sábado, fevereiro 18, 2017

Ajustes de contas

Da passagem de Cavaco Silva pela política, quer enquanto primeiro-ministro, quer enquanto Presidente, ficaram muitas contas por ajustar ou saldar, porventura, muitas mais do que aquelas que conhecemos. Por isso faria sentido alguém que foi dispensado pela política e queira regressar ao palco comece por mostrar que saldou as suas contas.

Mas não foi isso que Cavaco veio fazer e muito menos dizer se graças à esquerda perigosa as suas parcas pensões já dão para as despesas, as suas contas vão continuar por saldar, não esclareceu muitas dúvidas que existem em torno de alguns dos seus negócios ou dos seus golpes políticos. O que Cavaco fez foi vir a público para espumar. A raiva acumulada contra Sócrates não foi acalmada pelo Caso Marquês, os ciúmes e relação a Marcelo são insuportáveis ao ponto de não terem aguentado um ano.

Cavaco nunca se seguiu por ideologias, de social-democrata pouco ou nada tem, o PSD serviu-o. Quanto a valores os seus negócios, os queixumes e outras intervenções descuidadas dizem mais sobre a personagem do que as encenações cuidadosamente preparadas por assessores. Cavaco odeia Sócrates, invejava a dimensão cultural de Soares, sente ciúmes pela popularidade de Marcelo.

O homem que depois de tantas vitórias saiu da Presidência da República sem prestígio não suporta que Marcelo tenha mais popularidade do que alguma vez ele teve. Reedita com Marcelo a ciumeira que tinha da família Soares, o homem que saiu de Boliqueime mas cuja dimensão permanece junto à bomba da gasolina não suporta a classe do citadino Marcelo. A razão aconselhava-o a sofrer em silêncio, em esperar por melhor oportunidade, mas os ciúmes que lhe corroem a alma são mais fortes.

Odeia Sócrates, o ex-primeiro-ministro sempre teve o condão de o irritar e, ainda por cima, nunca perdia a oportunidade de o provocar. Tinha de se vingar de Sócrates, tinha de o apanhar ainda na mó de baixo, nunca lhe perddou a destruição da sua imagem de austeridade durante a campanha presidencial, sempre pensou que Sócrates esteve por detrás das notícias que o demonstraram. Não poderia esperar mais tempo, tinha que usar o Caso marquês como se fosse o leitor mais inculto do CM.

Não Cavaco não tem ideologia, nada tem de social-democrata, é ele o seu espelho, é ele e os seus ódios, raivas, ciúmes e vinganças. Cavaco não saldou contas, veio dizer-nos que nunca estaremos enganados a seu respeito, foi o prior Presidente da República, vai ser o pior ex-presidente da República. Cada vez que aparece apenas mostra que as eleições que venceu foram os maiores erros dos eleitores, sim porque como se viu com Trump os eleitores também escolhem o que não desvia ser escolhido.


Cavaco não veio ajustar contas com terceiros, veio ajustar contas com os seus fantasmas.

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Marcelo Rebelo de Sousa

Quando será que Marcelo começa a servir jantar aos remediados?

«Noutro dia qualquer, um atraso de minutos na abertura do Restaurante Solidário, na Baixa do Porto, bastaria para haver um reboliço na Rua de Cimo de Vila. Esta quinta-feira à noite, não. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ia vestir a camisola de voluntário da CASA – Apoio ao Sem Abrigo e servir o jantar.

É o quarto momento público que o Presidente dedica às pessoas em situação de sem-abrigo no espaço de dois meses. E no passado dia 9 recebeu a Comunidade Vida e Paz, que lhe entregou uma petição com quatro mil assinaturas a reclamar uma nova estratégia nacional de integração de pessoas sem abrigo, que "capitalize as experiências positivas” da anterior e que garanta as “melhorias necessárias". E ele não se esqueceu disso. “O último plano terminou no final de 2015”, lembrou. “Em 2016, não houve plano, houve um prolongamento parcial do plano [2009-2015] e o Governo ficou de dar agora uma resposta em 2017. Há muitas instituições que estão à espera. É uma necessidade.”» [Público]

 Uma pequena dúvida

Será que o Lobo Xavier estará interessado em pagar algum pelos meus SMS?

 Dizem que Cavaco ajustou contas com o livro

É curioso, eu estava convencido de que as contas já tinham sido saldadas om o Caso Marquês.

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

O Lobo e o cordeiro

Talvez um dia se venha a saber o que levou um até agora discreto bancário a ficar nas primeiras páginas da forma mais triste. De um administrador de bancos espera-se confiança, lealdade, sigilo e privacidade, tudo qualidades que Antónimo Domingues revela não ter ao violar as mais elementares regras de convivência, dando a conhecer a um conhecido lobista o conteúdo de conversas privadas. Primeiro foram os e-mails, a seguir os SMS, ninguém se admire que Domingues tenha gravado todas as conversas com membros do governo sem a sua autorização e o Lobo Xavier já as tenha ouvido, para verificar se há matéria para mais calhandrice.

Para um administrador de bancos isto é um suicídio, não há ninguém que esteja no seu pleno juízo, nem mesmo o seu amigo Lobo Xavier, que lhe mande SMS ou se comprometa em conversas telefónicas. António Domingues deixou de ser confiável e duvido que passada esta fase o próprio Lobo Xavier tenha confiança no seu velho amigo. O que poderá ter levado alguém experiente a imolar-se na pira da falta de princípios? O dinheiro que perdeu por não ser administrador, a vaidade ferida? Um dia saberemos.

A Caixa Geral de Depósitos representa milhares de milhões de euros, o seu dinheiro pode alimentar muitas empresas, pode ser multiplicado gerando muitas fortunas generosas na distribuição de comissões. A CGD pode aprovar PER que mantém vivas empresas que já morreram, tem importantes participações no capital de outras empresas, como se viu no caso da PT, tem créditos malparado concedido as importantes empresas e personalidades, adquire muitos milhões em fornecimento dos mais variados serviços, tem milhares de milhões para emprestar, pode favorecer muitas promoções políticas ao nível nacional e em cada uma das autarquias.

É aqui que entra o Lobo, neste caso o Lobo Xavier e nesta matéria temos mais um lobo do que um frade a falar para peixinhos. E se Lobo é mesmo o lobo, o António Domingues acaba por ser o cordeiro. Lobo Xavier, apesar de bom cristão, não é conhecido como administrador do Banco Alimentar ou de muitas das IPSS da Igreja. Antes pelo contrário, Lobo Xavier é administrador de grandes empresas e na sua vida não teve uma única aula de gestão.

Todas as grandes empresas têm interesses directos ou indirectos na CGD, grandes empresários mantêm litígios com a CGD, muitas empresas e personalidades têm crédito malparado para renegociar, tudo matérias em que o gestor, o administrador, o advogado ou o lobista Lobo Xavier pode dar uma preciosa ajuda, tudo dentro da maior das legalidades. 

Lobo Xavier é o maior lobista da vida política e económica portuguesa. O seu poder é imenso, principalmente se o governo for da direita. Com os governos da direita todas as reformas fiscais com imapcto nas empresas passaram pelas suas mãos, Paulo Núncio nada fez sem consultar Lobo Xavier, er o lobista que sabendo dos desejos de algumas das maiores empresas sabia o que os grandes interesses pretendiam das reformas do IRC ou do património.

Neste caso o Lobo misturou o cordeiro, o CDS, o PSD, o Presidente da República, uma estação de televisão e só Deus sabe quantos jornalistas numa manobra visando derrubar o mais competente ministro das Finanças das últimas décadas e ajudar a repor o governo da direita. Um dia talvez saibamos o que tinha o Lobo a ganhar com a degola do cordeiro e pode ser que se venha a perceber que tipo de Conselheiro de Estado é este Lobo Xavier.


Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Cavaco Silva

Li o livro do Fernando Lima porque me apercebi de ser um dos principais visados na prosa daquele que durante tantos anos tinha sido a voz off de Cavaco Silva. Fiquei com a impressão de que muito do que cavaco discursou, falou ou pensou tinha muito de Fernando Lima, o próprio sugere que foi depois de ter sido dispensado de tão nobres funções que Cavaco resvalou para a asneira, um exemplo dado desta fase pós Lima de Cavaco foi a célebre referência de Cavaco ao papel da santa de Fátima na saída limpa.

Por isso uma das curiosidades do novo livro de Cavaco era tentar perceber se há grande diferença entre o Cavaco aparentemente escrito por Lima e o novo Cavaco. escrito não se sabe ainda muito bem por quem. Mas convenhamos que ler um livro de Cavaco Silva é uma penitência demasiado grande, mesmo para um pecador encartado como eu. Mas por aquilo que se percebe pelo que sai na comunicação social este é o Cavaco do costume, o Cavaco da má moeda, o Cavaco das escutas telefónicas, o Cavaco a quem basta nascer uma vez para ser mais honesto do que todos os portugueses.


Só um Cavaco destes sentiria a necessidade de criticar um presidente em funções, não porque um presidente não mereça ser alvo de críticas, incluindo por um ex-presidente, mas porque as críticas de Cavaco têm um pressuposto que se encaixa bem nessa personagem, Cavaco critica para sugerir que o bom era ele. O Cavaco institucionalista não se aguenta sem tentar destruir a credibilidade do seu sucessor, talvez porque se sinta enciumado pela boa imagem do seu sucessor, algo que ele nunca teve apesar das muitas maiorias absolutas e eleições ganhas.

O Cavaco deste livro é o Cavaco de sempre, continua politicamente enfezado, uma versão ZIP de um Presidente da República. Este é o Cavaco que se insistiu na queixa contra um cidadão que gritou algo que não gostou, que premiou um PIDE ao mesmo tempo que negou uma pensão a Salgueiro Maia, que inventou escutas para tentar derrubar um governo eleito democraticamente, este é o Cavaco que se deixou homenagear no mesmo dia em que Soares ia ser oficialmente homenageado este é o mesmo Cavaco de sempre.

Não admira que Cavaco seja tão mau como e-presidente como o foi enquanto presidente e como quem torto nasce tarde ou nunca se endireita o senhor da Quinta da Coelha não melhorou com o tempo que passou, não é como o vinho do Porto, com a idade em vez de melhorar parece que azeda. O seu livro é tão mau como o do seu assessor e não é necessário lê-lo, mesmo fechado dele escorrem insinuações torpes, ódio aos partidos que representam mais de 50% dos portugueses, mau perder, raiva, inveja e outras qualidades que já lhe conhecíamos.

«O último Presidente da República usa a primeira obra de memórias sobre o tempo em que ocupou o Palácio de Belém– de 2006 a 2016 – para deixar uma crítica velada ao sucessor. Cavaco Silva, que saiu de cena com baixos níveis de popularidade, explica o divórcio com os media e frisa a "recusa da política-espetáculo" para justificar a fraca adesão dos portugueses à sua mensagem, rejeitando o estilo protagonizado por Marcelo Rebelo de Sousa. 

"Teria sido um Presidente da República diferente se não tivesse chegado à mais alta magistratura do Estado saturado do palco mediático", afirma Cavaco Silva num capítulo do livro ‘Quinta-feira e Outros Dias’, pré-publicado pelo ‘Expresso’, que será lançado na quinta-feira. 

O também ex-primeiro-ministro explica que quando chegou a Belém "tinham sido 25 anos de forte exposição", o que explica o "distanciamento relativamente à comunicação social, a reserva da Presidência da República nas relações com a imprensa e a minha recusa da política-espetáculo, tão cara a muitos políticos por proporcionar notícias e fotografias, mas que, em minha opinião, não traz qualquer benefício ao País", elenca Cavaco. É aqui nítido o antagonismo face a Marcelo, que surge nas redes sociais com frequência a tirar selfies. Numa farpa ao passado do sucessor como comentador, Cavaco frisa que "um Presidente não se deve condicionar pela agenda mediática".» [CM]

 Ao mau cagador até as calças empatam

Para Helena Garrido, uma das devotas do Diabo anunciado por Passos, há sempre motivo para desgraça:

«2016 termina com a economia a crescer e o défice reduzido para valores que nem o Governo previa. Falta resolver a ameaça financeira que paira sobre Portugal. E a nuvem política gerada pelo caso CGD.» [Observador]

Dantes era o défice, depois foram os juros, agora foiu a confusão que Lobo Xavier e Domingues lançaram na CGD. O que virá a seguir para que Helena Garrido anseie pelo regresso de Passos Coelho e da sua pinochetada económica?

 Interrogações que me atormentam

Será que uma mera declaração de rendimentos que ninguém iria consultar justifica tanta vontade de vingança que levam António Domingues a revelar conversas e e-mails privados a um lobista da direita, para estes os usar às mijinhas para lançar confusão? Será amor à direita que leva este bancário reformado a ficar tão enlameado na praça pública? O que moverá este camarada Domingues para conduzir uma vendeta digna dos seus tempos de MRPP?

O que levará Domingues a queimar-se socialmente para lançar uma guerra política em que é evidente que as grandes figuras do PSD evitam dar a cara? Porque será que o PSD usa apenas segundas figuras nesta guerra suja idealizada e executada por Lobo Xavier, um homem que tresanda a dinheiro e a negócios?

 A propósito de mentiras

Compreende-se que Passos Coelho evite expor-se neste debate da CGD, não só está promovendo uma guerra suja e quer poupar a sua imagem, como sab que em matéria de mentiras é um campeão na história da democracia portuguesa. Enganou tudo e todos, mentiu ao parlamento, enganou os portugueses, mentiu aos militantes do seu próprio partido. Passos tentou impor uma revolução económica digna de Pinochet sem que nenhuma das suas medidas constasse de qualquer proposta eleitoral.

Mas o grande campeão da mentira foi Passos Coelho. Aqui ficam apenas algumas das suas muitas mentiras, uma recolha que se refere apenas aos s«primeiros meses do seu governo, não consta aqui a promessa feita na campanha eleitoral de que as receitas fiscais estavam a correr tão bem que os idiotas iam receber um reembolso de uma parte significativa da sobretaxa do IRS.
  1. "A haver algum ajustamento fiscal será nos impostos sobre o consumo" (Bruxelas, 24-03-2011) [Expresso]
  2. "Em Miranda do Corvo, Pedro Passos Coelho admitiu que a população local «ficou a ver comboios» e prometeu que o «comboio vai voltar», muito embora tenha lembrado que «não há condições para nos comprometermos nesta fase com esta obra»."(Miranda do Corvo 31-05-2011) [TSF] O pessoal de Miranda do Corvo já anda de combóio?
  3. "O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento."  [Twitter] [DN]
  4. Perguntou a estudante: "Vai tirar os subsídios de férias aos nossos pais?", respondeu Passos Coelho: "Eu nunca ouvi falar disso no PSD. Eu já ouvi o primeiro-ministro dizer, infelizmente, que o PSD quer acabar com muitas coisas e também com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e isso é um disparate" e acrescentou: "isso é um disparate" (Vila Franca de Xira81-04-2011) [TVI24]
  5. "Já ouvi o primeiro-ministro dizer que o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e é um disparate."  [Twitter][DN]
  6. "Nós calculámos e estimámos e eu posso garantir-vos: Não será necessário em Portugal cortar mais salários nem despedir gente para poder cumprir um programa de saneamento financeiro" (30-04-2011) [JN]
  7. "Quando digo que estou preparado para construir um Governo com não mais do que 10 ministros, falo evidentemente da possibilidade do PSD ter uma maioria absoluta e poder responder por esse resultado" [CM]
  8. "Aqueles que são responsáveis pelo resvalar da despesa têm de ser civil e criminalmente responsáveis pelos seus actos." Promessa feita no Facebook. Cumpriu?
  9. "Nas despesas correntes do Estado, há 10% a 15% de despesas que podem ser reduzidas.".  [Twitter][DN]. Cortou? 
  10. "Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português.". Quantos mandou para a mobilidade com vista ao despedimento?
  11. "Se vier a ser necessário algum ajustamento fiscal, será canalizado para o consumo e não para o rendimento das pessoas." [Twitter][DN]
  12. "Queremos transferir parte dos sacrifícios que se exigem às famílias e às empresas para o Estado." [Twitter][DN]
  13. ""Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Se as coisas não estiverem bem temos que dizer que os que têm mais terão que ajudar os que têm menos em Portugal" (Oliveira de Azeméis 1-07-2011)  [Público]
  14. «Passos Coelho prometeu até final deste mês apresentar “um programa ambicioso” que passará por “acabar com institutos públicos fundações”, aquilo a que se chama a “gordura do Estado”. O plano de acção, garantiu, “até final de Outubro estará em grande medida concretizado”.» (Festa do pontal, 15-08-2011) [Público]. Alguém viu o famoso plano ambicioso?
  15. A cereja em cima do bolo das mentiras de Passos Coelho foi a famosa fraude eleitoralista conhecida por reembolso da sobretaxa. Recordemos o que o traste de Massamá dizia:

    "Reiterando que não se trata de um “anúncio” sobre a devolução da sobretaxa, Passos Coelho lembrou que todos os meses as pessoas podem fazer uma simulação de quanto vão receber no próximo ano. “O mês passado apontava para 25%, este mês para 35,7%, mas não é um valor fechado. Não é uma promessa, não é um anúncio para as eleições. A minha expectactiva dada a evolução é ter fechado até ao final do ano um valor de devolução muito significativo”, afirmou." [Público]

    Pois, não só se limitou a reembolsar um corno e a ponta do outro como foi o Centeno que teve que suportar os custos das fraudes na contabilização das receitas fiscais promovidas por Passos. Aliás, umas das razões que levavam Passos a ter esperança num segundo resgate estava nas vigarices fiscais que fez.

Nenhuma destas mentiras justificariam a demissão, isso apesar de o próprio ter em tempos escrito no Twitter que "Como é possível manter um governo em que um primeiro-ministro mente?". Mas o mentiroso Passos Coelho nunca mentiu aos deputados de uma Comissão parlamentar e, como se sabe, uma coisa é mentir aos idiotas dos portugueses e outra, bem mais grave, é mentir a essas sumidades "parlamentícias".

Só é pena que Lobo Xavier não tenha tido acesso aos SMS trocados entre Portas e Durão a propósito dos submarinos, entre Portas e Passos acerca da irrevogabilidade da sua demissão, entre Maria Luís e Carlos Costa sobre a contratação de Sérgio Monteiro para caixeiro-viajante, ou entre a Maria Luís e Passos Coelho a propósito dos seus negócios com swaps.

Já que estamos em tempos de voyeurismo tenho de confessar que tenho gostos bem diferentes dos de Lobo Xavier, não aprecio os SMS entre gajos com barba. Mas , enfim, cada um tem as suas preferências em matéria de curiosidade mórbida.

 Uma pergunta

Se é o Lobo Xavier o gestor dos SMS do Domingues porque é que a direita parlamentar em vez de exigir os SMS a Domingues não os pede ao camarada Xavier?

      
 Isto ainda vai acabar mal
   
«Manuel Vicente, vice-presidente de Angola e ex-presidente da Sonangol, foi acusado em Portugal de um crime de corrupção activa, outro de branqueamento e outro de falsificação de documento, no âmbito da Operação Fizz, a mesma que em Março já tinha levado a Polícia Judiciária a fazer buscas na Procuradoria-Geral da República (PGR).» [Público]
   
Parecer:

Como a justiça portuguesa é exemplar querem estender a sua acção a Angola?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela resposta dos angolanos.»
  
 Este agora é polícia?
   
«António Lobo Xavier confirmou à SIC ter dado conhecimento ao Presidente da República da correspondência trocada entre o ministro das Finanças e o ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e que da leitura desta não resulta evidente a participação do primeiro-ministro no acordo que visava a isenção de entrega das declarações de rendimento ao Tribunal Constitucional.

“Não tenho evidência do envolvimento do primeiro-ministro”, afirma o advogado de António Domingues no programa Quadratura do Círculo, num extracto que a SIC-Notícias está a antecipar.» [Público]
   
Parecer:

O jogo sujo é tão grande que o Domingues deu os SMS ao Lobo Xavier para este derrubar Mário Centeno.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Xavier que interesses representa neste jogo sujo.»

 E não desconfiou dos negócios de acções do BPN?
   
«“Quanto mais via o entusiasmo do primeiro-ministro com os negócios das empresas da Venezuela, mais desconfiado eu ficava. Não me enganei”, diz Cavaco Silva, num excerto do livro, citado pela SIC Notícias. Esta frase surge numa altura em que Sócrates está a ser investigado no âmbito da Operação Marquês, que inclui suspeitas sobre os negócios do grupo Lena na Venezuela, tendo o Ministério Público de entregar a acusação até Março.» [Público]
   
Parecer:

Cavaco devia ter de explicar porque declara que não se enganou acerca dos negócios com a Venezuela. É óbvio que o "não me enganei" dá para funcionar como insinuação torpe, mas tem muita forma de se escapar em tribunal pois há muitas hipóteses de engano.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»

 Conselheiro, queixinhas ou intriguista?
   
«António Lobo Xavier confirma que foi ele quem deu a conhecer ao Presidente Marcelo Rebelo de Sousa o conteúdo dos famosos SMS trocados entre António Domingues, ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos, e o ministro das Finanças, Mário Centento, avança a SIC Notícias. O conselheiro de Estado não revelou, no entanto, pormenores sobre o conteúdo das mensagens e disse não ter provas do envolvimento do primeiro-ministro.

Lobo Xavier diz ainda que pediu autorização a Marcelo sobre se podia confirmar que tinha sido ele a dar as informações ao Presidente da República: “O Presidente da República teve conhecimento das informações que eu tinha através de um contacto pessoal comigo. Eu próprio perguntei se estava autorizado, se podia confirmar, porque estava numa posição relativamente delicada se me perguntassem, por estar exposto”.» [Observador]
   
Parecer:

Este Lobo é tão logo que deu em lobista, mas também é gestor, advogado, conselheiro, consultor, comentador, político, não político, enfim, é um artista português e oprovavelmente um dos melhor remunerados, ao seu lado o Júdice é um menino de coro.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»

 Polícias bandidos
   
«A investigação foi primeiro desencadeada internamente, pela própria PSP, quando no início do mês uma destas pistola foi apreendida a criminosos, no âmbito de uma operação policial no Porto. Rapidamente foi constatado que a Glock pertencia a um lote especial que estava armazenado na Direção Nacional da PSP, a sede da Penha de França. Na verificação dos registos concluiu-se que havia, pelo menos, mais de meia centena de outras destas pistolas que não estavam no armeiro.

A Direção Nacional comunicou de imediato o caso ao Ministério Público (MP) que delegou na própria PSP a investigação.

Os dois agentes diretamente responsáveis pelas armas foram suspensos preventivamente alvo de processos disciplinares.» [DN]
   
Parecer:

Isto é, são mais as armas que agentes da PSP colocaram no mercado do que as que foram apreendidas em mega operações da mesma polícia.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

O último pote

A crer naquilo que se vai ouvindo a propósito do folhetim Domingues este senhor foi traído, um malandro chamado Centeno (o que se poderia esperar de um mafarrico com um apelido espanhol que em português é centeio? É óbvio que se teria de ouvir muito burro a zurrar com cheiro a palha) prometeu-lhe uma CGD com ordenados e prémios iguais ao do sector privado e sem ter de suportar a curiosidade da populaça, com vícios delegados em jornalistas do CM ou do Sol.

Vendo o seu amigo traído, um bom cristão, um tal Lobo Xavier que aparece sempre que cheira a palha, personalidade que como todos sabemos anda neste mundo movido pelo desejo de fazer as boas acções necessárias para ter pontos suficientes no seu cartão de cliente do Céu, a fim de poder abrir as portas do dito, dispensado de terços e penitências e outros bilhetes. Toda a gente sabe que Lobo Xavier é o cristão mais franciscano que anda acima da terra, homem  despojado de riquezas e mais isolado dos vícios do mundo do que os monges da Cartuxa.

Os nossos deputados, gente que cada vez que dizem uma mentirita a primeira coisa que fazem quando chegam a casa é apertar as partes íntimas com o cilício devidamente certificado e desinfectado, estão indignados com a hipótese de o mafarrico espanhol ter dito uma mentira dentro desse santuário da verdade que é o nosso parlamento. Num hemiciclo onde metade das intervenções resultam de pedidos da palavra em nome da defesa da honra, o pecado da mentira é um pecado mortal, não admira a reacção dignas de meretrizes ofendidas a que temos assistido.

Não, o Domingues e os seus amigos, gente que come se sabe pertence a essa nobre estirpe de banqueiros portugueses, verdadeiros exemplos de honestidade e competência, como se pode ver pela situação brilhante em que estão todos os bancos portugueses ou que o eram em tempos mais recuados, não iam gerir a CGD para ganharem prémios chorudos, como fizeram muitos gestores da nossa impoluta banca. Iam servir o país e como gestores franciscanos só se sentiam obrigados a prestar contas a Deus porque só a isso está obrigado um bom cristão.

Não, o Lobo Xavier não tem o mais pequeno interesse nos muitos milhões da CGD, nem ele nem os muitos interesses que representam teriam interesse nos créditos, na litigância, nos PER ou nos muitos negócios da CGD. A sua presença no processo foi apenas para divulgar os emails e os SMS privados do Centeno, às mijinhas, porque o seu amigo Domingues é muito envergonhado e não se sente à vontade com jornalistas e políticos da direita, até porque o pobre banqueiro começou a sua escolinha no MRPP.

Não, os muitos milhões da CGD seria um fardo para qualquer um, um trabalho muito penoso. A má cobrança de muitos milhões em dívida e os muitos milhões disponíveis para muitos créditos não interessavam a ninguém. A própria presença de Lobo Xavier e de muitos dos deputados esganiçados da direita são a maior garantia de que qualquer relação entre aquilo que se passa e a vontade de ir ao pote é pura coincidência.

Enfim, por este andar até me vou tornar um devoto do Paulo Macedo, comecei por defender esse Domingues e dou comigo a sentir-me na obrigação de uma pesada penitência, dando graças a Deus por terem metido o Macedo na CGD, ou estou muito enganado ou com essa mudança salvei o que me resta dos subsídios de férias e de Natal.  

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
António Domingues, banqueiro reformado

Se ontem começava a ser óbvio que a mão atrás do arbusto que manipulava a situação para tramar Centeno era a de António Domingues, hoje isso é quase assumido pela notícia do Expresso. É óbvio que Lobo Xavier é o executor de uma estratégia de rasteirar Centeno, não havendo nada a criticar começa-se por forçar Centeno a fazer declarações sabendo-se do que consta em documentos e em SMS.

Hoje é mais do que óbvio que os deputados da direita, precisamente aqueles que promoveram uma decisão parlamentar para derrubar Domingues, têm contado com acesso a informação de dentro para tramarem Centeno. Começa a ser óbvio que Centeno paga muito caro o ressabiamento do ex-candidato a presidente da CGD e que o país anda a perder demasiado tempo com pequenas vinganças pessoais de gente que por causa de uma treta de uma declaração a quem ninguém liga decidiu fazer vergar o país.

Ainda bem que Domingues se demitiu, seria muito feio se daqui a uns anos o Lobo Xavier fosse para as televisões tornar públicos todos os segredos da CGD, em episódios semanais. Se um amigo tem acesso a SMS de um ministro enviados para o seu telemóvel e esses SMS são usados da forma manhosa a que temos assistido, é evidente que essa pessoa não tinha condições para gerir a CGD.

Pela primeira vez na política portuguesa alguém usou mensagens pessoais sem autorização para promover uma vingança pessoal, montando armadilhas a um governante que julgou que podia confiar nessa pessoa. Bateu-se no grau mais baixo, independentemente das consequências política há alguém que vai carregar com esta nódoa, nunca se viu ir tão baixo na falta de lealdade e de escrúpulos.

O criminologistas costumam dizer que as mulheres matam de forma diferente da dos homens, que o fazem, por exemplo, com recurso ao veneno. É mais ou menos assim, desta forma muito feminina, que alguém quer matar politicamente Mário Centeno.

«O conselheiro de Estado António Lobo Xavier, amigo de António Domingues, deu a conhecer o conteúdo das mensagens ao Presidente. Marcelo ter-se-á sentido traído, diz o “DN”, o que explica em parte o tom do comunicado desta semana em que justifica a manutenção do ministro das Finanças “atendendo ao estrito interesse nacional em termos de estabilidade financeira”» [Expresso]

 Dúvidas que atormentam

Como é que o Lobo Xavier teve acesso aos documentos das conversas entre Domingues e Centeno? Quem lhe disse o que constava nos SMS? Porque motivo o Lobo Xavier vai dando as dicas uma de cada vez? Quem é que tem acesso aos SMS de Domingues e quer tramar o Centeno? Deixem-me adivinhar...

 Ainda que mal pergunte

Os SMS e outras comunicações feitas por Passos Coelho e os membros do seu governo estão registadas e guardadas nalgum arquivo?

 É estranho

Depois de o governo anunciar o novo apeadeiro de Sacavém era de esperar que Rui Moreira viesse exigir um novo Aeroporto, talvez em Leixões ou em Gaia.

      
 Ao mau cagador até as calças empatam
   
«O Bloco de Esquerda considera que os dados que apontam para que o défice português em 2016 fique nos 2,1% resultam de "uma política contraproducente". "Isto significa que estamos 0,9 pontos percentuais abaixo do que era exigido para cumprir as metas. São 1,664 mil milhões de euros, numa altura em que o investimento público é tão necessário", criticou a deputada Mariana Mortágua.

As palavras da deputada bloquista surgiram minutos depois de Mário Centeno ter anunciado, durante a sua audição na Comissão de Orçamento e Finanças, que o défice em 2016 "não será superior a 2,1%". Uma informação que Mortágua defendeu não poder "compreender como uma boa notícia".» [Expresso]
   
Parecer:

Já que fala com ares de quem sabe que o défice estava planeado é uma pena que a deputada não se tenha lembrado disso uns meses antes.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Marcelo ainda não percebeu
   
«O Presidente da República considerou hoje que Governo e oposição devem ficar felizes com a boa notícia de que o défice de 2016 não será superior a 2,1% do PIB, assumindo que perdeu uma discussão com o primeiro-ministro.

No final da visita à OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre a garantia feita hoje no parlamento pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, de que o défice orçamental de 2016 não será superior a 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB).» [DN]
   
Parecer:

Só Marcelo é que não percebeu ou faz de conta que não percebeu que o que Passos Coelho mais deseja é um segundo resgate
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Explique ao Sr. Presidente como se fosse uma criança de 4 anos que o D. Sebastião de Passos é a Troika e não o Centeno.»

 Aeroporto Mário Soares
   
«O Presidente da República sugeriu hoje que o aeroporto complementar de Lisboa, que poderá localizar-se no Montijo, seja batizado com o nome de Mário Soares, em homenagem ao ex-chefe de Estado falecido a 7 de janeiro.

"Se é possível ao Presidente da República fazer alguma sugestão, ela é de que essa nova realidade mereça o nome de Mário Soares, homenagem justa a quem serviu o país", salientou Marcelo Rebelo de Sousa no decorrer de uma visita à OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca.» [DN]
   
Parecer:

A ideia pode parecer boa, mas parece que quando Sá carneiro dá nome ao aeroporto do Porto não ficaria muito bem dar o nome de Mário Soares ao apeadeiro de Sacavém.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pense-se melhor»

 Nem mesmo o famoso Guarda Abel?
   
«Nem guarda-costas, nem segurança privada. Jorge Nuno Pinto da Costa garantiu nesta quarta-feira em tribunal que nunca teve nenhum contacto com a empresa SPDE para lá do âmbito do contrato que esta tinha com o FC Porto. A única excepção era a vigilância a uma casa de família, na zona de Cedofeita, para a qual o presidente do clube portuense solicitou os serviços da mesma firma, num acordo que devia ser pago conjuntamente com os seus irmãos.» [Público]
   
Parecer:

Pinto da Costa no seu melhor.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

Os gargantas fundas

É um dos lados escuros da política portuguesa de quem ninguém fala, os militantes ou simpatizantes que os partidos colocam em altos cargos da Administração para que lhes sirvam de informadores quando não estão no poder. Não raras vezes vemos políticos da oposição a fazerem intervenções que fazem supor um conhecimento dos dossiers que vai muito para além do que seria permitido pela sua confidencialidade.

Esta prática vai tão longe que até temos um comentador televisivo que semana após semana aparece na SIC ganhando protagonismo graças à facilidade com que acede a dossiers a que um mero advogado privado seria suposto não aceder. O momento mais alto desta orgia aconteceu quando Marques Mendes tornou públicas as propostas do Banco de Portugal. É óbvio que acedeu a um dosseir altamente confidencial e só "desbocou" quando sabia que o dossier já tinha chegado ao governo. Não se sabe de onde veio a fuga de informação, se do BdP ou do governo, desta forma todos saem incól,umes e o "garganta funda" de Marques Mendes não foi denunciado.

Este é um exemplo que salta aos olhos, se me ouvirmos com atenção as intervenções de Passos Coelho percebe-se com frequência que acedeu a mais informação do que aquela que a lei permite que seja tornada pública ou mesmo comunicada ao parlamento. O mais recente exemplo desta forma de fazer oposição sucedeu com a suposta mentira de Centeno. Quando a direita exigiu a correspondência entre Centeno e Domingos fê-lo de uma forma que deixava óbvio que sabia que daí poderia vir matéria para alimentar o folhetim. E assim foi.

Agora insistem, em ter acesso aos SMS entre Centeno e Domingos, algo que muitas vezes apagamos, da mesma forma que não gravamos as conversas telefónicas. A direita exige algo que só em crimes com penas superiores a 3 anos a justiça pode fazer, e fá-lo em condições que as polícias não podem fazer, exigem gravações. É óbvio que a direita sabe muito bem o que está nos SMS, também sabe que Centeno pode argumentar que os apagou, como faz qualquer pessoa. Então porque motivo a direita insiste? A direita sabe que existem os SMS, porque alguém os guardou  os colocou à disposição de quem quer tramar Centeno.

Já não estamos no debate de ideias ou mesmo no apuramento da verdade, estamos no domínio da intriga e do golpe baixo. A partir de agora é bom que os políticos evitem enviar SMS, nunca saberão se o SMS ingénuo a que estarão a responder não será uma cilada, a resposta que estão a dar de forma informal com meia dúzia de caracteres pode estar nas mãos de Passos Coelho ou de qualquer outro político no dia seguinte.

Não é a primeira vez que Passos Coelho e a sua equipa recorrem a truques na política, a sua equipa que ganhou experiência nas lutas das associações de estudantes, usaram e abusaram de truques nas redes sociais e nos programas com participação de ouvintes, nas rádios e televisões. Agora vão mais longe, estão usando informação privilegiada e pessoal para montar ciladas. Perdida a esperança do segundo resgate, falhada a vinda do diabo, Passos e a sua equipa de extremistas socorre-se de todos os meios para sobreviver.


Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
António Domingues

O PSD parecia saber que na correspondência entre Centeno e Domingues havia matéria para alimentar um folhetim, não era grande coisa mas servia para distrair o país e tentar derrubar o melhor ministro das Finanças das últimas décadas. Veio-se a comprovar que assim era e ficou evidente que o PSD estava bem informado.

Se em relação à correspondência há muitas pessoas que a leram e tendo em conta o número elevado de "antenas" que Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque montaram nos mais altos níveis da administração Pública nada há a acrescentar, já em relação aos SMS a questão pode ser outra. É a primeira vez que num debate destes alguém se lembra de pedir os SMS e isso só pode querer dizer uma coisa, o PSD sabe o que lá está.

Acontece que os SMS não constam em papéis que possam ser lidos por um dos muitos "informadores" que o governo anterior deixou em muitos altos cargos do Estado, são pessoais. Ora, se Centeno não os deu a Passos Coelho, quem os terá dado? Uma coisa é mais do que óbvia, se a direita quer os SMS é porque muito provavelmente já os leu.

Fica-se com a sensação de que Domingues pode muito bem ser o guionista deste triste folhetim.

«Depois de o CDS ter perguntado formalmente se havia SMS, ou comunicações feitas por outra via, entre António Domingues e o Ministério das Finanças de alguma forma relacionadas com a existência de condições acordadas com o Governo para aceitar presidir ao banco público, também o PSD vai concretizar um pedido semelhante. Mas em vez de querer saber se essas SMS existem ou não, o PSD vai mesmo pedir ao ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos a transcrição das mensagens escritas que trocou com o ministro das Finanças. Objetivo é clarificar a “extensão da mentira de Mário Centeno” e o envolvimento do primeiro-ministro.

“Vamos hoje dar entrada de um requerimento [na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos] pedindo ao doutor António Domingues que faça a transcrição das mensagens escritas que terá trocado com o senhor ministro das Finanças apenas e só a propósito daquilo que a alteração ao estatuto do gestor público exclui, designadamente a questão da entrega das declarações de rendimentos, para que possa ficar claro de uma vez por todas a extensão da mentira do doutor Mário Centeno e para percebermos também o envolvimento do primeiro-ministro em toda esta matéria”, disse o deputado do PSD Hugo Soares, em declarações à Lusa.» [Observador]

      
 Mais um forte motivo para demitir Centeno
   
«A economia portuguesa acelerou em termos reais no quatro trimestre, crescendo 1,9% face a igual período de 2015, e terminou o ano com uma expansão de 1,4%, valor que supera todas as previsões mais recentes, indicam dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).» [DN]
   
Parecer:

Numa altura em que a economia dá sinais de inverter um ciclo a direita tenta por todos os meios derrubar Centeno.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Apoie-se o ministro.»
  
 Adivinhem quem o matou
   
«O irmão de Kim Jong-un foi assassinado na Malásia, confirmou uma fonte do governo sul-coreano à Reuters.

O meio-irmão mais velho do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-nam, foi assassinado na segunda-feira de manhã no aeroporto de Kuala Lumpur, de acordo com as informações divulgadas esta terça-feira pela imprensa da Coreia do Sul.

Aos 45 anos, Kim Jong-nam foi morto com uma agulha envenenada por duas mulheres — que poderão ser agentes da Coreia do Norte e que fugiram de táxi.

Até ao início da tarde sabia-se que um norte-coreano não identificado morreu a caminho do hospital na passada segunda-feira. A identidade do homem ainda estaria por confirmar, ainda que um funcionário das emergências tenha afirmado que a vítima nasceu em 1970 e chamava-se Kim.» [Observador]
   
Parecer:

Menos um a incomodar o grande líder.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Registe-se.»

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Percepções



A arte dos políticos está em anteciparem qual é a percepção que os eleitores têm do que fazem ou dizem, daí a importância que dão à comunicação. Veja-se o caso de Cavaco, quando era primeiro-ministro dava a imagem de um verdadeiro Marquês de Pombal, com a secretária cheia de novos projectos, mas há quem diga que no seu gabinete só haviam sondagens. Não admira que a sombra da sua carreira tenha sido um jornalista, a famosa fonte de Belém.

Passos já mudou de estratégia política por várias vezes desde que uma nova maioria parlamentar dispensou os seus serviços. Sempre que o fez teve maus resultados, um sinal de que a percepção dos eleitores é diferente da que pretende conseguir. Longe vão os tempos em que Relva contava com uma matilha de blogues (gente que pode ficar descansada porque o fiscal de Braga não desconfia deles), em que tinha uma “boa imprensa”, num tempo em que as forças vivas da nação” apostavam nele.

O líder do PSD parece não perceber o que lhe está sucedendo e ainda recentemente cometeu mais um erro, rasteirou os parceiros sociais, convencido de que a confusão o favorecia. Julgava que ia passar a imagem de um governo desorientado e incapaz de funcionar apoiado na esquerda. Teve azar, a percepção dos portugueses foi a de que Passos seguiu uma estratégia de terra queimada, desceu mais um ponto nas sondagens.

No caso da CGD Passos luta furiosamente, deixar de estar no domínio do racional para actuar por instinto, tentando desesperadamente sobreviver. Os resultados orçamentais e os elogios da Comissão Europeia põem fim à sua estratégia da terra queimada, deixa de ter esperança num segundo resgate. É preciso fazer com que ninguém leia as boas notícias e derrubar o governo a qualquer custo.

O ataque é feito em duas frentes, manda atirar sobre Marcelo, o primeiro tiro é dado de forma inteligente por um dos seus críticos, mas o PSD comete o erro de permitir a percepção de que a crítica iniciada por José Eduardo Martins não ter sido espontânea, é igual a uma barragem de críticas que se seguiram. Os eleitores vão mudar de opinião acerca de Marcelo, pressionando a mudar de posição, como pretende Passos Coelho. É mais provável que a percepção dos eleitores seja diferente, que vejam nesta estratégia os gritos de um afogado .

Quase em simultâneo há um ataque cerrado a Centeno por causa de uma suposta mentirita. Mas a percepção dos cidadãos pode ser outro, podem pensar que Passos tenta a todo o custo derrubar aquele que pela sua competência, sucesso e credibilidade internacional é a trave mestra do governo. A percepção dos eleitores pode ser a de que Passos não hesita em desejar mal ao país e aos portugueses só para conseguir subir um ponto nas sondagens.


Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Marques Mendes

Alguém se recorda de Marques Mendes ter dito que se isto fosse a Alemanha a então ministra Albuquerque ou o Passos Coelho seriam demitidos por terem decidido a destruição do grupo GES em pleno mês de Agosto?

Começa a ser evidente que Marques Mendes usa o seu tempo de antena na SIC para, com base nas informações dadas pelas suas "antenas dentro do PSD e do Estado, ir construindo a sua posição de candidato a líder da oposição. A verdade é que é ele que marca a agenda da oposição, e faz mais notícias de impacto com os seus comentários do que as muitas iniciativas de Passos durante os fins de semana.

O problema de Marques Mendes está em não perceber que ninguém demite o melhor ministro das Finanças das últimas décadas, ele próprio dizia há pouco tempo que quem cairia primeiro seria o ministro da Economia. Enfim, desde que quer (voltar a) ser líder do PSD Marques Mendes atira-se a Centeno, dá-lhe mais protagonismo.

Marques Mendes só se esqueceu de um pequeno pormenor, é que, afinal, o parlamento veio a tomar posição.

«Marques Mendes explicou, no espaço de opinião aos domingos na estação televisiva SIC, que António Costa congelou o decreto-lei relativo à retirada da Caixa Geral de Depósitos (CGD) do estatuto de gestor público por mais de um mês. Esta era uma das condições colocadas por António Domingues para aceitar a liderança do banco público. O decreto foi aprovado a 8 de Junho de 2016 no Conselho de Ministros e foi promulgado a 21 de Julho por Marcelo Rebelo de Sousa. Segundo o Jornal de Negócios, a lei só foi publicada em Diário da República a 28 de Julho, altura em que o Parlamento começava o período de férias. O comentador referiu ainda que, por norma, a publicação decorre poucos dias depois da sua promulgação, até quatro dias.

Marques Mendes diz que “o Governo atrasou deliberadamente a publicação e fez o ‘veto da gaveta’ durante mais de um mês”, o que fez com que o decreto-lei fosse publicado “quando os deputados estavam a entrar de férias”. Assim, “não se aperceberiam do decreto-lei e não podiam pedir a sua análise no Parlamento”, disse o comentador.

Marques Mendes considerou ainda que Mário Centeno “já se devia ter demitido”, uma vez que não existem dúvidas de que “Domingues fez um pedido” e Mário Centeno não o recusou. Se não se demitir, “perde o respeito e tem menos autoridade”, afirmou Marques Mendes.» [Público]

 Gente fina é outra coisa



Não há memória no Caso Marquês de ver o Observador, ou qualquer outro órgão de comunicação social, dar o mais pequeno destaque aos argumentos dos acusados. Mas neste negócio dos vistos comprados os envolvidos são barões, condes e morgadas da direita, pelo que no dia do início do julgamento não do que se acusa que faz notícia, são os argumentos dos acusados, que mais parecem ser os ofendidos.

 São Pedro mentiu três vezes antes do galo cantar

Isso quer dizer que Centeno tem pelo menos dois créditos.

      
 Demita-se o Centeno! Já!
   
«A Comissão Europeia voltou esta segunda-feira a rever em baixa a sua estimativa para o défice público português do ano passado, assumindo já que ele poderá ficar em 2,3% com a ajuda do plano de regularização das dívidas fiscais lançado pelo Governo. Apesar de apontar para uma evolução do défice estrutural abaixo do previsto pelo Governo, Bruxelas antecipa para os próximos dois anos défices nominais claramente abaixo de 3%, um sinal de que estão criadas as condições para a saída do país do Procedimento por Défice Excessivo (PDE).

Nas previsões de Inverno agora divulgadas, os responsáveis da Comissão Europeia revêem de 2,6% para 2,3% a sua estimativa para o défice de 2016, algo que explica com o impacto positivo de cerca de 0,25 pontos percentuais do programa de regularização de dívidas fiscais, posto em prática no final do ano passado.» [Público]
   
Parecer:

Dava um grande jeito à direita demitir o ministro com melhores resultados em democracia para depois lá meter a rapariga da aritmética.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Maria Luís Albuquerque que volte a matricular-se no ensino básico para melhorar os seus conhecimentos de aritmética, ao que parece tem um conflito intelectual com a tabuada.»
  
 Era preferível estarem no desemprego
   
«O presidente do PSD disse hoje que o número de trabalhadores com baixos salários cresceu com as políticas do atual Governo, estimando que no final de 2016 "quase um milhão" de trabalhadores ganhava o salário mínimo.

Pedro Passos Coelho, que falava na Guarda, onde presidiu à sessão de encerramento do "Congresso da Coesão Territorial - O futuro dos territórios", organizado pela Juventude Social-Democrata (JSD) disse que o país precisava de ter "um modelo de desenvolvimento assente em mais altos salários e o que é que se está a passar? De 2014 até agora cada vez são mais os trabalhadores a tempo completo que recebem o Salário Mínimo Nacional (SMN)".

"Na primavera de 2014 eram cerca de 400 mil os trabalhadores que ganhavam o SMN. A nossa estimativa é que no fim de 2016 seja quase um milhão o número de trabalhadores que ganham o SMN", afirmou. » [Público]
   
Parecer:

Só um doido se queixa de serem criados empregos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Passos quanto ganhavam os estagiários dele.»

 Há com cada sacana...
   
«Ao longo de vários meses de 2016, este inspector das Finanças em Lisboa terá explorado mais de uma dezena de mulheres. Pelo menos duas delas contabilizaram 13 trabalhadoras não pagas, todas imigrantes. O PÚBLICO falou com oito. Uma apresentou queixa à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT). Nessa queixa, referem-se as 13 mulheres, acusa-se António de abuso de poder. Escreve-se que ele ameaçava que as denunciaria ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e que as acusaria de maltratarem a mãe, que terá 95 anos.

Ao longo de vários meses de 2016, este inspector das finanças em Lisboa terá explorado mais de uma dezena de mulheres. Pelo menos duas delas contabilizaram 13 trabalhadoras não pagas, todas imigrantes

O próprio António, em entrevista, admitiu que não pagou a seis das mulheres que o PÚBLICO referiu. Alegou primeiro que “nenhuma dessas pessoas” lhe tinha apresentado “identificação”, que “não sabia o apelido delas”. “Estamos a falar supostamente de pessoas que existem”, disse. Depois de afirmar “não me recusei a pagar a ninguém”, confessou: “Não paguei. Porque nenhuma delas me apresentou os documentos de identificação, ou passaportes. E todas se recusaram a celebrar contrato escrito que é obrigatório.” Além de “terem demonstrado que não tinham competência para assistência à minha mãe”.

“Isso é mentira dele”, afirma Filipa (nome fictício). “Quantas vezes falei para ele: e o contrato? Precisava do contrato para autorização do SEF. E ele falava: para a semana.” » [Público]
   
Parecer:

Como se sentirá o Inspector-geral de Finanças com tão exemplar inspector?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se-lhe.»

segunda-feira, fevereiro 13, 2017

O ódio a Centeno

Pela primeira vez em muitas décadas o país tem um défice orçamental na ordem dos 2,3% do PIB. Pela primeira vez em muitos anos não foi necessário fazer aprovar qualquer orçamento rectificativo. A situação do sector financeiro começa a ser resolvida. E quem é que a direita deseja que seja demitido? O ministro das Finanças.

Começaram por dizer que Centeno fez aprovar um decreto para que um tal Domingos fosse dispensado de apresentar uma declaração de rendimentos, mas durante semanas Centeno foi acusado de mentir. Esperem lá, se Centeno queria que a CGD fosse tratada como um banco privado, precisava de mentir dizendo que nada tinha prometido a Domingos?

É óbvio que o argumento da mentira, era preciso encontrar melhor argumento. Como era de esperar, coube a Marques Mendes a mudança de argumentos, a demissão de Centeno já não é exigida por ter mentido, mas sim porque o decreto da CGD só foi publicado no último da de Julho, até faz lembrar uma célebre comunicação ao país de Cavaco, ou a famosa destruição do BES que apanhou Passos Coelho a dar banho aos ditos, lá para os lados da Manta Rota.

Mas no caso do decreto da CGD o objectivo da manobra era impedir os deputados de exigir a ida do diploma ao parlamento, isto é, Marques Mendes sugere que o parlamento fecha para férias, que a democracia é suspensa e só reabre mais ou menos quando reabrem as escolas d ensino secundário. Mas o liderzinho da oposição teve um pequeno engano, acusou António Costa de ter metido o decreto na gaveta, concluindo que se isto fosse a Alemanha o Centeno já estaria demitido. Isto é, quem faz o veto de gaveta é o primeiro-ministro, mas na Alemanha quando isso sucede são os ministros a serem demitidos!

Passos Coelho ouviu o tempo de antena de Marques Mendes e mudou de discurso, o problema deixou de ser a mentira e passou a ser o decreto. Esta mudança de argumentação leva-nos a esperar que no próximo sábado o líderzinho do PSD anuncie quem de ser candidato por este partido a Lisboa, talvez o Passos Coelho o anuncie a  meio do lombo assado no próximo domingo.

Esta direita é divertida, em vez de propostas sugere vindas do diabo, em vez de soluções diz que a penda será entregue pelos reis magos e em vez de elogiar quem é competente não escondem que querem demitir aqueles que lhes destruiu os argumentos. Não é por causa da CGD que querem demitir Centeno, é porque não falhou e a única ideia que Passos tem para justificar o se regresso ao poder é o falhanço do país.

Longe vão os tempos em que uma Maria Luís Albuquerque era apresentada ao país como uma grande sumidade intelectual, até era competente demais para ir para um qualquer cargozito de comissária europeia. A Maria Luís espetou-se na aritmética e é por isso que querem demitir o Centeno a qualquer custo, é bom demais para que esteja no governo.

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Rui Moreira, autarca do Porto

É lamentável que na hora de criticar o populismo os nossos especialistas apenas se lembrem do Trump ou da Le Pen, como se o populismo fosse apenas um quadrante político, esquecem-se que por cá há gente a explorar falsas divisões entre Norte e Sul, entre cidades e meio rural ou entre muitas outras coisas. Uns com mais sucesso, outros com menos, não falta por aí quem se afirme politicamente com estratégias manhosas e Rui Moreira é um deles.

«O Porto foi eleito esta sexta-feira, pela terceira vez, o melhor destino europeu do ano. "Nunca a escolha de uma cidade vencedora foi tão unânime", lê-se no site da competição promovida pela European Consumers Choice. Enquanto o país vibrava, contudo, o Turismo de Portugal (TP) não fez qualquer referência à distinção da Invicta.

O Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, lançou-se ao ataque na sua página do Facebook. “O Turismo de Portugal não se empenhou na campanha para Melhor Destino Europeu pelo Porto, ao contrário do que fez há dois anos por Lisboa (que perdeu). Talvez por isso agora ignore o feito de uma cidade que é o feito de um país.”

No seu perfil pessoal, acrescentou ainda: “O turismo de Lisboa (desculpem... de Portugal) não só nada fez como nem sequer reconhece o que sucedeu ontem. A par da TAP, deveria ser fundido com a Carris”.» [Público]

 O novo argumento de Passos

Nas últimas duas semanas passos Coelho despiu o disfarce de primeiro-ministro no exílio, agora diz que está na oposição porque a isso o obrigou op PS, como se o lugar dele devesse ser outro. Foi no parlamento que Passos se dirigiu a Costa dizendo-lhe que estava ali como deputado por culpa do agora primeiro-ministro.

Mas neste sábado Passos deu a conhecer mais uma obra-prima da sua imensa lábia, para fundamentar as suas posições absurdas, como a que assumiu em relação à TSU. Na opinião de Passos Coelho o seu partido deve fazer uma birra pois se o PS recusou uma solução governativa de coligação não deve agora ajudar o governo.

Quem ouve falar Passos cor um risco de pensar que fala verdade, num gesto de desespero Passos Coelho até ofereceu um lugar de vice a Costa, o próprio Portas veio a público dizer que estava disponível para deixar de ser o número dois do governo. Não foi a primeira vez que a hipótese de uma coligação foi posta de lado, já no tempo do governo minoritário de Sócrates o líder do PSD recusou tal hipótese, dizia que iria favorecer os extremos políticos. Desta vez o argumento de Passos para governar sozinho era outro.

Em 14 de Outubro de 2015 dizia que se recusava a governar com um programa do Ps e que tinha ganho as eleições:

“Eu não vou governar com o programa do PS e não vou com certeza sujeitar o país a uma espécie de chantagem política em que quem perdeu impõe a quem ganhou as condições para dizer o que é que o PS acha importante para dar o seu contributo à estabilidade”

      
 Temos pena
   
«A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, lamentou este domingo, em Madrid, que Portugal não tivesse feito um caminho idêntico ao de Espanha, onde a direita continua a governar o país, apesar de ter perdido a maioria absoluta. “Lamentamos apenas que em Portugal não se pudesse ter feito um caminho semelhante ao que está a ser feito por Espanha”, disse Cristas no final do congresso do Partido Popular espanhol que confirmou Mariano Rajoy como líder desta formação política.

A presidente do CDS-PP referiu que, ao contrário de Espanha, “que fechou as contas com 3,2 % de crescimento económico” em 2016, Portugal terá um crescimento de “1,2 %, talvez 1,3 %, certamente abaixo dos 1,6 % de 2015 quando o Governo anterior [do PSD e CDS-PP] cessou funções”.» [Observador]
   
Parecer:

A Assunção poderia ter aproveitado para se informar sobre as diferenças entre as políticas do seu governo e as do governo espanhol.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «A senhora que se informe.»