse de material de propaganda da Al-Qaeda, encontrada no interior de um carro que foi sujeito a uma operação policial.

A Lusa tentou confirmar esta informação junto do ministério da Administração Interna, mas ainda não conseguiu uma resposta. “O ministério dos Negócios Estrangeiros não tem conhecimento” deste caso, disse à Lusa fonte oficial do Palácio das Necessidades. Também o secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, disse desconhecer o caso.» [Observador]
   
Parecer:

Este ministro é mesmo divertido, não sabe nada nem de nada.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «»

 Más notícias para a direita
   
«Uma sondagem esta sexta-feira divulgada pelo Expresso dá conta que todos os potenciais candidatos de direita – Marcelo Rebelo de Sousa, Pedro Santana Lopes e Rui Rio - , se concorressem nas eleições presidenciais contra um dos Antónios da Esquerda (Guterres ou Vitorino) perderiam.

Com esta simulação de votação os portugueses deram um sinal político claro. Novo Presidente da República de direita, não. É que, em termos concretos, os candidatos do espetro mais à direita do sistema político português apenas conseguiriam alcançar uma vitória se o concorrente escolhido pela Esquerda, nomeadamente, o PS, fosse Sampaio da Nóvoa.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Coitados.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aposte-se que Santana nunca se demitirá da Santa Casa para se candidatar.»

sexta-feira, janeiro 16, 2015

Charlies de ocasião

Agora somos todos Charlie, uns mais Charlie Brown, outros só Charlie, somos todos grandes defensores da liberdade de expressão sem quaisquer limites, não há limites para a liberdade de criticar e de gozar com tudo e todos e com as convicções religiosas de cada um. Tudo o que posso dizer do meu Deus posso dizer do Deus dos outros pois os seus critérios para se sentirem ofendidos devem ser os meus.

Pois, mas tenha cuidado, ofenda o profeta Maomé, Jesus Cristo e todas as outras divindades, mas não digam nada que possa ofender Cavaco Silva porque levam com um processo por ofensas a Sua Excelência, como sucedeu com um cidadão que se lembrou de dizer umas coisas menos simpáticas. e não perguntem o que se ode ou não dizer pois depende do critério do magistrado de serviço do Ministério público.

É uma pena que eu não possa dizer de Cavaco Silva o que admito que digam de mim, se o fizer como fez o um cidadão que ofendeu Cavaco em Elvas arrisco-me a três anos de cadeia, os mesmos a que nos arriscamos quando ofendemos qualquer instituição. Imagine-se o que seria o congestionamento dos tribunais com o que se diz e se escreve sobre o fisco.
  
A hipótese de alguém ser processado por ofensas a uma instituição não é assim tão estranha, o Opus Paulo Macedo mais um amigo dele quando era director-geral da DGCI apresentou uma queixa dessas contra o autor do Jumento e o MP ainda se deu ao trabalho de pedir à Interpol que procurasse saber nos EUA o nome do autor do blogue. Mais tarde houve um “Charlie” do jornal i que achou que tinha identificado tão perigosa personagem e bufou o nome na primeira página.
  
O Dr. Macedo foi bem mais longe, supostamente incomodado com uma notícia que um tal Rudolfo Rebelo, jornalista do DN e actual assessor do primeiro-ministro publicou no DN sobre a sua situação fiscal , mandou a IGF vasculhar os emails do funcionários do fisco para tentar identificar o garganta funda que o tramou. O destino tem destas coisas, o Paulo Macedo pode pedir agora ao seu colega Rudolfo que lhe diga quem o tramou, talvez se convença, finalmente, de que não foi o Jumento, pois o único Rudolfo que conheço é a rena do Pai Natal. Que me lembre o director-geral da IGF que efz o frete não foi incomodado e agora até é secretário de Estado da Administração Públicas.

Vivemos num país onde até há uns tempos atrás as sessões parlamentares eram interrompidas de dez em dez minutos para um qualquer deputado intervir em defesa da honra. Veja-se o caso do Alberto João, o putativo candidato presidencial que ofende tudo e todos mas é o campeão das queixas em tribunal por ofensas, pelo menos enquanto foi do governo regional pois as despesas ainda são pagas pelos contribuintes. O que não falta neste país é gente que hoje se diz Charlie mas que no passado se queixaram de terceiros por ofensas à honra, na maior parte dos casos apenas para prejudicar. 
  
Agora é muito fino ser Charlie e não falta por aí que se declare Charlie sem nunca ter visto sequer uma capa do semanário francês, Charlies que a todo o momento se queixam por ofensas morais, que não perdem uma oportunidade para se armarem em meninas ofendidas.
  

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _Vitral_zpsc0a97e7f.jpg

Vitral numa porta da Avenida da Liberdade, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Pires de Lima, humorista da Economia

Há qualquer coisa de errado quando um ministro da Economia diz que não interefere nas empresas privadas e depois privatiza a TAP impondo um menu de exigências que configuram uma intervenção do Estado que vai muito para além do que sucede noutras empresas estratégicas como a Galp, a EDP ou a PT.

«"É também exigida a garantia de execução de um projeto estratégico, tendo em vista a preservação e promoção do crescimento da TAP, conservando a marca TAP e a sua associação a Portugal e assegurando que a sede e a direção efetiva do grupo continuam a estar localizados em Portugal", lê-se no comunicado do Conselho de Ministros.

O Governo vai ainda avaliar a contribuição do projeto para o crescimento da economia nacional, incluindo o desenvolvimento do atual 'hub' da TAP (no aeroporto de Lisboa) como plataforma estratégica nas relações entre Europa, África e América Latina.» [Notícias ao Minuto]

 E-urgências

 photo _e-urge_zps9e4fb0f2.jpg

 Dúvidas que me atormentam

Logo que o processo com base no qual se está perseguindo judicialmente José Sócrates foi tornado público a PGR emitiu um primeiro comunicado sem referir a origem do processo. Mas no dia seguinte e para que ninguém pensasse que resultava da queixa da extrema-direita ou que tinha sido inventado com uma das habituais cartas anónimas, a PGR emitiu um segundo comunicado onde esclarecia que o processo tinha nascido com uma comunicação de um banco (soube-se depois que se referia á CGD) ao abrigo da lei do branqueamento de capitais.

Seria lógico que no meio de tantas violações do segredo de justiça já tivesse vindo a público algo sobre o movimento de dinheiro que deu origem ao processo, Mas nada se disse e graças a ess comunicação já sabemos de muita coisa da vida de terceiros. Há qualquer coisa aqui que faz lembrar a Face Oculta, começa-se por investigar alguém para se encontrar matéria que sirva ara acusar um terceiro.

 O califado de Paris

A Europa andou a brincar com o fogo desorganizando os Estados árabes que mais se opunham ao extremismo Islâmico, com o argumento do rderrube de ditadores ajudou extremistas a derrubar governos que no passado foram aliados, como foi o caso do Egipto. Durante muito tempo os extremistas do Estado Islâmico eram tratados como democratas libertadores da Síria e os países ocidentais ignoraram os seus abusos.

Foi preciso os EI degolar um americano e inglês para que os governos do Ocidente fossem obrigado a atacar os extremistas. Durante meses o EI foi a vedeta para muitos jovens euroeus e de todo o mundo e muitos milhares foram para a Síria. Agora começa a ser tarde e enquanto Paris manda um porta-aviões para bombardear o EI em Paris há muitso extremistas prontos a atacar qualquer alvo.

A Europa vai pagar caro a estratégia que tem adoptado nos últimos anos e enquanto as situações de violência não se generalizarem no seu interior as guerras vão tomando conta das suas fronteiras, desde a Ucrânia à Líbia.


 Uma boa notícia
   
«O jihadista Abu Saad al Daguestani, que aparecia no vídeo do grupo Estado Islâmico (EI) em que uma criança supostamente matava dois supostos espiões russos, morreu nesta quarta-feira na cidade curdo síria de Kobani, segundo informaram os próprios extremistas em um fórum na internet. Em breve comunicado, os jihadistas afirmaram que "o irmão Abu Saad al Daguestani" morreu em "Ain al Islam", como os radicais costumam se referir à população de Ain al Arab, denominação em árabe de Kobani, como os curdos a conhecem. Os extremistas costumam acrescentar em seus nomes alguma referência ao lugar de onde procedem, portanto é possível que Al Daguestani seja natural da República do Daguestão.» [R7]
   
Parecer:

Menos um canalha.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Allahu Akbar!»

 TAP: afinal o interesse de Portugal é o dos rabalhadores
   
«O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o caderno de encargos para a privatização da TAP, conseguindo um acordo com a maioria dos sindicatos da empresa – e com a aprovação da administração de Fernando Pinto e dos conselheiros financeiros que acompanham o processo.

No final do Conselho de Ministros, o secretário de Estado Sérgio Monteiro considerou que as condições negociadas com os sindicatos representam uma “mais-valia”, argumentando que “a paz social dá valor estratégico e financeiro” para o processo de privatização – não retirando valor à negociação que se segue com os candidatos.

O caderno de encargos inclui várias cláusulas de salvaguarda para os trabalhadores, como a impossibilidade de despedimentos coletivos enquanto o Estado tiver ações da empresa, num mínimo de 30 meses. O futuro acionista também não poderá vender ações da empresa nos primeiros cinco anos e terá de respeitar o atual acordo de empresa “por um tempo mais alargado”, nas palavras – não quantificadas – de Sérgio Monteiro.» [Observador]
   
Parecer:

Há muitos anso que é assim.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Privatize-se a 100%.»

 Teimosia carnavalesca
   
«O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Marques Guedes, afirmou esta quinta-feira que o Governo não dará tolerância de ponto no Carnaval, sublinhando que essa é uma questão que “está resolvida desde o início desta legislatura”.

“A questão do Carnaval está resolvida desde o início desta legislatura. O Governo não dá tolerância de ponto no Carnaval. Entendemos que esse é um assunto que já ficou resolvido nos anos anteriores. Pela nossa parte, já nem é um assunto”, afirmou Luís Marques Guedes.

Confrontado com o anúncio por parte de autarquias de que darão tolerância de ponto aos seus funcionários na terça-feira de Carnaval, o ministro respondeu que “aquilo que decorre da autonomia das autarquias locais, às autarquias locais deve ser perguntado, não é ao Governo”.» [Observador]
   
Parecer:

O país começa a estar farto das manias de Passos Coelho.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se com desprezo pela triste figura.»

 Um Charlie que não é Charlie
   
«Poderá um dos fundadores do jornal satírico francês Charlie Hebdo não “ser Charlie”? Henri Roussel, que na década de 70 ajudou a criar a publicação, acusou Stéphane Charbonnier (Charb), editor do jornal e uma das 12 vítimas do atentado terrorista, de ter “arrastado a equipa” para a morte depois das sucessivas publicações controversas que despertaram a ira da comunidade islâmica.

Num artigo publicado na revista Nouvel Obs, sob o pseudónimo de Delfeil de Ton, Roussel, de 80 anos, começou por elogiar o antigo editor da revista, descrevendo-o como um “rapaz incrível”. Mas diz que “a cabeça dura” de Charb terá ditado a morte do cartoonista. Pior, arrastou toda a equipa do Charlie Hebdo, lamentou Roussel.

“O que o fez sentir a necessidade de arrastar a equipa para este exagero?”, questionou o fundador do jornal, referindo-se ao episódio da reprodução da caricatura de Maomé, antes publicado por um jornal dinamarquês.» []
   
Parecer:

Espere-se mais algum tempo para analisar a situação com serenidade.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se.»
  
 Aos poucos vai-se sabendo a verdade sobre a PT
   
«O ex-presidente da PT, Henrique Granadeiro, enviou uma carta para a assembleia-geral da PT SGPS e para a Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM) a defender a anulação da fusão da PT com a brasileira OI, noticia o Diário Económico esta quinta-feira.

Na carta dirigida ao presidente da assembleia-geral da PT, Menezes Cordeiro, e ao presidente da CMVM, Carlos Tavares, o ex-chairman – que negociou os termos do negócio entre a PT e a OI na sequência do default de 900 milhões de euros da Rioforte – defende que “é legítimo à PT SGPS denunciar o acordo de fusão”.

A carta data de 13 de janeiro, precisamente um dia depois da assembleia-geral, que devia ter votado a venda da PT aos franceses da Altice, ter sido suspensa. Também Menezes Cordeiro, o presidente do BPI, Fernando Ulrich, e a própria CMVM já manifestaram uma posição idêntica.

Henrique Granadeiro renunciou ao cargo em agosto argumentando que, antes da sua saída, um mês após rebentar o escândalo da Rioforte, defendeu sempre os “interesses do grupo”. Mas, agora, o ex-presidente afirma que a Oi, Zeinal Bava e Pacheco de Melo tinham conhecimento das aplicações, uma vez que os títulos da Rioforte estavam no balanço da empresa brasileira.

“Sendo inquestionável […] que a Oi decidiu tais aplicações através da sua filial PT Portugal, é legítimo à PT SGPS denunciar o acordo de fusão porque no caso de virem a ser aprovados pela CVM do Brasil os acordos definitivos […] a participação da PT SGPS ficará muito aquém do limite mínimo de participação (36,6%) estabelecido na assembleia-geral que aprovou o aumento de capital”.» [Observador]
   
Parecer:

E  aidna deve haver muita coisa por saber.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Granadeiro se o governo também teve conhecimento do investimento da PT na Rioforte.»
  

   
   
 photo Yuri-Shevchenko-1_zpsf09cb22f.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-5_zps2a1057ce.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-4_zps89b386c0.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-2_zps702d6ffd.jpg

 photo Yuri-Shevchenko_zps94e43e98.jpg
  

quinta-feira, janeiro 15, 2015

Islamofóbico, eu?

Começa a haver a mania de impor uma opinião dominante, oficial, conveniente, politicamente correcta, defendida pelo Ministério Público ou das elites bem pensantes a todos os outros e quem fizer xixi fora do penico é logo acusado, condenado e humilhado na praça pública porque é fóbico de qualquer coisa. No tempo do processo Casa Pia ai de quem questionasse as teses da polícia, era logo acusado de ser ou defender os pedófilos, no caso de Sócrates os que levantarem o dedo para o defenderem são suspeitos de corrupção, nos debates sobre os direitos dos gays quem não concordar é homofóbico e agora ou dizemos que o islamismo é quase todo bondoso ou se é acusado de islamofóbico.
  
Há uma ideia de que as religiões monoteístas partilham o mesmo Deus e defendem a bondade de forma diferente, são todas bondosas, defensoras da paz e da vida, o problema está nos extremistas. Dizem-me que tal como no cristianismo no islamismo pratica-se a defesa da vida, mas se recuarmos um pouco no tempo vamos ver padres católicos a indicar aos falangistas quais os cidadãos que partilhavam ideias republicanas para que fossem fuzilados quase de seguida. Pouco anos depois foi o que se viu com a independência e divisão da Índia britânica em dois países, a Índia e o Paquistão. Enfim, obra de extremistas.
  
Quando ouço o íman da mesquita de Lisboa, pessoa com que simpatizo, não consigo esquecer que esta mesquita foi resultado do proselitismo dos muçulmanos do regime saudita, um regime apontado como liberal e amigo do Ocidente. Aos que acham que o islamismo da Arábia Saudita convido a irem lá ver Raef Badawi levar mais 50 chicotadas, totalizando as 1000 a que foi condenado. Este perigoso saudita que recebeu em 2014 o prémio dos Repórteres sem Fronteiras e receia-se que não suporte as próximas chicotadas. Talvez fosse boa ideia os que agora acusam tudo e todos de islamofobia irem juntar-se Às centenas de sauditas bondosos que assistem ao “espectáculo”.
  
Na história do Ocidente o que não faltam em todos os séculos são situações de violência religiosa, umas vezes praticadas pro cristãos, outras pelos muçulmanos e muitas vezes por ambos. O genaralíssimo Franco designou-se a si próprio como cruzado e criou uma guarda de honra de mouros, os mesmos mouros que foram as tropas fascistas mais sanguinárias. Não me recordo de o Vaticano ter condenado o cristianismo do Franco e ainda bem recentemente o papa Bento XVI beatificou umas largas dezenas de padres que morreram durante a guerra, mas o mesmo Vaticano ou a Igreja Católica de Espanha nunca pediu perdão pelos seus crimes como a eliminação dos assentos de baptismo das crianças de famílias republicanas que foram adoptadas à força por famílias de falangistas.
  
Impedir uma análise rigorosa dos fenómenos religiosos acusando todos os que dizem algo politicamente menos conveniente de cristianofóbia ou de islamofobia é ignorar a realidade ou, pelo menos, uma boa parte da realidade. Mais tarde ou mais cedo os fenómenos de violência religiosa terão de ser analisados de forma completa e isso implica discutir não só a sua natureza religiosa, mas também o papel dos países ocidentais e as consequências das acções das suas secretas desde há muitos anos, talvez desde o golpe de estado no Irão, que levou à deposição de Mossadegh e à ascensão dessa figura apalhaçada que foi o Xá Reza Pahlavi.
  
O Ocidente só tem feito asneiras e nalguns casos tem cometido mesmo alguns crimes e os mesmos que há poucas semanas viam no Estado Islâmico os democratas que iam libertar a Síria do tirano Assad acham agora que a capa da última edição do Hebdo, onde se responde ao terrorismo provocando os valores religiosos de todos os muçulmanos, digna de ser emoldurada, substituindo os crucifixos como símbolo da libertação dos valores do Ocidente. De atentado em atentado a Europa caminha para um beco e como já se viu no passado o Atlântico não vai salvar os EUA das consequências das suas asneiras.

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _Bela_zps0ba5bc8f.jpg

Flor silvestre do Parque da Bela Vista, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Maria Luís, ministra das Finanças

A nova tabela não era mais do que uma solução manhosa para fazer passar os cortes dos vencimentos como definitivos. A desistência significa que o governo faz tudo para não perder mais votos e que foi incapaz de implementar mais esta reforma do famoso guião da reforma do Estado.

Com o abandono desta bandeira a ministra das Finanças optou por se limitar a ser um serviço de secretariado dos seus secretários de Estado pois pouco mais vai fazer até às eleiõe do que despachar os processos dos seus ajudantes.

«O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) disse hoje que o Governo decidiu não avançar com a Tabela Remuneratória Única (TRU) e com a tabela de suplementos que seriam aplicadas aos trabalhadores da administração pública.

Segundo a presidente do STE, Maria Helena Rodrigues, o Governo terá justificado a decisão de não aplicar as duas tabelas devido a "uma opção política" e a uma "pressão de grupos" profissionais.
A responsável falava no final de um encontro com o secretário de Estado da Administração Pública, José Leite Martins, no Ministério das Finanças, em Lisboa.» [DN]

 Pensamentos irreflectidos

às vezes penso que se a posição do PS em relação a todo o governo fosse a mesma que tem assumido perante tanta incompetência e canalhice na Justiça o mais lógico seria pedir a Cavaco que prolongasse a legislatura por mais quatro anos. Nunca um governante tão incompetente foi tratado de forma tão amável pelo maior partido da oposição.
 
 Fica sempre bem
 
 photo _Cavaco-Charlie_zpsfeff997f.jpg
 
Raim's Blog


 Será isto o islamismo tolerante
   
«A mulher de Raif Badawai receia que o blogger, condenado a 10 anos de prisão e a mil chicotadas, não resista ao próximo castigo, agendado para sexta-feira.

As autoridades da Arábia Saudita mantêm a intenção de dar 50 chicotadas a Raif Badawai na próxima sexta-feira, alertou hoje a Amnistia Internacional, organismo que defende que o país ainda vai a tempo de ouvir os apelos internacionais e de travar a medida.

A mulher de Raif Badawai receia que o marido não resista a esta segunda dose da pena de 10 anos de prisão e mil chicotadas por ter insultado o Islão. Criador de um blogue que discutia questões religiosas e políticas, a Rede Liberal Saudita, este homem deverá passar pelo martírio das chicotadas ao longo de 20 semanas. Nas vésperas da segunda, depois da sessão de sexta-feira passada, Ensaf Haidar lembra que a "pressão internacional é crucial" e que poderá resultar favoravelmente para o marido.» [DN]
   
Parecer:

Há quem tente passar a imagem de que a não ser os extremistas o islamismo é só bondadel, liberdade e democracia. Recorde-se que a democrática e tolerante Arábia Saudita foi o país que financiou a mesquita de Lisboa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

 Cavaco em campanha
   
«O Presidente da República considerou hoje que a situação de Portugal é melhor porque não foi necessário um segundo resgate, mas alertou para os grandes desafios que o país tem pela frente, recusando a ideia de "tempo de facilidades".

"Nós continuamos a ter grandes desafios à nossa frente, não temos à nossa frente um tempo de facilidades e para vencer os desafios que temos à nossa frente temos que apostar acima de tudo na iniciativa privada, no investimento privado", disse o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, no início de um encontro com empresários portugueses estabelecidos em Moçambique, que decorreu num hotel de Maputo.» [DN]
   
Parecer:

Cavaco ignora a paralisação do governo e continua a sincronizar as suas posições com as de Passos Coelho e Maria Luís, algo suficientemente importante e forte para falar do país no estrangeiro
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco se vai candidatar-se a deputado eplo círculo da emigração..»

 Pois não...
   
«Teixeira da Cruz negou esta quarta-feira no Parlamento que tivesse "varrido para debaixo do tapete" responsabilidades políticas relacionadas com o bloqueio do Citius durante 44 dias, no arranque do mapa judiciário.

Na segunda-feira à noite, os dirigentes do Instituto (IGFEJ) que gere a plataforma informática de suporte aos tribunais foram exonerados pelo secretário de Estado da Justiça, António Costa Moura.

"Nunca varri para debaixo do tapete e sempre disse o que tinha para dizer, afirmando as minhas convicções", disse Paula Teixeira da Cruz, respondendo a acusações feitas pela deputada Isabel Moreira (PS) durante a audição da ministra na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais no Parlamento.» [DN]
   
Parecer:

Esta senhora é patética.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Tenha-se dó da senhora.»

 Governante do quê?
   
«O Tribunal de Condeixa-a-Nova, distrito de Coimbra, condenou nesta quarta-feira o ex-secretário de Estado da Administração Local Paulo Júlio a dois anos e dois meses de prisão, suspensa por igual período, pelo crime de prevaricação, praticado em 2008, quando era presidente da Câmara de Penela.

Paulo Júlio começou a ser julgado no início de Dezembro, acusado de um crime de prevaricação no âmbito de um concurso para um cargo de chefia na Câmara de Penela, que presidiu entre 2005 e 2011. O concurso foi ganho por Mário Duarte, primo em sexto grau do antigo governante e licenciado em História de Arte.» [Público]
   
Parecer:

A notícia conta que um ex-governante foi condenado num assunto banal, mas o curioso é que ao longo de toda a notícia omite-se a que governo pertenceu o ex-governante. Se fosse de um governo do PS é certo e sabido que à expressão ex-governante o jornalista teria acrescentado "socialista".
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
 Fisco entupido com multas de portagens
   
«O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga proferiu várias sentenças, em processos de contra-ordenação por falta de pagamento de portagens, a favor de particulares e empresas e contra a administração fiscal. A autoridade tributária pondera agora recorrer para instâncias judiciais superiores.

As decisões do tribunal de primeira instância – algumas das quais são passíveis de recurso para o Tribunal Central Administrativo, se o valor da contra-ordenação for superior a 1250 euros, e para o Supremo Tribunal Administrativo, se ultrapassar os 30 mil euros –, estão a assentar em vícios formais, como a não identificação dos condutores, entre outros aspectos de incumprimentos do Regime Geral das Infracções Tributárias (RGIT).


O sentido das decisões, avançadas esta quarta-feira pelo Jornal de Notícias e pelo Correio da Manhã, podem agora ser replicadas em milhares de processos de contra-ordenação existentes nos tribunais portugueses, admitem ao PÚBLICO os advogados João Magalhães e Pedro Marinho Falcão, ambos com decisões favoráveis sobre esta matéria.» [Público]
   
Parecer:

Por este andar o fisco deixa de cobrar impostos para ocupar os recursos com multas de todos os tipos pois os governo estão confundido o fisco com o homem do fraque do Estado.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Voo entre Cleveland e Nova Iorque com apenas 2 passageiros
   
 photo _voo_zps0493dc54.jpg

«Chris O’Leary viveu um momento insólito esta semana quando ao embarcar num avião percebeu que era o único passageiro a bordo. A Chris acabou por se juntar, minutos depois, um outro viajante, e os dois voaram sozinhos de Cleveland para Nova Iorque, num aparelho da Delta Airlines. O norte-americano registou o momento com fotografias, que publicou na conta do Twitter.

“Este foi definitivamente o voo mais memorável onde embarquei. Não houve bebés a gritar, ninguém a ouvir músicas alto ou a inclinar os assentos ou a tirar os sapatos”, contou O’Leary.

O voo da Dela Airlines, do passado dia 12 de janeiro, chegou a atrasar quase seis horas por causa do mau tempo e todos os outros passageiros foram transferidos para outros voos. Chris acabou por não se importar de não ter embarcado antes. Assim teve um atendimento personalizado e pôde escolher à vontade o lugar. O outro passageiro, contou Chris, sentou-se num lugar mais afastado e dormiu o tempo todo, pelo que não falaram durante o voo.» [Observador]

   
   
 photo Sergey-Sukhovey-5_zpsf524fecd.jpg

 photo Sergey-Sukhovey-4_zpsead5cd45.jpg

 photo Sergey-Sukhovey-2_zps99fff7b7.jpg

 photo Sergey-Sukhovey-1_zps6ffdaef7.jpg

 photo Sergey-Sukhovey-3_zps68419a40.jpg